O Buscador

O Buscador
"Quando olho para os Céus, não estou procurando por um Deus que vive no espaço exterior, estou lendo as estrelas e ouvindo os seus mistérios (Tehilim 19)". Deepak Sankara Veda

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

Boas Vindas

"ברוכים הבאים ממסורת עתיקה העברים במדבר". Bem vindo á Antiga Tradição dos Hebreus do Deserto ao "Zen Hebreu". Este site não representa o judaísmo, nada tem haver com judaísmo e com nenhuma de suas vertentes. Este "sítio" é um lugar onde Sabedoria é compartilhada

domingo, 12 de novembro de 2017

A Conquista Da Lua: Nas Fronteiras Da Era Messiânica

Saturno Cinco

Quando a alma de Adam ha' Rishon (Homem Primordial) foi fragmentada em 600.000 centelhas, estes fragmentos de almas retiveram em si informações que a grande alma universal de Adam ha' Rishon tinha estudado com seu professor, o Anjo Raziel. Nestas centelhas de almas estão gravados todo a Sabedoria (Chochmá), toda a Compreensão (Bináh) e todo o Conhecimento (Da' at) e por esta razão, estas centelhas de almas são chamadas de Reshimot (רְשׁוּמוֹת), palavra hebraica que significa "Registros" e que vem da raiz de "Rashum (רָשׁוּם)" que significa "Registrado" e, portanto, uma alma é uma "Reshimá (רְשִׁימָה) - um registro".

Quando uma alma (néfesh) sob ao mundo vinda do poço das almas (Árvore das Qlipot) ou quando ela desce (ruach ou neshamá) vinda da Árvore das Vidas ela começa a manisfestar no mundo físico (olam hazêh). Para melhor compreesão vou citar o exemplo de Steve Jobs. Ele nasceu no dia 2 de Adar de 5715 que correspondeu ao gregoriano 24 de fevereiro de 1955. Adar (אדר) é na verdade "A-dor (א-דר)" que significa "primeira geração", aludindo à primeira geração das 600.000 reshimot que estavam em Har Sinai no evento da outorga da Toráh (Instrução Divina).

Quando Adam ha' Rishon comeu da Etz Da' at Tov ve' Rá (עֵץ, הַדַּעַת טוֹב וָרָע) - Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, ele adquiriu muita informação que ficou registrada na sua grande e unificada alma. O Zôhar Sagrado nos diz que esta Árvore está repleta de "maças tecnológicas". Ela era a Árvore da Tecnologia (עֵץ תַפּוּחַ). A palavra para Maçã é "Tapuach (תַפּוּחַ)" e tem as mesmas letras de "Pituach (פִּתּוּחַ)" que significa "Abertura".

Um exemplo desta tecnologia da Árvore do Conhecimento foi o Cajado de Moisés que era um ramo deste arbol que Adão trouxe do Jardim do Éden e que foi passando de geração a geração (דּוֹר וָדוֹר) até chegar a Moisés.

Com o nascimento de Steve Jobs a tecnologia foi novamente descoberta e nossa missão agora é usá-la de forma correta e não idolatrá-la como fez a Civilização da Serpente (Nachash) que foi destruída por ela.

A Missão Apollo

A conquista da Lua começou com o Projeto Mercury (Mercúrio) e alcançou o seu ápice com o Projeto Apollo em 20 de julho de 1969. Mercúrio é o ascendente de Gêmeos é alude ao Anjo Metatron. Gêmeos é o signo da tecnologia. Por exemplo, a revelação da Toráh no evento do Sinai recebeu a influência de Mercúrio, pois, de acordo com o Sêfer Ha' Yetzirá (Livro da Formação) Mercúrio foi criado pela letra hebraica "rêsh (ר)" e Gêmeos pela letra hebraica "zayin (ז)". A Toráh é formada por cinco livros chamados "chumash (5)" valor que é representado pela letra hebraica "hê (ה)". Juntas, estas letras formam o nome "Zôhar (זהר) - Radiância" e é por esta razão que eu sempre digo para estes "rabinos mortos" que negam a existência do Zôhar Sagrado ou afirmam que ele é uma lenda, que o Zôhar foi revelado em Har Sinai. E o que havia em Har Sinai? 600.000 reshimot (Centelhas de Almas).Metatron foi quem se revelou a Moisés no fenômeno da Sarça Ardente. O Zôhar informa que Metatron era a tecnologia na mão direita de Moisés (o Cajado).

O Projeto Mercury

Alguns dos sábios da QABALAH afirmam que, a Era de Aquário começou com o nascimento do Rabino Isaac Lúria no século 16 o que eu também afirmo e já provei aqui com algumas publicações onde demonstrei os códigos na Toráh que são as evidências disso.

O Ari, como era chamado e até hoje é conhecido o Rabino Isaac Lúria, afirmou que veio ao mundo unicamente para instruir ao Rabino Chaim Vital que, segundo ele era uma reencarnação de Adão (ver Shaar ha'Guilgulim ha' Qadmá 38). Eu revelei aqui que a parte divina da alma do Rabi Isaac Lúria era o Anjo Raziel que veio ao mundo para instruir seu aluno Adão (Chaim Vital). Este segredo está nas letras do cognome esotérico pelo qual ele é hoje conhecido, Arizal (אריזל) que é um anagrama de "Raziel (רזיאל)".

Ainda em vida, as almas do Arizal e seu amado aluno o rabino Chaim Vital se uniram e assim, quando o falecimento do Arizal, sua alma passou para o Rabino Chaim e se unificou para sempre com a dele, o que ele mesmo afirmou quando disse "Eu e o Ari somos um (Shaarei Qedusha)".

Porque a missão recebeu o nome de Apollo? A gematria do nome "Apollo (אפולו)" é a mesma de Chaim Vital (חיים ויטל) e de Paulo que é 123. O número onze em hebraico é "echad ésser (אחד עשר)" cuja gematria é igual a 583. O onze alude à Era de Aquário e o valor 583 é a gematria de "Reencarnação do Arizal e do Rav Vital (גלגל האריזל ורב ויטאל)". O homem pisou na Lua no ano gregoriano de 1969, no dia 20 de julho que, no calendário hebraico foi 5 de Av de 5769 que é a data do ocultamento da alma do Rabino Isaac Lúria quatrocentos anos depois que o Ari se encontrou com seu aluno Chaim. A Lua está a 400.000 quilômetros da Terra e foi, de acordo com o Livro da Formação, criada pela letra hebraica "Tav (ת)" cuja gematria é 400. E há muito mais...


O Saturno Cinco, o poderoso lançador da Missão Apollo 11 é apelidado de LEO que é um acrônimo para "Low Earth Orbit (Baixa Orbita Terrestre)". LEO é o genitivo do Latim Leão que é significado de Ari.

Recebendo Reshimot

Sempre que a Shabat é recepcionada adequadamente, com ela recebemos Reshimot, centelhas de Alma que descem do Jardim do Éden é se hospedam naqueles que, com kavanot (meditações) e conhecimento deste mistério da reencarnação por Yibur, cumprindo a mitzváh (preceito) de ser hospitaleiro. Assim, seu sempre me concentro para ouvir as reshimot que recepcionei e receber delas revelações dos mistérios divinos e segredos maravilhosos, e quando estes segredos me são revelados, com eles vem todas as evidências de que são verdadeiros.

Clique Para Ampliar

Acima, está a matrix do Código que descobri hoje e que completa esta revelação que recebi em 2013. No centro, em vermelho está "Apollo 11" e cruzando Apollo 11 está "Seiscentas mil almas". Abaixo de Seiscentas Mil está Ha' Ari (Elohei Rabi Yitzchaq) e abaixo dele está "Vital". Mestre e aluno juntos com Apollo 11 evidenciando este mistério divino.



Autor
Bën Mähren Qadësh
"Dipankara Vedas"
Misha"Ël Ha"Levi

domingo, 5 de novembro de 2017

A Constância Do Tempo


A fragmentação de Adam ha'Rishon (O Homem Primordial) é uma consequência da fragmentação de Adam Qadmon (O Homem Celestial), conforme afirma o Zôhar: "assim como é acima, é abaixo".

Antes da fragmentação, Adam ha'Rishon possuía 300 cúbitos de altura, o que são 137 metros. A idade do universo criado após a fragmentação de Adam Qadmon é de 13,7x1.000.000 e que é igual a 13,7 bilhões de anos. 

Para os que desconhecem a Chochmat Nistar ha'Torá (Sabedoria Escondida da Torá) que o Zôhar chama "QABALÁH" foi a fragmentação de Adam Qadmon (O Homem Celestial) que deu origem ao nosso universo. O ego científico convenceu a si mesmo de que a ciência foi quem postulou a teoria do Big Bang - a Grande Explosão - que deu origem ao universo conhecido. A verdade é que, foi o Rabino Nehuniá Ben Ha'Kanná (o revelador da prece Ana Be'koach) quem postulou primeiro esta verdade e, isto, há mais de 2000 anos. O Rabino Nehuniá explicou que, no princípio não havia nada e a Luz (Ein Sof Ór) preenchia absolutamente tudo e, não havia nem começo e nem fim, nem cabeça e nem cauda. Então, a Luz resolveu criar e deu nascimento ao Cli (Vasilha) para o qual a Luz passou a emanar tudo. Com o tempo, o Cli percebeu que ele não era merecedor de tudo o que gratuitamente recebia e passou a rejeitar a Luz se contraindo e expandindo, efeito este chamado "Tzim-Tzum (Contração e Expansão)". Este movimento afastou a Luz criando um espaço vazio entre a Luz e o Receptáculo (Cli). Em relação a nós, este ponto vazio era do tamanho de um grão de mostarda e o Talmude diz sobre esta semente "Ein bô mamash (nela, nada havia)". Quando o espaço vazio apareceu no nada absoluto, o Criador (Ein Sof Ór) traçou um filete de luz até a cabeça (keter) de Adam Qadmon que começou a preenchê-lo enchendo todas as suas sefirot (vasilhas divinas) com a luz primordial. Ao chegar nas pernas do Cli, a Luz não pôde ser contida e elas se estilhaçaram sendo arremessadas em todas as direções contendo centelhas da Luz Divina aprisionadas nos seus cacos e este efeito é o início de toda a criação. 

No século dezesseis, o Rabino Isaac Lúria chamou esta fragmentação de "Shevirat ha'Kelim (A quebra das vazilhas)". Portanto, o Big Bang não foi postulado pela ciência, e sim pelos Sábios da Torá. O número 137 é o valor numerológico da palavra QABALÁH que significa "Recepção do Divino (Qabel-Hê)". 

Adam ha'Rishon foi criado à semelhança do Criador que é uma alusão a Adam Qadmon e como Adão era muito alto e abrangia toda a criação o tempo também era maior e diferente do tempo atual. Quando o Adão Primordial foi fragmentado em centelhas de almas menores (613.000) o tempo também foi afetado e diminuído, mas, mesmo assim, como no princípio as almas viviam muito, como o próprio Adão (930 anos) o tempo também era maior do que o atual. 


"A galáxia não possui 200 bilhões de sóis como pensado pela ciência astronômica, mas, 613 bilhões de massas solares, pois, como foi dito: "Assim como é acima, é abaixo".

Porque se vivia muito a oportunidade de cometer outros erros aos invés de corrigir o que causou a fragmentação era maior e, então, o Sagrado dividiu novamente as centelhas e centelhas de almas menores diminuindo o tempo de vida e facilitando a correção e, então, o tempo também diminuído e é por esta razão que a ciência não consegue conciliar a criação de Adão há 5778 anos atrás com a idade dos fosseis ou da primeira mutação genética a partir de Adão e que ele afirmam ter ocorrido há 130.000 anos. Adão pecou ao meio dia da sexta-feira cósmica, isto é, quando ele tinha doze horas divinas de vida. Qual a base de cálculo para descobrirmos a idade que Adão possuía em relação ao tempo atual quando ele foi fragmentado? 

"Porque mil anos são aos teus olhos são como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite (כִּי אֶלֶף שָׁנִים, בְּעֵינֶיךָ--כְּיוֹם אֶתְמוֹל, כִּי יַעֲבֹר; וְאַשְׁמוּרָה בַלָּיְלָה.)" - Tehilim (Salmos) 90 versículo 6. 

O passuq (versículo) contém o segredo que é a nossa base de cálculo. Um dia divino são mil dos nossos anos. Logo, um ano divino são 365.250 dos nossos anos. Como Adão ainda não havia cometido seu erro e está sob a influência do Divino, ele tinha 500 anos divinos quando pecou, isto é, Adão tinha cerca de 182.625.000 anos (cento e oitenta e dois milhões seiscentos e vinte e cinco mil anos). O tempo foi drasticamente diminuído com a fragmentação e continua sendo diminuído a cada dia que passa. Este mistério contêm o segredo da duração de uma vida: Quanto mais centelhas de almas uma pessoa possuí, mas longa é a sua vida, pois soma as o tempo de vida que estas centelhas viveram em outras encarnações de acordo com as raízes de suas almas.

Autor
BËN MÄHREN QADËSH
"Dipankara Vedas"

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Brincando De Fazer Golem's

A Velha-Nova Sinagoga De Praga


Revelando As Lembranças Da Alma

"Na tradição judaica , o golem é mais conhecido como uma criatura artificial criada através dos segredos da Torá Escondida, muitas vezes para servir seu criador. A palavra "golem" aparece apenas uma vez na Bíblia (Salmos139: 16). Em hebraico , "golem" significa "massa sem forma". O Talmude usa a palavra como "não formada" ou "imperfeita" e de acordo com o Talmude, Adam é chamado de "golem", que significa "corpo sem alma" (Sanhedrin 38b) durante as primeiras 12 horas de sua existência (720 minutos divinos). O golem também aparece em outros lugares do Talmude. Uma agadá diz que o profeta Jeremias fez um golem juntamente com seu filho, Ben Sira. No entanto, alguns místicos acreditam que a criação de um golem tem apenas um significado simbólico, como uma experiência espiritual após um rito religioso o que na verdade é apenas uma desculpa para a dificuldade de se penetrar o mistério".

Em setembro de 2010 eu acordei do seguinte sonho: "Estava na Morávia, país da República Checa, sobre a qual caía uma escura e furiosa tempestade. Eu notava as casas e tentava me proteger atrás de um barranco junto com uma jovem".

Este sonho permaneceria um mistério até que meu despertar se realizasse em 27 de setembro de 2014, no 270º dia do ano solar, a partir do qual, as muitas centelhas de almas que me habitam começariam a se revelar manifestando suas evidências divinas. Para alguns, loucura, presunção, arrogância e para outros um grandioso milagre, principalmente aqueles que estão na Galut (exílio espiritual). Ora, o valor 270 é a gematria de "Ër (עֵר)" que significa "Desperto".

Deste 1999, três anos após o meu primeiro despertar do qual acordei de outro sonho místico onde eu estava dentro de uma caverna na qual havia um Aron ha'Qodesh e pessoas que entoavam uma canção. Era o Ma-Tovú.


מַה-טֹּבוּ אֹהָלֶיךָ, יַעֲקֹב; מִשְׁכְּנֹתֶיךָ, יִשְׂרָאֵל.

Acordei e comecei também a entoá-la sem, no entanto, tê-la conhecido previamente nesta vida e muito menos sem nunca antes ter ouvido hebraico ou o estudado.

Desde o ano de 1999, eu sentia que era uma reencarnação de um dos antigos de Tzfat (Saféd) e o sentimento era muito forte, e foi quando, um amigo logista que trabalha ao lado do estande no qual eu vendia assinaturas da Sky me deu um selo no qual havia o Leão do Centro de Cabalá estampado. Era um sinal da alma do meu mestre me conduzindo pelo caminho do Despertar. Era o leão ali estampado o sinal e não o Centro de Estudos da Cabalá, no qual, baruch Hashem, eu só estive um vez em 2002. 

Em 2014, no dia vinte e sete, esta antiga alma semi adormecida em mim, despertou completamente e começou a manifestar suas evidências.

Dois anos depois do meu despertar, em fevereiro de 2016 a Compreensão Divina me alcançou e eu compreendi o mistério quando fui inspirado a iniciar meu livro "O Maharal & O Golem De Praga". No dia em que comecei a escrever o Conto, uma amiga e aluna (Karla Alves) sonhou que eu a estava ensinando a criar um Golem e que ele deveria ter 101 quilos e na mesma época um dia dela estava em Praga.

No dia em que eu comecei a escrever minha história sobre o Golem, a artista gráfica Daniela Owergoor criou e postou a arte que estava destinada a ser a capa do meu livro "O Maharal & O Golem De Praga".


A Arte

Eu senti que poderia ter recebido um Yibur (reencarnação) de uma centelha do próprio Maharal de Praga e o pensamento me fez tremer e em razão deste sentimento escrevi para a introdução do livro "Que eu seja merecedor do Yibur do Maharal de Praga, abençoada seja sua lembrança, e que pelo mérito da sua alma eu possa terminar esta obra". Após isto eu estava estudando gematria e me ocorreu de calcular o nome Morávia no hebraico que é Moraváh (מוראבה) e descobri que a gematria Neelam (oculta) também chamada de "gematria nistar" de Moraváh é 887 e então fui calcular a gematria de "Yibur Maharal mi-'Prague (עיבור מהרל מפראג)" e descobri, para meu próprio espanto, que o resultado era exatamente o mesmo de Moraváh: 887! E o que é o Yibur?

"Este é o sod (segredo) : Do mesmo nível de pureza e extensão do tikun (correção) alcançado pela Néfesh (נֶפֶשׁ) da pessoa, irá reencarnar no seu corpo, enquanto ele ainda está vivo, a Néfesh de um tzadik (justo) que já completou o seus gilgulim e retificações, e não precisa mais reencarnar aqui. Ao entrar aqui, a Néfesh deste tzadik toma o lugar do Ruach desta pessoa".


Sha'ar Ha'Guilgulim Ha'Qadmá 2

A partir deste momento o Portão do Segredos (Sha'ar ha'Razim) se abriu para mim e eu comecei a compreender o mistério desta gematria. A expressão "No segredo da unificação, reencarnação da néfesh do Maharal (בסוד יאחד גילגול הנֶפֶשׁ מהרל)" possui a mesma gematria, 887.

Eu estava trabalhando no conto quando, de repente, recuperei uma memória escondida de quarenta e dois anos e a usei para a abertura do livro. Ei-la:


         "Quando eu era garotinho, o meu melhor amigo era um outro pequenino que se chamava Levi e que morava rua acima da casa dos meus pais. No quintal dos fundos, da casa dos pais de Levi, havia uma parte não cimentada, de barro, e na qual um buraco grande o suficiente para brincarmos dentro dele, havia sido escavado.
Criávamos pequenas cavernas para nos divertirmos com homenzinhos de plástico e soldadinhos de chumbo, desses que vinham em doces que comprávamos no bar ou na quitanda. Era divertido, mas minha brincadeira preferida era criar bonecos humanoides de barro e o mais estranho era que esperava sempre que eles ganhassem vida. Sempre caprichava muito ao criá-los e no final do dia, quando voltava para casa, deseja que o dia amanhecesse logo para reencontrar meus homenzinhos de barro.
Era intrigante criar homens de barro perfeitos e era como se já os tivesse feito em outra vida. Seria uma lembrança?
Aprendemos com o Livro da Formação[1], habilmente traduzido por nosso amigo Erwin Pamplona Von Rommel sobre o Golem que Abraão[2] fez: - A criatura de barro a qual ele conferiu vida. Aprendemos também sobre o Golem de Praga criado pelo Maharal, o Rabino Judá Loëw ben Betzalel, para proteger os judeus da acusação cristã do Libelo de Sangue -  de que comiam criancinhas durante a páscoa - e que talvez tenha sido o último Golem da qual se tenha notícia.
Desde pequeno, a minha alma já manifestava as lembranças da Sabedoria da QABALAH a qual houvera estudado em outra vida e talvez, um segredo mais profundo, mas, a primeira vez que estudei o Sefer Yetzirá foi em 2001, com uma edição em espanhol/hebraico que ganhei.
Parar criar um Golem, são necessárias, três tipos de almas: Uma Cohen, uma Levita e uma Israelita e alguns outros mistérios. O meu melhor amigo era um que se chamava Levi e que brincava comigo de fazer homens de barro.
Quando não me encontrava na companhia de Levi, descia rua abaixo para um grande terreno baldio onde, em uma das suas paredes, eu fazia minhas cavernas e criava meus golenzinhos. Lembro-me de um bem grande que criara e que o guardei por muito tempo na casa da minha avó materna que sempre me contava estórias do bicho papão ou de criaturas que andavam pelos telhados à noite. Não me lembro que fim o meu golem tomou. Talvez tenha ganho vida.
Recentemente acessei o Google Street View e procurei pela antiga casa onde morei durante meus doze primeiros anos e também pela casa de Levi e pelo velho terreno baldio e, para minha surpresa, pouca coisa mudou.
Não me admiro que as vezes, me pego pensando que as crianças nos shtetls e guetos da Europa e mesmo nos Campos de Concentração durante a Segunda Guerra mundial e da opressão Nazista, não tivessem outras brincadeiras que não fazerem golems de barro sob a voz de algum rabino lhes contando estórias destas criaturas míticas criadas por homens sagrados. E não seria uma das melhores brincadeiras do mundo?"



Esta foi a lembranças mais poderosa que recuperei da minha infância e eu tinha sete ou oito anos quando estes eventos aconteceram na minha vida. Certamente foram recordações místicas da centelha deste Santo Cabalista, impressões, um sopro divino vindo dos shtels da Morávia e de Praga.

Outras Evidências

"O controle sobre qualquer coisa ou situação é uma ilusão do ego e impõe restrição para a atuação do Divino e da nossa própria alma para manifestar os seus mistérios".

Alguns meses antes do meu Despertar acontecer, em fevereiro de 2014, eu estava com minha namorada no apartamento dela, o de número 112. Eu havia levado o meu Notebook para que pudesse estudar, junto com ela, a sabedoria da Torá e seus códigos, uma vez que ela não possuía computador e nem internet. Saquei o Laptop da bolsa, o abri e cliquei no software de pesquisa dos Códigos da Torá. Queria demonstrar a ela o milagre que é a Torá de Moisés e que todos nós estamos escritos nela, como todas as nossas particularidades e como já possuo larga e longa experiência na análise dos Códigos, escrevi o nome dela em hebraico como palavra-chave e o meu como código alternativo esperando encontrar algum cruzamento. O que descobri naquela tarde faria emergir evidências daquilo que eu ainda não sabia: A unificação da minha néfesh com o ruach do Grão Rabino de Praga.

CLIQUE PARA AMPLIAR

Não apenas estávamos os dois codificados juntos no Tanach, mas também conectados pela mesma letra dos nossos nomes civis, a letra "Pei (פֵ)". A primeira coisa que descobri, além de estarmos codificados juntos, foi que, acima dos nomes nomes estava escrito "Shavit Tshri (שָׁבִיט תִּשְׁרֵי) - O Cometa de Tshri" - cruzando meu nome e nós nos reencontramos por ocasião da passagem do cometa Ison (C/2012 S1). Este código alternativo estava descendente na posição diagonal esquerda e onde ele terminava estava o ano do meu nascimento, 5726 (ה'תשכ"ו) que é 1966 e naquele ano houve um cometa cujo periélio foi em 21 de outubro de 1965, data esta que caiu no dia 25 de Tshri de 5726 (כה תִּשְׁרֵי ה'תשכ"ו)". Ao lado de "Shavit Tshri" eu descobriria meses mais tarde a expressão "Bën Mähren Qadësh".

בֵּן מַהֶרֶן קֹדֶשׁ
BËN MÄHREN QADËSH


Outros três anos seriam necessários para que eu penetrasse o segredo deste nome maravilhoso. Em 2016, uma jovem minha aluna sonhou e me informou que eu estava sendo procurado por pessoas na Alemanha e logo, creio que alguns dias depois, pessoas que estavam na Alemanha e queria se conectar à Torá e sua sabedoria me contataram. Eu procurei por todas as etimologias possíveis buscando o significado de "Mähren", uma vez que "Bën" e "Qadësh" eu já conhecia. Neste ano, 2017, eu estava meditando e estudando e então, resolvi novamente buscar a etimologia e o significado de Mähren. Tomei o Google Translate que esta instalado no meu smartfone e digitei Mähren sem perceber que estava no modo de identificação automática de idioma. Assustado vi o tradutor identificar Mähren como sendo alemão e o traduzir para Morávia!

No mesmo momento que isto aconteceu eu tive uma visão, um sonho lúcido, e vi que o Maharal de Praga era chamado de Mähren e, imediatamente desperto da visão, fui buscar evidência para saber se era verdadeira a visão ou coisa da minha cabeça cheia de Torá e impactado descobri uma placa em homenagem ao Santo Rabbi na qual estavam os dizeres:

Jehuda Löw Ben Bezalel 
Genannt Maharal (1525?-1609), 
Landesrabbiner von Mähren 1533-1573



Yehuda Löew Ben Bezalel
Chmado Maharal (1525 - 1609)
Rabino Nacional da Morávia 1533-1573


Foi aqui, que outra experiência que eu tinha tido fez sentido. Eu estava no Rio de Janeiro em agosto de 2002 quando, numa tarde, eu senti uma elevação e uma voz me disse que eu deveria acrescentar ao meu nome Misha' Ël Ha' Levi o nome Yehudá. Talvez tenha sido ali que o ruach do Rabbi Löew entrou em mim se unificando à minha néfesh. Eu voltei do Rio no dia 26 de agosto que foi o dia 18 de Elul, o dia do hilulá do Maharal de Praga.

Assim, mais um mistério da reencarnação e do grande milagre que sou nesta foi revelado pelo Sagrado, bendito seja Ele, um assombroso segredo.

Conclusão

Ontem, quando comecei a escrever este artigo, eu estava analisando o Código "Bën Mähren Qadësh" quando me ocorreu procurar por Maharal nele e, para minha surpresa ele estava lá, codificado dentro do Salmo 144 versículos 4 e 5 e junto com o termo Yibur escrito por temurá (permutação):


אָדָם, לַהֶבֶל דָּמָה; יָמָיו, כְּצֵל עוֹבֵר.  יְהוָה, הַט-שָׁמֶיךָ וְתֵרֵד; גַּע בֶּהָרִים וְיֶעֱשָׁנוּ.



As letras em vermelho dentro do versículo cinco compõem o título Maharal no sentido da esquerda para a direita e onde a letra resh se encontra está a palavra "ovér" que se junta à letra "yud" do tetragrama e forma, por temurá, o termo yibur e isto em estreita proximidade com "Bën Mähren Qadësh" na matrix, como se pode ver abaixo.

Clique Para Ampliar

Em 2003, nós compramos o Box da 4ª temporada de Os Arquivos X para assistirmos nas noites de quarta-feira no espaço honônimo que havia criado alguns dias antes de viajar para o Rio de Janeiro no ano anterior em agosto. Neste Box está o episódio "Kaddish" aqui chamado de "Oração para um morto" e que trata da mítica história do Golem. Neste episódio um jovem chamado Isaac Lúria é assassinado por Neonazistas e então, sua noiva cria um Golem usando o Sêfer ha'Yetzirá de seu pai. O episódio é uma homenagem ao Rabbi Isaac Lúria e ao Maharal de Praga.

Eu recebi o sopro do Divino que me trouxe a revelação de que Maharal estaria codificado no Tehilim (Salmos) 139 versículos 15 e 16 e supreendentemente está mesmo.


גָּלְמִי, רָאוּ עֵינֶיךָ, וְעַל-סִפְרְךָ, כֻּלָּם יִכָּתֵבוּ: יָמִים יֻצָּרוּ; ולא (וְלוֹ) אֶחָד בָּהֶם.וְלִי--מַה-יָּקְרוּ רֵעֶיךָ אֵל; מֶה עָצְמוּ, רָאשֵׁיהֶם.

O início do versículo 16 diz "Galmí (גָּלְמִי)" cuja tradução é "O meu golem..." e a partir da palavra "bahem (בָּהֶם)" a cada cinco letras está "Maharal".


Ainda há uma outra referência secreta ao Sêfer Yetzirá (Livro da Formação) no verso que se encontra na palavra "sifrêcha (סִפְרְךָ)" e na palavra "yutzarú (יֻצָּרוּ)". O primeiro, "sifrêcha (סִפְרְךָ)" da raiz da palavra "sêfer (סֵּפֶר)" que é "livro" e, depois, em segundo, a palavra "yutzarú (יֻצָּרוּ)" raiz de "yatzar (יצֶר)" que é "formar" e que, através da cifra cabalistica (temurá) chamada "Otiót mi-Ocharot (אותיות מאוחרות)" e que eu chamo "Avgad Qidmá" a letra "vav (וּ)" de "yutzarú (יֻצָּרוּ)" transformando a palavra com a mudança de "nikudot" em "yetzirá" e junto com "sêfer" revelando "Sêfer Yetzirá (ספר יצירה)" onde a fórmula para se fazer um Golem está codificada.

גָּלְמִי, רָאוּ עֵינֶיךָ, וְעַל-סִפְרְךָ, כֻּלָּם יִכָּתֵבוּ: יָמִים יֻצָּרוּ; ולא (וְלוֹ) אֶחָד בָּהֶם.

Em 2002, o meu irmão Ariêh teve um sonho onde estávamos criando um Golem às margens de um rio e neste sonho a fórmula de como fazer a criatura lhe foi monstrada. Não sabia eu e nem tinha como saber que eram revelações a centelha do Maharal, abençoada seja sua lembrança.

A Gematria

A gematria que me foi revelada pela centelha do Santo Rabbi em mim, o Maharal de Praga, é tão importante e tão divina pois revela outros mistérios que estão conectados com a alma do Grão Rabino da Morávia. Na Torá Bereshit, no capítulo 2 no versículo 7 nós lemos: "E formou Adonai Eloqim a Adão do pó de Adamá e soprou nas suas narinas Neshamá viva".

וַיִּיצֶר יְהוָה אֱלֹהִים אֶת-הָאָדָם, עָפָר מִן-הָאֲדָמָה, וַיִּפַּח בְּאַפָּיו, נִשְׁמַת חַיִּים; וַיְהִי הָאָדָם, לְנֶפֶשׁ חַיָּה.

A parte marcada em azul no verso original hebraico é "Eloqim ët ha' Adam afar... (אֱלֹהִים אֶת-הָאָדָם, עָפָר)" que é "Elohim a Adão do pó..." e a gematria deste trecho que fala da formação do "Golem Adão" é exatamente 887.

מוראבה
887 (Neelam)

Clique Para Ampliar

Ao investigar o verso, perguntei à Torá se, porventura, Maharal estaria codificado no capítulo 2 do Bereshit (Gênesis) e para minha absoluta surpresa Maharal está lá criptografado a cada 47 saltos equidistantes sendo cruzado pelo versículo 7 que narra a formação do barro de Adamá do golem de Adão.

O Cometa Do Maharal

Entre janeiro e março de 1514 um grande cometa apareceu cruzando a constelação de Leão. Ele foi retratado em uma gravura em madeira por Martin Bailey (1492-1528) chamada Melancolia. Um alguns dias depois da passagem deste cometa o Maharal nasceu, na noite de Pessach de 5274 (10 de abril de 1514) e foi chamado de Loëw que em alemão significa "Leão". O cometa veio para anunciar o nascimento do Maharal de Praga. Em hebraico "Be' 5274 ha'shavit ha'Maharal (ב'הרעד השביט המהר"ל)" que se traduz para "Em 1514, o cometa do Maharal" tem a gematria resultante em 887.

No meu livro, que ainda estou escrevendo, eu havia recebido do Divino esta informação sobre o cometa do Maharal antes de encontrar o registro deste evento celeste:

"Uma grande estrela adornada por um belíssimo véu azul, cruzava os céus nos dias do nascimento do menino. Foi o cometa Hale-Bopp[1]. Certamente Deus havia enviado um anjo para anunciar o nascimento de uma grande alma. Uma luz brilhou nos céus e outra no quarto de Frida na noite só dia 18 de Elul".



[1] C/1995 O1

A gravura de Martin Bailey onde o cometa foi retratado

Este sinal é muito importante pois, no Tehilim péreq 19 está escrito "Ha'shamayim messaprim kevód Ël (הַשָּׁמַיִם, מְסַפְּרִים כְּבוֹד-אֵל) - Os céus enumeram a glória de Ël..." declarando que os céus são o pergaminho do Sagrado, bendito seja Ele, e que o cometa é a Sua pena, a Sua caneta, o instrumento de Metatron declarando os mistérios do Divino. A gematria destas dezessete letras em quatro palavras é igual a 887, a numerologia cabalística de "Yibur Maharal mi-Praga (Reencarnação do Maharal de Praga)".  

Estas são as evidências do grandioso milagre e preciosidade que carrego dentro de mim, além, claro, das outras muitas centelhas de almas que já revelei em outros escritos e que certamente tiram o sono dos religiosos e os deixam mais perturbados ao perceberem que eles não dominam o Divino e nem podem determinar onde, quanto e em quem uma centelha sagrada será, por determinação de Hashem, bendito seja o Seu Nome para sempre, reencarnada e que terão que prestar contas a D' us por haverem rejeitado pessoas nas quais o Sagrado reencarnou os seus santos rabinos.

É o Sagrado quem realiza a Sua obra e os Seus mistérios e não homem que desejam controlar o Sagrado rejeitando os Seus milagres para amparar as suas próprias e mundanas leis religiosas.

Este relato de reencarnação não termina aqui, pois ainda há mais evidências que serão acrescentadas aqui assim que o Santo permita, bendito seja Ele.

"EU SOU O MISTÉRIO DO ZOHAR SAGRADO, O PROCLAMADOR DO DIVINO (אני הסוד הזהר הקדוש נביא ליהוה)".
=887

E para terminar esta profunda e divina revelação, este despertar maravilhoso, selo com o que me deu o Sagrado, bendito seja Ele: "O segredo do Maharal é um número da QABALÁH (הַסוֹדִי הַמהר"ל מִסְפָּר הַקְבָּלָה)". Esta frase enigmática tem a mesma gematria que foi revelada no meu sonho com a Morávia, ou seja, 887.

Autor
Bën Mähren Qadësh
Misha' Ël Ha' Levi



[1] Sêfer Yetzirah.
[2] Gênesis 12:5





sábado, 14 de outubro de 2017

Guilgulim Ha'Rá: Reencarnações Do Mal


" - Morra! Nazista maldito!" Eram os meus rompantes exaltados diante do monitor do agora velho 386 que meu irmão havia montado em 1993 e onde estava instalado o jogo "Wolfenstein 3D" e que me cativou durante muitos anos. 

Naqueles momentos, minha repulsa pelo Nazismo e pelos Nazistas se tornava muito evidente e não era algo novo, vinha desde a minha infância. Me recordo do primeiro filme sobre Nazismo que assisti ainda com a idade de onze anos chamado "Os meninos do Brazil" com Gregory Peck, Sir Laurence Olivier e Rosemary Harris (a Tia May de Homem Aranha) no qual Peck era o médico nazista Joseph Mengele e Sir Laurence era Ezra Lieberman, um caçador de Nazistas foragidos. Outros filmes dos quais me lembro foram a mini série "Holocausto" com James Wood e Meryl Streep e ainda outro e dentre estes meu preferido "O Dossiê Odessa com Jon Voight". 

Havia pouco mais de dois anos que a Guerra do Golfo havia terminado e quase três anos que havia tido uma experiência bastante mística relacionada com o nazismo. Era 1990, agosto, Saddam Hussein havia a pouco invadido o Kwait e o mundo estava temeroso com a deflagração da guerra. Eu estava com amigos, um grupo de cristãos em uma sala da Comunidade que frequentava e na qual havia um mapa mundial pregado na parede Norte. Se crê que orações podem evitar guerras mas, no entanto, nenhuma guerra foi evitada por preces apaixonadas, amparadas por exaltações pentecostais e este grupo se propôs a fazer uma oração pedindo pela intervenção divina sobre os rumores da guerra.  Eles chamavam este tipo de prece de "Oração Intercessória". 

Enquanto oravam eu vi quando pequenas bandeiras suásticas nazistas começaram a surgir em todos os países impressos no mapa pregado à parede Norte e foi quando uma doce e suave voz feminina sussurrou ao meu ouvido dizendo: "O nazismo não está morto! Está apenas dormindo!" Era a "Bat Qol (Voz da Shechiná)" me instruindo a alma, uma centelha das muitas que formam a vestimenta da minha néfesh e que havia vindo dos Campos de Auschwitz durante o Holocausto e que era o segredo por trás da minha repulsa pelo nazismo e, principalmente, por Hitler.



Em 2 de Agosto de 1990, Saddam Hussein invadiu o Kuaite. Imediatamente, no dia 6, a ONU promulgou a Resolução 661 que impunha sanções ao Iraque. Saddam Hussein disparou 95 mísseis Scud contra o Estado de Israel. A guerra se estendeu até o dia 28 de Fevereiro de 1991, quando terminou.

Na Torah, em Meguilat Ester  (Pergaminho de Ester) nos temos a história do perverso Haman, um descendente de Amaleq que intentou destruir o povo Judeu na época na qual Ester era rainha da Pérsia. O plano de Haman foi frustrado no dia 13 de Adar (12°mês hebreu). No dia 14 foi promulgada por Ester a Festa de Purim que comemora a vitória dos judeus contra Haman.

Haman em hebraico (הָמָן) é igual a 95 em gematria e Amaleq é igual a 240. Ester (אֶסְתֵּר) resulta em 661. Saddam Hussein (סאדאם חוסין )é igual a 240 (Amaleq) que lançou 95 Scuds (Haman). A ONU promulgou a sanção 661 que é Ester e a guerra terminou no exato dia de Purim (28 de Fevereiro) que foi 14 de Adar.

Desde pequeno eu fui tomado subitamente por fragmentos de memória nos quais eu estava sempre cercado por homens da Gestapo vestido em seus negros e brilhantes uniformes. Era assustador quando isto me acontecia. Lembranças da alma que em mim havia reencarnado.

Alguns anos se passaram e em 2001 eu redigi a apostila "AMALEK" que usei para minha primeira preleção sobre os segredos do Nazismo em uma palestra na nossa sinagoga em Suzano. Este material seria a base para o meu Livro "Amaleq - As Origens Ocultas Do Nazismo". Em 2002, noutra experiência mística, a alma do falecido Rabino Yehudá Ashlag veio a mim e me disse: Vem! E eu te mostrarei o segredo escondido no nome do perverso Hitler. Rabi Ashlag escreveu em hebraico diante dos meus olhos o nome do malvado (היטלר) e me disse: " - Este é um Notarikon (acrônimo) de 'Haman Yashuv Torquemada Le'Rotzêach (הָמָן יָשׁוּב טורקומאדה לרצוח)". Tendo me mostrado este mistério, a alma de Rabi Ashlag se esvaneceu desaparecendo diante dos meus olhos. 

O nome Hitler contem as iniciais de "Haman retornará em Torquemada para assassinar (הָמָן יָשׁוּב טורקומאדה לרצוח)" e para os que não conhecem, o demônio Haman foi o arqui-inimigo dos judeus na Pérsia há cerca de 2400 anos e que intentou destruí-los, promulgando uma lei com o selo do Rei Achashverosh, saquear-lhes os bens após a sua destruição. Haman reencarnou em Tomás de Torquemada, o Inquisidor Católico espanhol que assassinou, nos tribunais da "santa inquisição", milhares de pessoas. Cerca de 400 anos depois, Haman, tendo a alma fragmentada em três centelhas, reencarnou em Hitler, Stalin e Mussolini, tentando levar a cabo a sua vingança. No tempo em que ele foi o conselheiro do Rei na Pérsia, ele era chamado "Haman Ben Hamedata, o Agagi (הָמָן בֶּן-הַמְּדָתָא הָאֲגָגִי)" nome este cuja gematria é igual a 619 e está por sua vez é a mesmas dos três perversos mencionados acima, evidenciando que Stalin, Mussolini e Hitler (מֻסוֹליני סְטַלִין הִיטְלֵר) eram reencarnações de Haman e ainda há mais. O perverso título "Ha'Agagi (הָאֲגָגִי)" esconde outro segredo pois suas cinco letras são as iniciais dos nomes "Himmler (הימלר), Eichmann (אייכמן), Goering (גרינג), Goebbels (גבלס) e Joseph Mengele (יוסף מנגלה)".


Ainda em 2002, tomando por estas revelações, numa tarde de shabat na qual eu assistia junto com minha noiva ao filme "Pitch Black (Eclipse Mortal)" com Vin Diesel, foi tomando e preenchido com o roteiro que seria a base do meu primeiro documentário "Amalek - As Origens Do Nazismo".

Todo este conhecimento e segredos resultaram no livro "AMALEQ - AS ORIGENS OCULTAS DO NAZISMO" publicado em 2011.

Em 2007, fui convidado pelo meu amigo Raul Kuk para uma palestra que seria proferida pelo Dr. Wilmes Roberto Gonçalves Teixeira que foi o chefe da Força Tarefa que exumou os restos do carrasco nazista morto no Brasil em 1979, o médico-monstro Dr. Joseph Mengele. Eu possuo até hoje um autografo que me foi dado por ele.

No Tana'k, na Meguilat Ester, no capítulo 9 onde são mencionados os nomes dos dez filho de Haman e que foram perdurados (depois de morrerem na batalha contra os judeus) juntamente com ele na forca que ele havia erguido para enforcar o judeu Mordechai, há um segredo profundo e maravilhoso. Três dos nomes dos dez filhos de Haman aparecem escritos com uma de suas letras menor. São estes os nomes dos dez filhos de Haman: Farshandata, Dalfon, Aspata, Porata, Adalia, Aridata, Farmashta, Arisai, Aridai e Vaizata.



No pergaminho acima, na coluna à direita estão escritos os nomes dos dez filhos de Haman. No primeiro, Farshandata (פַּרְשַׁנְדָּתָא), a letra "Tav (תָ)" está escrita num tamanho menor que as outras letras que compõem o nome. No sétimo nome, Farmashta (פַּרְמַשְׁתָּא), a letra "Shin (שְׁ)" também está escrita em um tamanho menor que as outras, e no último nome, Vayzata (וַיְזָתָא), a letra "Zayin (זָ)" também está grafada em um tamanho menor. Qual seria o segredo?

A tradição nos informa que foi o judeu Mordechai quem escreveu a Meguilat Ester e que foi ele quem grafou estes três nomes assim. Ao juntarmos estas três letras hebraicas, "Tav Shin Zayin (תָשְׁזָ)" elas formam a grafia usada para representar anos e o ano que elas juntas representam é o ano de 706 do quinto milênio, ou seja, ano 5706 que se iniciou na noite do dia 25 de setembro de 1946. E o que aconteceu neste ano que havia sido escondido dentro dos nomes dos filhos de Haman? O Tribunal de Nuremberg!

O Tribunal de Nuremberg (português brasileiro) ou Nuremberga (português europeu) constituiu numa série de tribunais militares, realizado pelos Aliados depois da Segunda Guerra Mundial, conhecidos pelos processos contra os proeminentes membros da liderança política, militar e econômica da Alemanha Nazista. Os julgamentos ocorreram na cidade de Nuremberg, Alemanha, entre 20 de novembro de 1945 e 1º de outubro de 1946. O tribunal de Nuremberg decretou 12 condenações à morte, 3 prisões perpétuas, 2 condenações a 20 anos de prisão, uma a 15 e outra a 10 anos. Hans Fritzsche, Franz von Papen e Hjalmar Schacht foram absolvidos.

Os sentenciados à morte foram condenados ao enforcamento. Dos doze, um cometeu suicídio (Hermann Goering) e outro (Martin Bormann) foi condenado In Absêntia (ausência). Ao todo, dez foram enforcados selando este mistério maravilhoso da reencarnação.

Eis o que lemos na Meguilat Ester: "E disse o rei à rainha Ester: Na fortaleza de Susã os judeus mataram e destruíram quinhentos homens, e os dez filhos de Hamã; nas mais províncias do rei que teriam feito? Qual é, pois, a tua petição? E dar-se-te-á. Ou qual é ainda o teu requerimento? E far-se-á. Então disse Ester: Se bem parecer ao rei, conceda-se aos judeus que se acham em Susã que também façam amanhã conforme ao mandado de hoje; e pendurem numa forca os dez filhos de Hamã (Ester 9: 12 & 13)".

וַיֹּאמֶר הַמֶּלֶךְ לְאֶסְתֵּר הַמַּלְכָּה, בְּשׁוּשַׁן הַבִּירָה הָרְגוּ הַיְּהוּדִים וְאַבֵּד חֲמֵשׁ מֵאוֹת אִישׁ וְאֵת עֲשֶׂרֶת בְּנֵי-הָמָן--בִּשְׁאָר מְדִינוֹת הַמֶּלֶךְ, מֶה עָשׂוּ; וּמַה-שְּׁאֵלָתֵךְ וְיִנָּתֵן לָךְ, וּמַה-בַּקָּשָׁתֵךְ עוֹד וְתֵעָשׂ. יג וַתֹּאמֶר אֶסְתֵּר, אִם-עַל-הַמֶּלֶךְ טוֹב--יִנָּתֵן גַּם-מָחָר לַיְּהוּדִים אֲשֶׁר בְּשׁוּשָׁן, לַעֲשׂוֹת כְּדָת הַיּוֹם; וְאֵת עֲשֶׂרֶת בְּנֵי-הָמָן, יִתְלוּ עַל-הָעֵץ.

O Rei é o Sagrado, bendito seja Ele, e Ester é a Shechiná (Presença Divina) e o Rei Santo concedeu a ela a realização do seu pedido e novamente os dez filhos de Haman foram enforcados.

Clique Na Imagem

Hitler está codificado cinco vezes dentro da Meguilat Ester, lembrando que o Pergaminho foi escrito há 2400 anos, e em estreita proximidade com ele está "Haman, o Agagi" e cruzando Haman está "Nazista (נאצי)" sendo a letra "Tzad (צ)" de "Natzi" é a mesma da palavra usada para forca no verso.

Continuará...

Autor
Dipankara Vedas

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Iª CONFERÊNCIA CRIPTO-UFOLÓGICA DE SUZANO


A ufologia mundial possui uma consciência defeituosa. Ela acredita que seres ultraterrestres, extraterrestres ou interplanetários e que emergiram há mais de 4 bilhões de anos precisam de veículos físicos ou aparatos mecânicos para se deslocarem ou para entrarem no nosso universo. Esta ufologia é uma ciência viciada e dogmática religiosa e que precisa de elevação!

Seres que foram criados há milhões de anos precisariam de aparatos mecênicos para entrarem e atuarem no nosso mundo? 


Existem híbridos humanos angélicos alienígenas entre nós? Existe alguma evidência que comprove este fenômeno extraterrestre? Um Star Kid pode ser definido como uma criança com atribuições humanas e extraterrestres (Angélicas) em sua origem. Star Kids são predominantemente humanos, mas não inteiramente. Eles são humanos, mas diferentes. Com certeza, eles têm dois pais biológicos humanos e nascem aqui na Terra através do parto regular. Eles, em sua maioria se parecem com outras crianças. Eles vêm em todas as etnias e nacionalidades e com antecedentes familiares. Eles são cidadãos da Terra.

Venha participar da Primeira Conferência Ufológica Sementes Estelares, como o tema "Ishim: Os humanos angélicos", e descubra segredos milenares que antes não foram revelados e descobrir as respostas para estar intrigantes perguntas e afirmações.

A Conferência

Será dividida em duas partes. A primeira conterá a exposição dos códigos criptográficos que revelam a Abdução do Profeta Elias e o segredo da Abdução do Profeta Jonas por uma máquina submarina da Atlântida. A segunda conterá a exposição do segredo das Crianças Das Estrelas e dos Adultos Estelares.



Data & Local


Dia 28 de outubro de 2017 das 14h às 18h. Local: Auditório da ACE SUZANO. Endereço: Rua Presidente Rodrigues Alves, n° 157 Vila Centenário - Suzano - São Paulo (Mapa). Telefone: (11) 4744-8400

O Conferencista

O escritor Deepak Sankara Veda, autor de dezesseis obras literárias, incluindo Adamá – As Origens Secretas Da Humanidade -, Câmaras Do Tetraedro, B’ney Kochavim – Os Filhos Das Estrelas – e Kalamus Elohai – O Mistério Do Cometa – será o conferencista. Deepak também é Especialista em Criptologia Hebraica e em Cripto-Ufologia. Músico multi-instrumentista e Poeta Místico membro do Grupo Mundial “Poetas Del Mundo” sediado no Chile.


O Investimento

A participação é reservada por uma contribuição no valor de R$50,00 que inclui um Coffe Break (pausa para café) e um quilo de ração animal que será doada a alguma Ong que cuida de animais abandonados. Para reservar sua participação. clique no botão abaixo. Os convites estão disponíveis até o dia 24 de outubro. De 50 lugares ainda estão disponíveis ainda 40. Corra e faça sua inscrição antes que os lugares se esgotem.

Clique Aqui
Realizada sua reserva, não é preciso enviar nenhum comprovante, pois o Pagseguro Uol nos enviará os dados e comprovação de reserva.


Até Lá! Saudações Estelares


Deepak Sankara Veda

"Bën Mähren Qadësh"





quarta-feira, 4 de outubro de 2017

O CÓDIGO 778


Shoá Atomit - O Código 778 

Continuando as análises do Código 778 e para que, fica claro e estabelecido que não se trata de achismo ou dogma ante ou pós-apocalíptico, aqui forneço evidencias do que recebi dos meus mestres que são os santos anjos e dos rabbis da Academia Celestial. 

Em 26 de abril de 1986, dez anos antes que o jornalista e escritor Michael Drosnin, autor do best seller "The Bible Code (O Código Da Bíblia)", publicado em 1997, descobrisse a Key-Code (Palavra Chave) "Shoá Atomit (Holocausto Atômico), aconteceu à 1h23 da manhã, o desastre nuclear de Chernobyl, na Ucrânia. 

Foi por inspiração divina que eu fui informado da importância da gematria da palavra-chave Shoá Atomit (שואה אטומית) que é 778 e o qual o autor do Código da Bíblia e os posteriores analistas de códigos bíblicos em todo o mundo não perceberam. 

Em 22 de fevereiro de 2011, eu recebi, por reencarnação, uma alma vinda do futuro, do ano 2043 e cujas lembranças de um mundo pós holocausto atômico me conduziram às lágrimas, verdadeiramente ao pranto. Ela me conduziu ao que restou da terra num universo pós apocalíptico me revelando a humanidade empobrecida e doente radioativa no que sobrou no mundo. Esta centelha reencarnada em mim me inspirou à poesia "Silêncio" e para mostrar-lhes que foi inspiração divina, a gematria de "Em 22 de Februar (בכ"ב ב"פברואר)" possui valor igual a 515 que é o mesma da palavra "Shirá (שירה)" que significa "Poesia".

"Silêncio! As vozes se calaram. O único som que ouço é o do vento uivando sobre as pedras, ruínas das antigas construções, monturos assolados pelo tempo que os castiga como um chicote invisível. Mesmo os demônios estão em silencio agora...

Não ouço mais o coaxar dos sapos e nem o som dos grilos que preenchiam a noite com suas canções. O galo se foi. Sua voz foi calada há quarenta e dois anos. O único som agora é a voz síntese do velho hardware, aquela cabeça metálica de olhos vermelhos colocada em cima do velho balcão de mármore.

- Água senhor? – Ela pergunta – O teor de radiação está baixo hoje – terminou. A mesma música entoada uma vez na semana. As vozes? Elas se calaram. Os demônios estão em silencio agora.

Ahh! Eu desejava ouvir a voz do velho rabino, aquele de barbas brancas de longos peyot , quando ele dizia para prestarmos atenção às pequenas vozes, as vozes dos humildes, andarilhos iluminados, centelhas do alfabeto místico, avisando a humanidade que o dia chegaria, quando as vozes se calariam.

Lá no interior, os demônios continuam em silêncio. Suas vozes foram silenciadas pela voz da maldade que plantara residência na câmara esquerda do templo do coração do homem.

O gueto esta frio hoje. Pessoas se reúnem ao redor do fogo aceso dentro do velho barril de petróleo, sangue negro, chamavam-no. Ele não existe mais. As veias estão secas e o sangue já não corre mais...

As manchas brancas cobrem a pele. Deveria ser um bom sinal, mas não é. A lepra voltou devorando a alma dos homens, mulheres e crianças. Nem os animais escaparam. Os contaminados são exilados. Eles os mandam para o vale do esquecimento onde a voz jamais se reerguerá. Eles a usaram maliciosamente. Difamaram com ela. Suas calunias foram lançadas ao vento como as folhas do velho carvalho que ficava na floresta de chaiim. Ele também se calou. O vento já não uiva mais por entre os seus frondosos galhos.

Ahh! Onde está a voz do rabino? Foi calada pelos religiosos dogmáticos. Suas centelhas luminosas já não mais crepitam pelo ar. Mesmo os demônios não falam mais. Calaram-se no interior.

Onde estão as vozes dos poemas e dos poetas? Calaram-se também. Elas causavam comichões nos ouvidos da humanidade. Elas acusaram: - Foram os poderosos, os lideres das nações, em seus palácios decorados com sangue. Sangue dos inocentes. Eles as fizeram calar. Elas causavam comichões aos ouvidos do poder.

O brilho nos cegou os olhos. Foi em 2013. Detonaram a velha arma russa trocada por um pedaço de pão para alimentar as crianças famintas. Todas elas morreram com o calor nuclear.

Silêncio! As vozes se calaram. O único som que ouço é o do vento uivando sobre as pedras, ruínas das antigas construções, monturos assolados pelo tempo que os castiga como um chicote invisível. Mesmo os demônios estão em silencio agora...

Ah! Onde está a voz do velho rabino? Eu desejava ouvi-la agora. Calou-se. Mesmo lá no interior há silencio agora, nem mesmo os demônios sussurram mais...".

Depois, em 2012 eu recebi, também por inspiração divina, o "Poema do Ocaso" o qual publiquei em um curta metragem que gravei:


"Lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos, vidas que vivemos. Este é o nosso purgatório, nosso inferno. Sim, estamos mortos. Nós destruímos a terra e já não mais vivemos e tudo o que nos restou foram as lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos. Estamos mortos agora...".


Desde aquele ano, 2012, que venho, em um esforço espiritual, publicando as revelações sobre o Holocausto Atômico, sobre o qual, recebi, novamente por divina inspiração, o conhecimento do dia, mês e ano no qual ele seria detonado, o dia 16 de julho de 2013, sessenta e oito anos após o primeiro teste atômico em Alamogordo, no Novo México. A data cairia em T'shá be'Av de 5773 (9 de Av de 5773).



16 de Julho de 1945
טז יולי תשה
=778

(In Ha'Kollel)

Holocausto Atômico
שואה אטומית
=778

Este valor, 778 é o mesmo da frase "Av be'5773 (אב ב'תשע״ג) - Julho/agosto de 2013". O karma atômico que o mundo criou nos alcançaria no mesmo dia no qual, 68 anos antes, no dia 16 de Julho de 1945 ele fora criado. Dezesseis de Julho de 2013 foi exatamente o dia 9 de Av de 5773 - O dia mais iluminado do ano, no mês regido pelo sol e tido pela religião judaica como o dia mais negativo do ano e não é o dia que é negativo, mas os pensamento e ações negativas da humanidade que ganham vida em um dia tão iluminado.


Av be'5773
אב ב'תשע״ג
=778

Sabemos que seria a Coréia do Norte que iria deflagar este Holocausto Atômico, pois isto está no mesmo código descoberto por Michael Drosnin mas que ele não viu. A expressão "Coréia mi'Tzafon Alef Milchamá Atomí (מצפון קוריאה: א מלחמה אטומי)" possui a mesma gematria de "Shoá Atomit".


A expressão "Karma ha'atomí yketz ha'olami (קארמה האטומי יקץ העולםי) - O karma atômico será o do mundo" possui gematria igual a 778.


CLIQUE PARA AMPLIAR

Este, acima, é o Código descoberto por Michael Drosnin. Eu encontrei não apenas Coréia do Norte, como também o ano (5773/2013) como a expressão "ki avód tôavedon (
כִּי אָבֹד תֹּאבֵדוּן)" cuja tradução é "pois sereis destruídos" e que é parte de Devarim (Deuteronômio) pereq 8, décimo nono passuq (versículo) cuja gematria é 500. Perguntamos "como, por qual meio serão destruídos?" e ao juntarmos a expressão "be'pitzutz (בפיצוץ)" que traduzido é "na explosão" e cujo valor é 278 e ao somarmos com a gematria do final do verso de Devarim, o resultado é 778.

Como nos salvamos se o destino da humanidade era, sem sombra de dúvida, o Holocausto Atômico e a destruição de quase todo mundo?

A POESIA

Sabemos que as poesias que vieram do futuro, vozes de um clamor pós-apocalíptico e a alma do Rabino Chaim Vital vestida por inúmeras outras centelhas de almas e anjos, moveram o coração do Divino que fez adiar o destino da humanidade e nos permitindo escapar do Holocausto Atômico em 16 de julho de 2013.

Em hebraico, a sentença "ha'Mashiach Hayim Vital ha'tziláh ha'Olam (המשיח חיים ויטאל הצילה העולם) - O Messias Chayim Vital salvou o mundo" resulta, em gematria hebraica, exatamente o mesmo valor de "Shoáh Atomit (Holocausto Atômico)".



המשיח חיים ויטאל הצילה העולם
=778

Voltemos a 1986 é o desastre atômico de Chernobyl. A expressão "Shoá Atomit (שואה אטומית)" sobre a qual já conhecemos o seu valor em gematria que é 778 é a chave que nos permitiu compreender o que viria no futuro e, com a Graça do Sagrado, escaparmos de um desastre atômico mundial. A maior evidência estava escondida no próprio desastre nuclear de Pripyat. Ao calcularmos a expressão "Em Chernobyl na Ucrânia (הבאה בצ'רנוביל באוקראינה)" a gematria é exatamente a mesma de "Shoá Atomit" que é 778 e quando calculamos a data e o ano nos quais o reator nuclear de Chernobyl explodiu, descobrimos que não foi acaso, pois "26 abril 5746 (כו א ה'תשמ"ו)" resulta em gematria igual a 778.


Se o desastre atômico de Chernobyl podia ser evitado, por que então não foi? Faltaram almas para realizar este milagre ou o número dos Lamed Vav Nistarim era menor que 36? Porque a sabedoria divina nos informa que, quando o número dos imortais escondidos é menor do que 36 em uma geração, o mundo corre o risco de ser destruído. A gematria de "18 Imortais Ocultos (חי נסתרים)" é igual a 778!


Nós estamos agora no ano 778 e até este momento parece que conseguimos evitar novamente o Holocausto Atômico, com a ajuda da Sabedoria Divina, pois orações não podem salvar o mundo e sim e unicamente ações espirituais e principalmente mérito adquirido pela prática e estudo da Sabedoria Escondida da Torá: A QABALÁH e o Zôhar!




"Lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos, vidas que vivemos. Este é o nosso purgatório, nosso inferno. Sim, estamos mortos. Nós destruímos a terra e já não mais vivemos e tudo o que nos restou foram as lembranças, fragmentos de pensamentos que tivemos. Estamos mortos agora...".

"Ah! Onde está a voz do velho rabino? Eu desejava ouvi-la agora. Calou-se. Mesmo lá no interior há silencio agora, nem mesmo os demônios sussurram mais..."




Autor
Dipankara Vedas
Bën Mähren Qadësh
Misha'Ël Ha'Levi

Leia também...

O Artesão Da Luz

O Artesão Da Luz
Deepak Veda - Instrutor e compartilhador sobre a Sabedoria Espiritual. Sênior criptólogo especialista em Criptologia Divina. É escritor e autor de 14 obras, incluindo "Shem ha'Meforash - Os 72 Nomes De D'us" e "Guilgulim - O Portal Das Reencarnações".

Advertência

"Todas as palavras postadas aqui tem por finalidade a revelação dos mistérios das escrituras. Por mais duras que algumas vezes possam parecer, elas não tem finalidade de agredir, difamar, caluniar quaisquer pessoas, instituições, religiões ou quaisquer práticas religiosas e seus líderes. É certo que determinadas práticas e seus respectivos lideres precisam sim serem trazidos à luz, mas através da revelação da verdade"

Tradição

"Então, aqueles que são sábios brilharão como o esplendor (Zohar) do firmamento, e aqueles que retornaram à justiça para muitos, serão como as estrelas para sempre (Dani´El Péreq 12, 3º Passuq)".

Aviso

"A Hayk´la Arazuta não possui vínculos ou ligações com quaisquer endidades "judaicas" e nem mesmo com qualquer federação. A Hayk´la Arazuta não é siosnista e não crê no sionismo. Os rabinos da Hayk´la Arazuta não possuem ligação e nem seguem ou servem ao "judaísmo rabínico". A Hayk´la Arazuta avisa que qualquer um que proferir calúnias, difamações, ataques contra a honra da Comunidade, seus lideres e membros, ameaças de quaisquer tipo, os autores serão levados ao Judiciário através de processos cíveis e criminais. Copiar, distorcer e usar pejorativamente assuntos e experiências aqui publicadas, os autores serão processados. A Hayk´la Arazuta d´Madvra é um Orgão da Associação Cabalista Mundial - Gará Kulam Moshav, organização esta devidamente registrada junto ao Governo Federal Brazileiro de acordo com a Lei e possui CNPJ.".