O Buscador

O Buscador
"Quando olho para os Céus, não estou procurando por um Deus que vive no espaço exterior, estou lendo as estrelas e ouvindo os seus mistérios (Tehilim 19)". Deepak Sankara Veda

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

Boas Vindas

"ברוכים הבאים ממסורת עתיקה העברים במדבר". Bem vindo á Antiga Tradição dos Hebreus do Deserto ao "Zen Hebreu". Este site não representa o judaísmo, nada tem haver com judaísmo e com nenhuma de suas vertentes. Este "sítio" é um lugar onde Sabedoria é compartilhada

sexta-feira, 4 de março de 2011

Tron: Uma Questão Mística Judaica


*Desative o player de música no final do blog e mantenha o player do artigo para ouvir os temas de Tron - O Legado - enquanto lê o post.

טרון

“O problema com a perfeição é que ela é irreconhecível” – Kevin Flynn, em Tron – O Legado


Esqueça o relançamento de um filme sobre o Shoah - o Holocausto judaico. Para ver um filme sobre o Holocausto voltado para a geração digital, assista Tron - O Legado
.
Muito parecido com o original de 1982 (Tron - Uma Odisséia Eletrônica), uma das grandes obras-primas do cinema americano contemporâneo, a seqüela é, em grande parte, um conto de perseguição religiosa. 

O vilão do filme é Clu, um programa de computador. Clu está furioso com a existência de falhas e erros, e sonha com um mundo perfeito. Seu primeiro passo rumo à dominação do mundo é a captura de seu programador, Kevin Flynn. Sua segunda etapa é o genocídio, dirigido contra as ISOs, sofisticada e auto-geração de programas que são humanos, demasiados humanos e, portanto, imperfeitos, muito imperfeitos. Flynn e seu filho, ajudados pelo último dos ISOs, iniciam uma batalha contra Clu e seus asseclas em um cenário wagneriano repleto de imagens religiosas, que inclui uma morada na montanha Olympus, um personagem chamado Zeus, e Jeff Bridges em roupas brancas e uma barba branca, assumindo a aparência de um místico espiritualista que alcançou uma mente elevada, um verdadeiro Qabalista.

O que torna o tema religioso mais do que um mero florescer, no entanto, é a complexa relação entre Clu e Flynn. Clu é o alter ego de Flynn, que após três décadas está mais velhos e infinitamente mais sábio, usando a kavanná (introspecção interior) como ferramenta para elevar sua mente e alcançar compreensão. Flynn criou Clu para melhorar o mundo. Jovem e impaciente, Flynn tinha fé, ao criar um mundo virtual, em compreender a virtualidade deste nosso mundo fragmentado (a Árvore da Penetração do bem e do mal) e em sua capacidade em redimir a humanidade. E Clu, como qualquer criatura feita de códigos, aspira a nada mais, nada menos, do que a eliminação do acaso, dos acontecimentos aleatórios dentro do programa. Ele aspira à eliminação dos humanos e dos ISOs, que são cheios de caprichosa e irracional emoção, que lhe causa susto e nojo.

O criador do filme original, Steven Lisberger, falou sobre essa dualidade, em uma recente entrevista. "Meu pai era um judeu alemão", disse ele. "E o lado materno da minha família o colocou em um campo de concentração." Os laços intrincados entre o bem e o mal nunca foram perdidos em Steven Lisberger, e isto está aludido em Flynn e Clu, que é o lado maléfico do próprio Flynn.

Conforme nos tornamos cada vez mais dependentes de softwares para navegar cada elemento da nossa vida, a gente pode querer dar uma boa olhada em Clu e perceber que, enquanto as máquinas não confiáveis são provavelmente um perigo claro e presente, a nossa tendência crescente é para pensar como máquinas. Quanto mais permitimos que os programas mediem nossas interações uns com os outros, mais nós deixamos nossos cálculos em computadores, mais nós confiamos algoritmos para nos ajudar a encontrar um emprego ou uma casa e um companheiro de alma, quanto mais fizermos tudo isso, menos humanos nos tornamos. Estaremos assumindo de fato a nossa forma virtual.

A perda da humanidade é o grande tema de Tron. Com todos os seus flashes virtuais, o filme merece ser levado a sério.


Até aqui
Extraido do Jornal Judaico Tablet
Com acréscimos e explicações de 
Misha´El Yehuda
Daqui em diante texto de
Misha´El Yehudá

Está é a pergunta que não quer calar: Por que nós nos relacionamos tão bem com o mundo virtual a ponto de trocarmos o mundo que consideramos "real" pelo virtual? Este é o mistério:

Foi dito pelos antigos sábios da Chochmat Nistar Há´Torah (A Sabedoria Escondida da Torah) que, tudo o que existe aqui no olam hazêh (este mundo) tem sua forma e nome registrados, escritos no Gan Éden Elion (Jardim do Éden superior), até mesmo as coisas que aqui ainda não foram criadas tem suas formas e nomes registrados lá. 

Logo, concluímos que este mundo é uma "projeção" do mundo superior. E como sabemos, projeções tem suas limitações. Tudo é feito de luz, e devemos lembrar que a luz desce dos mundos superiores, sendo canalizada pelas sefirot da Árvore das Vidas, e chega aqui bem tênue, fraca, o que provoca a imperfeição e diferença entre o objeto verdadeiro e sua forma superior. Exemplo, é que hoje temos a Hight Definition (HD) e nem todos os aparelhos de televisão comportam tal tecnologia, principalmente os aparelhos antigos.


Para os cristãos, os quais possuem entendimento limitado devido aos dogmas estabelecidos no lugar da Sabedoria, "El ha'Ivrim (Hebreus) pereq 8, 5º passuq diz: "...li'dimut ve'tzel shevashamayim (לִדְמוּת וְצֵל הַדְּבָרִים שֶׁבַּשָּׁמָיִם)". Resumindo, tudo o que aqui existe é uma projeção do que existe acima, e assim, o próprio Zohar já nos revelou.

A boa noticia é que, alguns de nós, dentro do mundo virtual, como Kevin Flynn, despertamos e nos tornamos sábios, transcendo as limitações da "simulação".

A humanidade ainda não descobriu como Flynn, um hacker (literalmente "aquele que abre portas) do mundo virtual, como cruzar a "fronteira". À medida que a humanidade penetra no século 21, mais e mais mistérios da Torah vão sendo revelados à ciência.


O termo "Digital" vem do Latim "Digitus" e significa "dedo", aludindo ao trabalho criado pelos dedos através de combinações numéricas binárias que constroem códigos que dão origem ao que vemos no mundo "digital". Da mesma forma, o mundo (olam hazêh) é um constructo realizado pelas mãos de D´us, conforme nos é dito na Torah e nos Tehilim.

Em uma parábola o Zohar nos revela que este mundo é mesmo uma projeção virtual. Diz o zohar: "A mãe emprestou suas roupas para a filha..." - A mãe é o mundo superior, o sefirot redentivo de Biná, onde fica o Jardim do Éden superior, e a filha é Malchut, o nosso mundo.

O choque será gigantesco quando cruzarmos a fronteira e descobrirmos que tudo sempre foi uma ilusão, uma projeção.

Mas... Talvez, alguns de nós, como Kevin Flynn, despertem e dominem os seus inimigos internos representados por Clu, e os transformem, conforme nos ensina o Likutei Amarim Tânya, em bem, e nos tornemos, como Flynn, em luz...


Metatron

Devemos ter em mente que “Tron” é uma abreviação de “Metratron” que usava a boca de Rabi Akiva para comunicar os mistérios.

Metatron é também conhecido como o "Príncipe do Rosto Divino", "Anjo do Pacto" ou "Rei dos Anjos", é o responsável pela existência do mundo e pela sustentação da raça humana. No Talmude é considerado a ligação direta entre Deus e os homens; na Cabala é chamado "Anjo do Senhor". Também se atribui a ele ter segurado a mão de Abraão quando ele estava a ponto de sacrificar Isaac, embora essa missão também tenha sido atribuída a Micael. Uma versão conta que Enoch, ao ser definitivamente transportado para o céu, recebeu a ajuda do arcanjo Micael, que o ungiu com óleos e o vestiu para que tomasse a aparência do anjo Metatron. Como era um escriba na terra, Metatron passou a registrar tudo o que acontecia, exercendo no céu a mesma função que desempenhava como humano. A idéia de que nossos feitos estão registrados no Céu e que serão consultados no dia do Juízo Final corresponde a essa metáfora do escriba. Outra versão aponta a presença do arcanjo na criação do mundo, invalidando a hipótese de que ele seria um homem elevado à condição de anjo. Metatron habita o Sétimo Céu e pode tomar a aparência de um pilar de fogo com o rosto mais ofuscante do que o Sol. O significado do nome Metatron é incerto. Alguns acreditam que seu nome era derivado do latim metator (guia, mediador). Outros asseguram que se originou nos círculos judeus e deve ser considerado como uma invenção puramente judaica, uma metonímia para o termo "pequeno YHWH" (nome sagrado de Deus). Seu nome é interpretado como "aquele que ocupa o trono próximo do trono divino".

O valor em gematria de Metatron é 314, o mesmo que Shadai que é o Anjo do Pacto, cujas letras são um acrônimo para “Shomer Daletot Yesod – Guardião das Portas de Yesod – o mundo dos segredos na Árvore das Vidas.

Abrindo O Segredo

Metratron é מטטרון e o segredo do por que é dito que ele foi criado no crepúsculo do sexto dia da criação é porque Metraton é nada mais nada menos do que a "Vara de Moisés". Em hebraico o "Cajado" de Moshê é מטה e Metatron tem a mesma raíz de "Matêh (Vara/cajado)". As letras restantes טרון são as responsáveis pelas criações da Constelação de Leão (hebraico "Ariêh"), do planeta Mercúrio, da Constelação do Taurus e da Constelação de Escorpião, e dai inúmeros outros mistérios se escondem...



O Mistério dos Algoritmos Isomórficos


Em Tron, Flynn explica para seu filho Sam, que ele estava trabalhando em um novo sistema "perfeito" e que nomeou Clu como seu co-criador. Depois de muito trabalho, Flynn descobriu uma nova série de sencientes "algoritmos isomórficos" (ISOs), programas auto manifestados o qual ele descobriu possuírem o potencial para revelar os mistérios da ciência, religião e medicina (também chamado de algoritmos genéticos). Clu considerou que estes programas eram uma imperfeição, razão ilusória que o levou a traiu Flynn. Tron foi derrotado (se sacrificou para dar a Kevin tempo suficiente para escapar) e Clu exterminou através do genocídio os ISOs. Flynn também revelou que, enquanto ele se escondia de Clu, o portal de volta ao mundo real se fechou, tornando-o cativo de sua própria criação, até Sam o reabriu a partir do exterior.

Este mistério está atado ao segredo do Alef Beit – O Alfabeto Hebraico e sua manifestação mórfica neste mundo. O que você está tentando entender é o significado do que eu estou revelando aqui. Vou simplificar então: As letras do alfabeto hebraico se manifestam neste mundo na forma de pessoas. Um exemplo disto foi Eliyahu Há´Navi (o Profeta Elias) que era a manifestação física da letra hebraica Tzad (18º letra do alef beit). De fato ele não era uma pessoa, mas a manifestação algorítma isomórfica de uma letra hebraica. Isto parece complexo, não é mesmo? E é...

Eis aqui o segredo de como eu aprendo os mistérios da Chochmat Nistar e de como eles me são revelados: Eu converso com as letras e elas me contam os mistérios escondidos.


Além disto, os ISOs são uma alusão ao povo judeu, que é o canal do fluxo da luz para o mundo, e o mundo está, como Clu, sempre querendo nos exterminar através do genocídio.



Clu – A Potencialização do Ego


Esta é a parte mais impactante do filme: O diálogo entre Flynn e Clu – O ego manifestado do próprio Flynn.

Clu:
- Eu fiz tudo... Tudo o que você pediu!

Kevin Flynn:
- Eu sei que você fez.

Clu:
- Eu executei o plano!

Kevin Flynn:
- Como você o viu...

Clu:
- Você prometeu que iríamos mudar o mundo juntos. Você quebrou sua promessa...

Kevin Flynn:
- Eu sei. Eu entendo isso agora.

Clu:
- Levei este sistema para o seu potencial máximo. Eu criei o sistema perfeito!

Kevin Flynn:
- A coisa sobre a perfeição é que é incognoscível (irreconhecível). Ela impossível, mas também está bem em nossa frente o tempo todo. Você não saberia disso, porque eu não o sabia quando criei você. Sinto muito, Clu. Eu sinto muito...

O grande mistério deste diálogo é que Flynn criou e alimentou o seu próprio ego, mas quando ele o fez, ele era jovem e sem sabedoria. Agora, vinte anos depois, tendo atingido um estado de Zen de consciência e alcançado Sabedoria, a batalha final de Flynn é destruir aquilo que ele criou o seu próprio ego. Em outras palavras, como diz o segundo verso do Nome de D´us de 42 Letras, o Ana Be´koach - “Qerá Satan (Rasga o Satan)”, ou seja, o ego. Flyyn diz isto, ao pisar na ponte que conduz ao portal:

Kevin Flynn:
- Esta batalha é minha...


Importante ressaltar o que Clu diz quando encontra Flynn na ponte: - Eu executei o plano! - Flynn por sua vez revela: "Como você o viu" - Em outras palavras, o ego, a pessoa tomada por ele vê tudo distorcido, e acima de tudo, o ego manifestado dentro dela "NÃO TOLERA A IMPERFEIÇÃO". Ninguém é melhor do que ela e tudo o que outras pessoas fazem é imperfeito.

Amigo, sua batalha é a mesma de Kevin Flynn: Destruir aquilo que você criou. O seu próprio ego...

Para terminar, devo confessar, que fiquei impactado por Tron, e chorei muito no final, não porque é um filme belo, bonito, mas um resultado dos mistérios penetrando a minha alma.

Leia também...

O Artesão Da Luz

O Artesão Da Luz
Deepak Veda - Instrutor e compartilhador sobre a Sabedoria Espiritual. Sênior criptólogo especialista em Criptologia Divina. É escritor e autor de 14 obras, incluindo "Shem ha'Meforash - Os 72 Nomes De D'us" e "Guilgulim - O Portal Das Reencarnações".

Advertência

"Todas as palavras postadas aqui tem por finalidade a revelação dos mistérios das escrituras. Por mais duras que algumas vezes possam parecer, elas não tem finalidade de agredir, difamar, caluniar quaisquer pessoas, instituições, religiões ou quaisquer práticas religiosas e seus líderes. É certo que determinadas práticas e seus respectivos lideres precisam sim serem trazidos à luz, mas através da revelação da verdade"

Tradição

"Então, aqueles que são sábios brilharão como o esplendor (Zohar) do firmamento, e aqueles que retornaram à justiça para muitos, serão como as estrelas para sempre (Dani´El Péreq 12, 3º Passuq)".

Aviso

"A Hayk´la Arazuta não possui vínculos ou ligações com quaisquer endidades "judaicas" e nem mesmo com qualquer federação. A Hayk´la Arazuta não é siosnista e não crê no sionismo. Os rabinos da Hayk´la Arazuta não possuem ligação e nem seguem ou servem ao "judaísmo rabínico". A Hayk´la Arazuta avisa que qualquer um que proferir calúnias, difamações, ataques contra a honra da Comunidade, seus lideres e membros, ameaças de quaisquer tipo, os autores serão levados ao Judiciário através de processos cíveis e criminais. Copiar, distorcer e usar pejorativamente assuntos e experiências aqui publicadas, os autores serão processados. A Hayk´la Arazuta d´Madvra é um Orgão da Associação Cabalista Mundial - Gará Kulam Moshav, organização esta devidamente registrada junto ao Governo Federal Brazileiro de acordo com a Lei e possui CNPJ.".