O Buscador

O Buscador
"Quando olho para os Céus, não estou procurando por um Deus que vive no espaço exterior, estou lendo as estrelas e ouvindo os seus mistérios (Tehilim 19)". Deepak Sankara Veda

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

Boas Vindas

"ברוכים הבאים ממסורת עתיקה העברים במדבר". Bem vindo á Antiga Tradição dos Hebreus do Deserto ao "Zen Hebreu". Este site não representa o judaísmo, nada tem haver com judaísmo e com nenhuma de suas vertentes. Este "sítio" é um lugar onde Sabedoria é compartilhada

sábado, 16 de outubro de 2010

Macacos



O Midrash, bem como Rishonim e Acharonim ensinam que, após o pecado de Adão HaRishon (O Primeiro Adão) e, especialmente, após o pecado de Caim (Qayin), a progênie de Qayin degenerou-se em macacos, ou seja, o homem nunca foi macaco, mas o macaco já foi homem. A Cabalá nos ensina que toda a rectificação da alma de Qayin é a retificação potencial do macaco.

De acordo com o Arizal (Rabbi Isaac Lúria), as duas raízes da alma que deram origem à raça humana as são almas de Qayin e Abel. A retificação de todas as raízes da alma na raça humana que são os descendentes espirituais, embora não necessariamente os descendentes físicos de Qayin, é a retificação do macaco. A raiz da alma de Qayin geralmente é a esquerda. A raiz da alma de Abel é geralmente à direita. Todas as almas que derivam da esquerda, de Qayin, são as almas potenciais do macaco. Existem também os grandes tsadikim (justos), cuja raiz é a alma Qayin. Através de seu serviço Divino e retificação espiritual vem a retificação do macaco.

O nome "Qayin" em si começa com a letra Quf, a décima nona letra do alfabeto hebraico, que significa também Qof (macaco). O significado da palavra é Qof é "imitação", nomeadamente algo falso ou uma forma degenerada de imitação. A palavra em Inglês para "cópia" deriva do Qof hebraico. Existe também o dito "macaco vê, macaco faz", o que sugere também a imitação.

Uma vez eu tive um sonho em que, dezenas de macacos me perseguiam. Quando acordei, eu soube imediatamente que eu seria perseguido ou por pessoas cujo mês de nascimento era o mês hebraico de Adar ou que eu seria perseguidos no mês de Adar, isto porque o Sefer Yetzirá (O Livro da Formação) nos ensina que o mês de Adar (Chodesh Adar) foi criado pela letra hebraica "Quf".

Nossos sábios também utilizam a linguagem "Qof bifnei adam  - COMO UM MACACO NA FACE DO HOMEM", em referência a uma pessoa que tenta sem sucesso imitar algo. Este é um conceito relativo. Há muitos outros exemplos onde encontramos pessoas que são referidas como kof bifnei adam, em outras palavras "Imitadores". A beleza da nossa matriarca, Sarah, que era a maior de todas as tzadikot (mulheres justas) na Torá, é referida como kof bifnei adam em relação à beleza de Eva, antes do pecado de Adão. Assim, vemos que uma parte integrante da história é o processo degenerativo do "homem" em "macaco".

O Arizal ensina que entre cada dois níveis de realidade, há sempre um nível intermediário. Ele afirma explicitamente que o nível intermediário entre o homem e o animal é o macaco. Há dois lados para cada intermediário. No caso do macaco como intermediário, de um lado se relaciona com o "homem"  e do outro lado diz respeito ao aspecto "animal".

O intermediário é destinado a unir. O macaco tem um poder interior para unir a humanidade e o reino animal. No serviço de D'us, devemos aprender que, assim como um menor nível de realidade, muitas vezes tenta imitar um nível superior, e muitas vezes sem sucesso, como em kof bifnei Adam, o homem é orientado a imitar todos os atributos positivos que Deus criou em cada um dos os animais. Em Pirkei Avot diz que temos que ser tão ousados como um tigre, etc, para fazer a vontade de nosso Pai no céu. Como diz o versículo (Jó 35:11), malfeinu mibahamot aretz (Ele nos ensina a partir dos animais da terra). O macaco, como o intermediário entre o homem e o animal, dá uma visão do homem de como adotar os atributos positivos de todos os animais em seu serviço do Divino.

A letra Quf também significa hekeif ou makeef  "envolvente", que engloba toda a luz. A palavra Adam representa "yosher"- retidão", como diz o versículo: "Deus fez o homem reto". Assim, um dos relacionamentos entre homem e macaco, na terminologia da Cabala está entre "yosher - retidão", e "igulim - círculos", as "luzes ao redor". Nos níveis inferiores da realidade, as "luzes ao redor" são os níveis naturais de manifestação. "TEVA - Natureza",vem da palavra hebraica "taba'at "que significa "anel" ou "círculo". Em sua origem, a "luz ao redor" vem de or ein sof hasovev kol almin, "a luz infinita que envolve todos os mundos". Esta é a luz que existia antes da contração inicial (Tsim Tsum) no início do processo criativo, e a luz que ainda permanece como a onipresença de D'us, sem qualquer distinção entre os níveis superiores e inferiores. Este é o continuum supremo e absoluta da onipresença de D'us por toda a realidade. 

Outro significado de "makeef" é "tocar". Em muitos lugares na Mishnah, a palavra "hakafah" é usada para significar "duas coisas que se tocam". No que se refere aos cinco sentidos físicos, o macaco representa o sentido do tato. A Cabala explica que este é o sentido que mais reflete a sua origem no lóbolo posterior do cérebro. Em certo sentido, é uma imitação, o "Achor (outro lado) do homem. A elevação do macaco é a elevação da sensação física de toque. 

O versículo Chochmat adam tair panav - A Sabedoria do homem ilumina seu rosto" aponta para a relação entre homem e face, ou a parte anterior do corpo. Os sentidos da visão, audição, olfato e paladar todos aparecem no rosto. O lado posterior é o macaco, o sentido do tato, da palavra hakafah.

Os macacos gostam de saltar de galho em galho. Esta é uma expressão do sentido do tato. Isto também diz respeito ao papel do macaco como um intermediário entre o homem e o animal. O pulando de galho em galho representa a união dos itens separados.

Em aramaico, a letra  Qof é Kofa d'machta, que é o "buraco da agulha". Há um ditado muito importante pelos nossos sábios acerca de que quando uma pessoa sonha que vê coisas que não podem existir na realidade como a conhecemos. Há certas coisas, porém, que são tão distantes da realidade que, mesmo em um sonho, não podemos imaginá-las. O exemplo que os nossos Sábios utilizam para esse fenômeno é peela daiyil b'kofa d'machta - ver um elefante passar pelo buraco de uma agulha". No futuro, quando a era de Mashiach vier, vamos perceber essa experiência da infinita grandeza de entrar em todos os pontos da realidade finita. Isso é chamado hamshachat koach ha'bli gvul b'gvul.

A canção do elefante na Perek Shirah é "Gadol Havayah umehulal me'od D'us é  infinitamente grande e louvável". Isto é o que o elefante sugere que para a alma do homem. O elefante entrando no buraco da agulha é como o elefante se metamorfoseando em um macaco. Esta é realmente a elevação das maiores criaturas do reino animal. Ao entrar no Qofa d'machta, o buraco da agulha, que é a mesma palavra como "macaco", o elefante revela ao observador a infinita grandeza de D'us entrando em todos os pontos da realidade finita. Assim, a elevação da letra Quf  é a manifestação do infinito no finito.

Na Cabala, a letra kuf  representa muitas vezes "Qlipá - uma casca externa, que é um dos símbolos básicos para o mal na Torá e da Cabala. No extremo oposto do espectro, o Quf também representa santidade "(Qadosh) santidade", que é a separação total da realidade finita, do mundano. A Gemarah diz que a letra Quf letra representa santidade, como em kadosh, kadosh, kadosh. Estes são três Quf consecutivos que representam as três fases de elevação do primordial do macaco.

A letra Quf é a décimo segundo das doze letras simples do alef beit. Ela corresponde ao mês de Adar, a festa de Purim, o que sugere Ad d'lo yada. Todos os pontos discutidos acima referem-se Ad d'lo yada. Na superfície, quando uma pessoa fica bêbada, ele é "degenerado" de uma figura humana para uma figura animal, especialmente uma cópia do macaco. É por isso que as pessoas também se vestem de palhaços em Purim. 

A cada mês e cada letra tem um sentido. O sentido da letra Quf é o riso (o exemplo é o nome Itzchaq). Este é também o sentido do mês de Adar. A elevação do macaco é a elevação do riso. De acordo com nossos sábios (no Talmud) e Sefer Yetzirah, o riso tem origem no baço. Por isso, a letra Quf corresponde no corpo do homem para ao baço, o órgão de controle do riso. Um macaco faz a pessoa rir. O riso é um salto existencial, para um nível superior de consciência.

Você pode querer ver Sefer HaBerit. Discussões muito interessantes que são encontra na ciência atual e que eram conhecidas cerca de 200 anos atrás, aparecem lá. Desejo a vocês muito sucesso em seus estudos.

Aconselho a assistirem ao filme "Instinto" com "Cuba Gooding Jr. e Sir Anthony Hopkins. Veja um trecho do filme abaixo, o qual usei em uma das minhas aulas.




Terminado, quero citar algo encontrado no "Al´Quran (AlCorão)", onde os pescadores de uma cidade foram "DEGENERADOS" em "SÍMIOS" por profanarem o Shabath (ver Al´Quran 7º Surata 163-166).

Fonte:
Gal Einai com acréscimos e modificações do Rabino Misha´El Yehudá

Postagem em destaque

Reencarnação Através Do Beijo

Recebendo A Neshamá De Briá Experiência Pessoal (Artigo Em Construção) "Dá-me os teus lábios e eu te darei a minha alma (n...

Leia também...

O Artesão Da Luz

O Artesão Da Luz
Deepak Veda - Instrutor e compartilhador sobre a Sabedoria Espiritual. Sênior criptólogo especialista em Criptologia Divina. É escritor e autor de 14 obras, incluindo "Shem ha'Meforash - Os 72 Nomes De D'us" e "Guilgulim - O Portal Das Reencarnações".

Advertência

"Todas as palavras postadas aqui tem por finalidade a revelação dos mistérios das escrituras. Por mais duras que algumas vezes possam parecer, elas não tem finalidade de agredir, difamar, caluniar quaisquer pessoas, instituições, religiões ou quaisquer práticas religiosas e seus líderes. É certo que determinadas práticas e seus respectivos lideres precisam sim serem trazidos à luz, mas através da revelação da verdade"

Tradição

"Então, aqueles que são sábios brilharão como o esplendor (Zohar) do firmamento, e aqueles que retornaram à justiça para muitos, serão como as estrelas para sempre (Dani´El Péreq 12, 3º Passuq)".

Aviso

"A Hayk´la Arazuta não possui vínculos ou ligações com quaisquer endidades "judaicas" e nem mesmo com qualquer federação. A Hayk´la Arazuta não é siosnista e não crê no sionismo. Os rabinos da Hayk´la Arazuta não possuem ligação e nem seguem ou servem ao "judaísmo rabínico". A Hayk´la Arazuta avisa que qualquer um que proferir calúnias, difamações, ataques contra a honra da Comunidade, seus lideres e membros, ameaças de quaisquer tipo, os autores serão levados ao Judiciário através de processos cíveis e criminais. Copiar, distorcer e usar pejorativamente assuntos e experiências aqui publicadas, os autores serão processados. A Hayk´la Arazuta d´Madvra é um Orgão da Associação Cabalista Mundial - Gará Kulam Moshav, organização esta devidamente registrada junto ao Governo Federal Brazileiro de acordo com a Lei e possui CNPJ.".