O Buscador

O Buscador
"Quando olho para os Céus, não estou procurando por um Deus que vive no espaço exterior, estou lendo as estrelas e ouvindo os seus mistérios (Tehilim 19)". Deepak Sankara Veda

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"
Apresentado entre agosto e novembro de 2015. Clique na imagem!

OS ECOS DE ENOCH

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Sonho: Doctor Who & a Atlântida



DOCTOR WHO
Uma Regeneração De
Chaim Vital

"Não há nenhuma geração na qual não haja algum como Abraão, Yitzchaq, Ya'aqóv, David ha'Melech, Rabbi Aqiva, Rabi Iochanan Ben Zaccai, Rabbi Chaim Vital e Rabbi Yitzchaq Lúria. Este é o segredo da reencarnação."

Baseado em Sha'ar Ha'Gilgulim

No décimo sexto ano do segundo milênio depois de Cristo, no 248º dia[1] desse ano bissexto, sonhei que eu era o Doctor Who e que estava procurando a Atlântida. Ao despertar, fiz uma anotação na capa interna do livro “Doctor Who: 12 Doutores – 12 Histórias”. Este sonho que a princípio pode se parecer com uma fábula, mas não o é, pois foi, na verdade, uma revelação vinda da alma do meu amado Professor, o Sagrado Leão de Safed, o Rabino Isaac Lúria, a Santa encarnação do Anjo Raziel, como ele mesmo me revelaria, e que veio para despertar a minha centelha sagrada para que eu tivesse indícios verdadeiros da minha verdadeira identidade espiritual. A evidência de que foi a alma do meu Mestre será apresentada neste relato.

Qual o segredo desse sonho? E qual o mistério que o meu Sagrado Processor queria revelar à minha alma? A explicação é como se segue: A maior parte do mistério está na gimatria do título da personagem Doctor Who quando transliterado para o hebraico e que é 336.

דוקטור הו

Este valor, 336, é exatamente o mesmo do título e nome Rabbi Chaim Vital (רבי חיים ויטאל) o mais proeminente discipulo do Arizal (אריז"ל)  e o único autorizado por ele a ensinar a verdadeira Sabedoria da QABALÁH.

CHAIM VITAL

Chaim Vital nasceu em 23 de outubro de 1542[3] na aldeia de Safed, que ficou conhecida como a cidade dos qabalistas e faleceu no dia 23 de abril de 1620[4] no calendário gregoriano. Seu nome, Chaim Vital (חיים ויטל), quando escrito com grafia comum sem a letra “alef (א)” que é o segredo da unificação da sua alma com a centelha do Arizal, possui gimatria igual a 123 e o dia do seu falecimento no vigente calendário juliano na época de sua morte foi o 123º[5] dia naquele sistema.

Doctor Who estreou na televisão britânica na noite do dia 23 de novembro de 1963, noite essa que foi correspondente à noite do dia 7 de kislev de 5724. Ora, a gimatria de 7 de kislev (vlsk z) é igual a 123 que é o mesmo valor numérico do nome Chaim Vital.

Então, Doctor Who possui a mesma gimatria de Rabbi Chaim Vital e estreou na noite de 7 de kislev cuja gimatria é a mesma do nome Chaim Vital que faleceu no dia 123 do ano de 1620. Seriam estas aparentes coincidências um mero acaso? Ou Doctor Who é a regeneração do Rabino Chaim Vital?


O ator William Hartnell foi o primeiro a atuar reencarnado a personagem Doctor Who na televisão britânica e, não por acaso, ele faleceu em 23 de abril de 1975 e, apenas para recordar, Chaim Vital faleceu no mesmo dia e mês 355 anos antes.

 A CIDADE PERDIDA DE ATLÂNTIDA 
revelando a alma de Jonas

Este sonho que me foi dado e que foi uma mensagem da alma do meu Sagrado Professor, veio para revelar um segredo sobre a minha própria alma e sobre minha particular regeneração e aconteceu quase um ano depois dos episódios “Under The lake” e “Before The Flood[6]” que foi transmitido nas noites de 3 e 10 de outubro de 2015 e que naquele ano foram a 276º e a 283º noites do décimo quinto ano do segundo milênio. O valor 283 é o mesmo da expressão “Ani K’var (אני כְּבָר)” e que pode ser compreendida como “Eu venho do passado” uma vez que, o termo “K’var (כְּבָר)” se traduz para “Passado” ou até mesmo “Antes” e o valor 276 contém a gimatria da expressão aramaica-hebraica “Razá Chaim (רזא חיים)” que se traduz “O Mistério de Chaim (Vital)”.

Em “Sha’ar Há’Gilgulim (Portal das Reencarnações)” obra esta, escrita por Chaim Vital e compilada no ano 5373 quando ele tinha setenta anos de idade e que pode ser chamada de “O Livro Azul das Regenerações do Doutor[7]” na Introdução 38, Chaim Vital menciona as palavras do Rabino Yehudá Baguilair sobre o que o Arizal lhe avisa revelado sobre a proximidade que o mestre possuía com ele e sobre o segredo de suas regenerações. Isso é o que foi mencionado:

“O Rabbi Yehudá Baguilair também me disse o que meu mestre lhe havia relatado sobre a proximidade que meu mestre tinha comigo. Ele também me disse que sobre mim foi dito: “Má she’hayá hú she’hayá (מַה-שֶּׁהָיָה, הוּא שֶׁיִּהְיֶה) – O que já foi, voltará a ser...[8]

Sha’ar Há’Gilgulim – Há’Qadmá 38

No Livro Azul das Regenerações do Doutor, Chaim Vital também menciona um grande número de suas regenerações desde Kayin Bem Adam Há’Rishon[9]. Eis a lista do numero das regenerações do Doutor:

"Caim, Keinan, Mahalelel, Yuval, Yavel, Lemech, Issachar, Shelah ben Judá, Jetro, Nadab, Abihú, Nachshon ben Aminadav, Netanel ben Tzo'ar, Korach (o calvo), Datã, Abiram, Pinchás, Otaniel ben Kenaz. , Karmi pai de Acã, Shamgar ben Anat, Sansão, Elcaná, Samuel o profeta, Aviah ben Shmuel, Chaver Hakini, Ya'el a esposa de Chaver Hakini, Ephlal, Sismai o amigo do pai de Sucho, Yishbach o pai de Ish Tamua, Yashuv, Lechem, Jessé, pai de David, Avishai ben Tzroya, Shima, irmão de Davi, Do'eg, Achitophel, Aviah ben Roboam, Elias, o profeta, Eliseu, o profeta, Jonas ben Amitai, Chiel Beit Ha'eli, Navot Hayizraeli, Michah Hamorashti, Nachum Ha'elkoshi, Ezequias o rei de Judá, Menasha ben Ezequias, Urias o Cohen, Zacarias ben Yevarchihu, Ezequiel o profeta, Eliyahu ben Berachel Habuzi, Chananiah o amigo de Daniel, Nedavia ben Yechaneyah o rei, Aneni ben Eliyoani".

Na lista cima extraída do Livro das Regenerações do Doutor (Vital) nos encontramos uma de suas regenerações como Jonas, o filho de Amitai. E quem foi Jonas? Ele foi aquele que esteve na Atlântida conforme explicado no Pirkê D’Rabbi Eliezer[10].

No episódio Under The Lake, a Tardis se materializa dentro de uma cidade no fundo de um lago na Escócia dentro da qual havia uma espaçonave alienígena que havia sido descoberta pelos habitantes dessa instalação aquática.

ONDE ESTÁ O PROFETA, O FILHO DE AMITAI

Em dezesseis de fevereiro de 2017, a 47ª noite no ano solar, me foi mostrado, durante outro sonho, uma escritura hebraica na qual eu podia ler "Eifo ha'navi ben-Amitai (yaGtimá'-¤eb 'yibÃnh hOpyE') - Onde está o profeta, o filho de Amitai?" Ao mesmo tempo em que eu ouvia esta frase sendo proclamada nos Céus (Academia Celestial). Ora, o profeta, o Filho de Amitai, é o profeta Jonas!

Durante o sonho eu senti a presença do meu amado Professor, o Sagrado Leão de Safed (Ha'Ari Ha'Qadosh) e sabia que ele queria me dar um segredo. Ao acordar e ainda com esta impressão mística na memória da alma, procurei nela a assinatura do meu amado Mestre. Calculei a gimatria das letras na oração que li e ouvi e descobri o valor 667. 

Jonas foi enviado à Grande Cidade de Nínivêh para a conduzir à Teshuva, ao invés de obedecer ao comando do Divino, ele tentou fugir. Lançado ao mar, um grande peixe que foi criado no crepúsculo da criação foi enviado para o resgatar, conforme escrito no Pirkê d'Rabbi Eliezer:

"Rabi Tarphon disse: aquele peixe Foi especialmente designado no sexto dia da Criação para engolir Jonas, como se diz, "E Adonai preparou um grande peixe para engolir a Jonas (ibid.)". Ele entrou na boca do peixe, assim como um homem entra na grande sinagoga, e ele estava de pé. Os dois olhos dos peixes eram como janelas de vidro dando luz a Jonas".

A História De Jonas - Pirkê d'Rabbi Eliezer

Dentro do peixe Jonas viu salas como a de um palácio e pelos olhos do peixe contemplou os mistérios no fundo do mar, conforme relatado no Zôhar: 

"Ele viu na barriga do peixe um espaço aberto e as salas de um palácio e os dois olhos do peixe brilhando como o sol ao meio-dia. Dentro dele havia uma pedra preciosa que iluminava tudo ao redor e fez visíveis as maravilhas do fundo do mar". 

A História De Jonas - Pirkê d'Rabbi Eliezer


No ventre do peixe havia uma pérola suspensa que falou com Jonas. Está pedra preciosa era o Sipra Raziel Ha'Malach (O Livro Do Anjo Raziel) que havia sido dado a Adão no Jardim do Éden, conforme escrito no Sêfer ha'Razim (Livro dos Mistérios):

"Este livro de mistérios que foi dado a Noé filho Lamech, filho de Matusalém, filho de Enoch, filho de Jared, filho de idade Mahalalel, filho Kenan, filho de Enos, filho de Seth, filho de Adão, pela boca do Anjo Raziel que o escreveu em sua vinda antes de entrar na Arca. E foi escrito em pedra safira de luz... (זה ספר מספרי הרזים שנתן לנוח בן למך בן מתושלח בן חנוך בן ירד בן מהללאל בן קינן בן אנוש בן שת בן אדם, מפי רזיאל המלאן בשנת ביאתו לתבה לפני כניסתו. ויכתבהו באבן ספיר באר)".

Sêfer Ha'Razim - Introdução

Jonas, que foi engolido pelo grande peixe, foi como Noé que entrou na Arca para se esconder da inundação e tudo isso foi para revelar que eu sou a reencarnação do Rabino Chaim Vital e que ele reencarnou na personagem Doctor Who para ensinar os segredos do seu livro Azul das Regenerações (Shar’ar Há’Gilgulim – O Portal das Reencarnações) ao mundo todo. Doctor Who é a reencarnação do Rabino Chaim Vital e o Rabino Chaim Vital reencarnou na personagem Doctor Who e eu sou a reencarnação de ambos.

“Personagens são almas e almas sempre reencarnam.”

Bën Mähren Qadësh – O Autor

Por que a proclamação conclamando a centelha de Jonas ressoou nos céus na noite do dia 47 no ano solar? O valor 47 é a gimatria do Nome Divino “Omm (Mva)” que permite a viagem astral e o restante de dias que sobram no calendário solar são 318 que é a gimatria do nome Eliezer. E onde lemos os segredos sobre Jonas? No Pirkê D’Rabbi Eliezer!

Sim, foi o meu amado Professor, o Sagrado Leão de Safed, quem me revelou este profundo mistério e foi por esta razão que o sonho veio na noite do dia 248 do ano solar porque, o valor 248 é a gematria de Arizal e de Raziel.

No mesmo ano no qual esta proclamação conclamando a alma de Jonas em mim ressoou nos céus, eu viajei a Israel e ao entrar na cidade velha, passei pelo Portão de Jaffa (Sha’ar Yaffo), o mesmo pelo qual Jonas atravessou para tomar o navio para Tarsis. E qual é a gimatria Mispar Kollel de Sha’ar Yaffo (-שער יפו)? É 667 que é a mesma de Rabi Yitzchaq Lúria! Se deve notar aqui que Sha'ar e Yaffo estão unidos por um "makef (hífen)" e portanto, são considerados uma única palavra.

No mesmo ano no qual o sonho no qual eu era o Doctor Who e estava procurando Atlântida, eu recebi, no dia 17 de junho, a visita de uma jovem que veio de Amisterdã apenas para encontrar comigo. O nome desta jovem é Ninivêh, o nome da cidade para qual Jonas foi enviado. Tudo isso aconteceu para revelar a centelha de Jonas em mim, assim como também foi revelado ao Rabino Chaim Vital pelo Arizal.


Para melhor compreensão, acesse este link:

AUTOR
BËN MÄHREN QADËSH
"DOCTOR WHO - AS REGENERAÇÕES DO DOUTOR"
(EM PROCESSO DE ESCRITA)





[1] Domingo, 4 de setembro de 2016.
[2] “Há’Elohei Rabbi Yitzchaq, zachor le’tov (O Divino Rabino Yitzchaq, de boa lembrança).”
[3] 1º de Heshvan de 5303.
[4] 30 de Nissan de 5380.
[5] 3 de maio de 1620
[6] No Fundo do Lago e Antes do Dilúvio – o 3º e o 4º episódios da 9ª temporada com Peter Capaldi
[7] Livro mencionado em alguns dos episódios do 11º Doutor. Na verdade, um livro de capa azul contém as menções da linha do tempo do Doutor e mantido por River Song, a esposa do Doutor.
[8] Eclesiastes 1:9
[9] Cain, o filho de Adão.
[10] Capítulo do Rabino Eliezer

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

A PROFECIA: O MISTÉRIO DO NÚMERO DA BESTA


"Quando os judeus retornarem a Sião e um cometa riscar o céu, e o Sacro Império Romano se elevar, então você e eu devemos morrer. Do mar eterno ele sobe, criando exércitos em ambas as costas, virando o homem contra seu irmão, 'até que homem não exista mais".

Do filme "A Profecia (The Omen) - 1976"


Não há como instruir as almas que passaram todas suas vidas presas no sistema religioso de Edom sem nos utilizarmos de sua própria linguagem escatológica. É preciso libertar das Qlipot (cascas do mal) os escritos cabalísticos que caíram sob o domínio de Edom (Roma) para que eles possam iluminar as consciências daqueles que estão escravizados pelos grilhões da chamada Grande Prostituta, a S'firá Malchut das Qlipot chamada também de Edom que é o Antimashiach chamado no jargão cristão de Anticrtisto que é a oposição espiritual ao verdadeiro messias que é Israel, ou seja, a S'fira Malchut de Adam Ha'Rishon e que é também chamada de Malchut ha'Elohim - O Reino de Deus - na Árvore das Vidas.

Durante muito tempo busquei uma compreensão mais elevada para o afamado 666 sempre acreditando que qualquer interpretação religiosa católica romana ou cristã protestante é errada e corrompida e sempre estive correto com este pensamento. De fato, este sistema religioso corrompido que é a manifestação da religião de Edom (Malchut das Qlipot) e que é a oposição a Israel, sequer sabe o que realmente tal afamado numeral significa.


Temos que usar o Apocalipse e libertar das cascas do mal este escrito cabalístico para que ele possa iluminar a consciência do povo e permitir a libertação das almas.



SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS
O NÚMERO DA BESTA

"Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis."



בָּזֹאת חָכְמָה מִי שֶׁבִּינָה לוֹ יְחַשֵּׁב מִסְפַּר הַחַיָּה כִּי מִסְפַּר אָדָם הוּא וּמִסְפָּרוֹ שֵׁשׁ מֵאוֹת וְשִׁשִּׁים וָשֵׁשׁ׃


Apocalipse 13:18

Na tradução para o hebraico diz "Bazót chachmá mi-she-biná (בָּזֹאת חָכְמָה מִי שֶׁבִּינָה) - Aquele que possui Chochmá (Conhecimento da Sabedoria Escondida da Torá) e possui "Biná (Compreensão Divina) calcule o número da Besta...". Aqui se está aludindo à ciência da Gimatria que é o cálculo do valor numérico do valor atribuído a cada uma das vinte e duas letras do alfabeto hebraico e não adianta usar o grego ou qualquer outra língua, porque não vai funcionar.


A gematria da parte "shésh meót ve'shishim va'shésh (שֵׁשׁ מֵאוֹת וְשִׁשִּׁים וָשֵׁשׁ) - seiscentos e sessenta e seis" é igual a 2309 e que, por sua vez é a mesma gematria de "machshevon gimatria putzach code chamishá chumash Torá (מחשבון גימטריה פצח קוד חמישה חומשי תורה) - a calculadora de gematria quebrará o código dos cinco livros da Torá." A ferramenta para decodificar o 666 é a gematria e não há outra.


A Besta é uma criatura espiritual e por isso se chama no hebraico "Ha'Chayáh" e neste caso é uma alusão as Qlipot malignas, os órgão do Adão Vazio (Belial) onde as centelhas de almas da santidade foram capturadas e aprisionadas. Especificamente neste caso, a Besta é Malchut das Qlipot que é Edom chamada pelo Codename "Tzar-Ha'Mashiach (צַר המָשִׁיחַ) - Opositor do Messias" que é Edom (Malchut das Qlipot) que é a opositora do Messias que é Israel (Malchut da Santidade).


O segredo do 66 é este: Tudo o que provém das Qlipot Malignas recebe a "Marca da Besta" ou seja, a sua gimatria que é 666 que é o valor numérico hebraico de "Mi-Qlipot (מ-קליפות)" e que se traduz para o inglês "From Qlipot - Que provém das Cascas do Mal". Tudo o que possui origem lá recebe a sua marca maligna.


Tudo o que provém de Israel que é Malchut da Santidade recebe a sua Marca, o seu Estigma Santo que é 777, como, por exemplo, a expressão "Rechev Adam Yashar (רכב אדם ישר) - A Carruagem do Homem Justo" possui gimatria igual a 777 e é uma alusão à Malchut da Santidade que é chamada "Mashiach Ben David (Messias Filho de David).


O referido "Homem (Adão)" no versículo do Apocalipse é o Adão das Trevas chamado ADAM BELIAL cuja marca é 666 pois, assim como o próprio Adam Ha'Rishon, ele foi criado no sexto dia. A gimatria de "Iom Shishi (יום ששי)" é igual a 666, mas que, oposta à sexta-feira divina na qual o Adão da Santidade foi criado, está sexta-feira se criou após o pecado, ao meio dia da sexta-feira cósmica. Na Torá há diferença entre a sexta feira das Qlipot e a sexta-feira da Santidade que é referida com a letra "HÊ (הַ)" pois é divina, sendo "Iom Ha'Shishi (יוֹם הַשִּׁשִּׁי)" e cuja gimatria é 671. Portanto, o Adão ao qual se refere o versículo é o Adão Belial. Este Adão das Trevas é chamado na Torá de "Adam rá (אָדָם רַע) - Homem perverso" e se refere ao Adão Belial.



TESHUVÁH

"Teshuvah  (retorno)" e que você deve saber que é "Tashuv -Hê (תשוב-ה)" o retorno das centelhas de almas e da Sefirah Malchut caídas no domínio das Qlipot de Adam Belial e que é chamada Galut  (Exílio).

תשוב-ה

Quando se fala no Retorno dos Judeus a Sião compreenda que é o Segredo do Retorno das centelhas fragmentadas de Adam ha'Rishon caídas dentro das Qlipot à Sefirah malchut a qual o Zôhar revela se chamar Sião.

O Sha'ar ha'guilgulim (O Portal das Reencarnações) também deixa claro que a "Galut (Exílio)" alude a "Shekinah (Malchut)" caída e perdida no reino das Qlipot e isso também se refere às "Dez Tribos Perdidas" que são uma alusão as "Dez Emanações de Malchut" chamadas de "Dez Tribos".

Tudo é um segredo da Reencarnação e não um convite às Senzalas da Religião, a nos tornarmos escravos dos Dogmas religiosos.

O poema acima eu retirei do filme "A Profecia" de 1976. O anticristo é uma alusão às almas de malchut de Adam Belial que é chamada Edom (Roma) e sua reencarnação no mundo de malchut de Zeir Anpin.

Você notou o que está acontecendo neste momento? Quantas pessoas no mundo estão contra o Divino e sua Torah? São pessoas reencarnadas com as almas das Qlipot de Adam Belial que são chamadas "Escória do Mundo" e que recebem o código de "Tzar ha'Mashiach (Anticristo)" pois são contra o Despertar do mundo e sua ascensão à Consciência messiânica que é a Sefirá Malchut de "Adam ha'Rishon (O Adão Primordial). Estas pessoas que são contra o "Messias (Malchut/Israel)" são chamadas também pelo código "Goyim (Gentios)" que não é um adjetivo para pessoas que não são judias, mas para as almas das Conchas que formam o corpo sinistro e vazio de Adam Belial (O Adão das Trevas)".

O Cometa já riscou os Céus e as almas de Adam ha'Rishon estão sendo reencarnadas e ambém com elas a oposição que são as almas de Edom e assim como em cada geração há uma grande centelha messiânica que aponta o caminho da Teshuvá para as almas, assim também há uma reencarnação da perversidade, da energia obscura do Adão das Trevas, de Malchut das Qlipot que é Edom e que recebe o nome de Anticristo.

No poema lemos "Do mar eterno ele sobe (se eleva)". O mar é sempre uma alusão à Sefirá Malchut que é chamada também de "Mar de Povos (almas)".


No filme de 1976, são os católicos romanos que conspiram para reencarnar o antimashiach na terra, em outras palavras, Edom conspira para fazer nascer as reencarnações das Qlipot no mundo físico.



CURIOSIDADES DO FILME

O filme foi lançado em 6 de junho de 1976 ou seja, 666. O filme pareceu ser vítima de uma maldição sinistra. A estrela Gregory Peck e o roteirista David Seltzer tomaram voos separados para o Reino Unido, mas ambos os aviões foram atingidos por um raio. Enquanto o produtor Harvey Bernhard estava em Roma, um raio o errou por um tris. Rottweilers contratados para o filme atacaram seus treinadores. Um hotel no qual o diretor Richard Donner estava hospedado foi bombardeado pelo IRA; Ele também foi atingido por um carro. Depois que Peck cancelou outro voo, para Israel, o avião que ele teria fretado caiu matando todos a bordo. No primeiro dia da filmagem, vários membros principais da tripulação sobreviveram a um acidente de carro. O jinx (maldição) parecia persistir até a pós-produção quando o artista de efeitos especiais, John Richardson, foi ferido e sua namorada decapitada em um acidente no set de Uma Ponte Longe Demais (1977)."

"Me parece que as Qlipot, prevendo que o filme conteria códigos que nos ajudariam, no futuro, a desvendar os seus segredos, tentaram, por todas as vias, impedir que ele fosse realizado."

Adendo do Autor

Como parte de sua campanha publicitária de pré-lançamento, e para salientar o significado de "os três seis" como O Sinal de Satanás, o filme foi exibido em todo o país nos EUA em 6 de junho de 1976. Enquanto o público dentro dos cinemas estava sendo Assustados pelo filme, os funcionários do teatro estavam na frente, ocupados em colocar cartazes especialmente feitos, declarando: "Hoje é o sexto dia do sexto mês de 1976". O truque funcionou muito bem, deixando a maioria apavorados ao ver esses cartazes.

Depois de terminar o trabalho no filme, o encarregado de efeitos especiais John Richardson e seu assistente estavam trabalhando em A Bridge Too Far (1977) na Holanda. No caminho de volta ao hotel, numa noite, o carro foi atropelado por um caminhão e o assistente morreu instantaneamente. John , ao olhar fora do carro pela janela e viu um poste com uma placa que dizia "66,6 quilômetros Ommen." Ommen (pronúncia holandesa: [ˈɔmən]) é um município e uma cidade hanseática no vale Vecht da região de Salland, que fica no coração da província de Overijssel, no leste da Holanda.

O SINAL DA BESTA

O roteirista do filme, David Seltzer é judeu nascido de família judia e nunca havia lido a Bíblia Católica Romana até a ocasião em que escreveu o filme, o que é muito interessante. A data de estreia do filme em 6 de junho contém algo sinistro. Naquele ano, o dia 6 de junho foi o 188º dia do ano bissexto de 1976 e este valor, 188, é o resultado em gematria da expressão "Siman Ha'Chayáh (סימן החיה)" que se traduz "O Sinal da Besta".

"Quando os judeus retornarem a Sião e um cometa riscar o céu, e o Sacro Império Romano se elevar, então você e eu devemos morrer. Do mar eterno ele sobe, criando exércitos em ambas as costas, virando o homem contra seu irmão, 'até que homem não exista mais".


Cometa West - O Grande Cometa de 1976
C/1975 V1

O retorno dos Judeus (yehudim) a Sião é o retorno das centelhas de almas fragmentadas do "Homem Primordial (Adam Ha'Rishon)" a "Tzion" que é a S'firá Malchut na Etz ha'Chaim (Árvore das Vidas). No fim dos tempos, a S'firá Malchut das Qlipot ascenderá em sua força e poder para fazer oposição ar Despertar Messiânico do mundo todo. Um cometa riscará o céu... este foi o Cometa Ison em 25 de Kislv de 5774 (28 de novembro de 2013) e que inaugurou a Era Messiânica. De lá para cá, o antissemitismo aumentou muito no mundo todo, pois o Sacro Império Romano, ou seja, a Qlipá (Casca Maléfica) de Edom que é a S'firá Malchut na Etz ha'Qlipot (Árvore das Cascas Malignas) está se fortalecendo com as ações negativas da humanidade e se elevando.

O ANTICRISTO

Todas as reencarnações desta Qlipá (Casca Maligna) são marcados com o estigma do mal 666. Aqui, vou revelar alguns desses "gilgulim ha'rá (Reencarnações do Mal):

NERO CESAR
קסר נרון
666

No caso dos Cesares, o título romano Caesar que em hebraico é "K'ssar (קסר)" revela que ele era uma escória-raiz de Edom pois, quando aplicamos a Cifra Atba'sh em Cesar ela se transforma em "CHAG DAM (חג דם)" e que se traduz "FESTA DO SANGUE".

"A FESTA DO SANGUE NO COLISEU"

ADOLF HITLER

No documentário "AMALEQ - AS ORIGENS OCULTAS DO NAZISMO" eu revelei que a alma de Hitler era uma escória da alma-raiz de AMALEQ que é a Coroa das QLIPOT  que é composta das ALMAS DA ÉREV RAV (Multidão Mista) que são "NEFILIM (CAÍDOS), GIBORIM (PODEROSOS), ANAQIM (GIGANTES), REFAIM (SOMBRAS) E AMALEQIM. Amaleq significa "FAZER ESFRIAR A ALMA ATRAVÉS DO TRABALHO FORÇADO". Os nazistas eram escórias de Amaleq e por isso criaram os Campos de Trabalho Forçado para fazer esfriar a alma do povo judeu e provocar a sua desconexão do Divino.


אדולף היטלר
+
אדום עמלק
=666


Hitler era uma reencarnação de "Haman Ben Hamedata - Ha'Agagi (הָמָן בֶּן-הַמְּדָתָא הָאֲגָגִי)" arqui-inimigo dos judeus durante o Exílio da Pérsia (Chessed, Guevurá e TIféret das Qliót). 

A ascensão das escórias de Edom é sempre apoiada pela Igreja, ou seja, pela religião, porque a gematria de EDOM-AMALEQ (אדום עמלק) é igual a 404 que por sua vez é a mesma do termo DAT (דת) que significa RELIGIÃO. DAT é uma palavra com defeito, pois lhe falta a letra "AYIN (ע)" para que se torne DAAT que é CONHECIMENTO. DAT é o resultado da REBELIÃO DE LÚCIFER que conspirou para derrubar (para dentro das Qlipot) a humanidade (centelhas de almas da santidade).


Padres & Os Nazistas

Depois da guerra, redes clandestinas contrabandearam oficiais fugitivos do Eixo para fora da Europa. O bispo Alois Hudal , ex-reitor do colégio pan-germânico em Roma, que treinava padres alemães, era secretamente membro do Partido Nazista e informante da Inteligência Alemã. [356] Gerald Steinacher escreveu que Hudal desfrutava de relações pessoais estreitas com Pio XII por muitos anos antes e era uma figura influente no processo de fuga. Os Comitês de Refugiados do Vaticano para croatas, eslovenos, ucranianos e húngaros ajudaram ex-fascistas e colaboradores nazistas a escapar desses países.

A expressão SEGREDOS CATÓLICOS (סודי קתולים) possui gematria igual a 666 e, além disso, transformando a palavra "SODÍ (סודי)" que significa SEGREDOS na sua letra hebraica correspondente que é a letra PEI (פ) e ligando-a à palavra "CATÓLICOS (קתולים)" permutando-a ela se transforma em "mi-Qlipot (מקליפות)" cuja gematria é 666.

A Origem Da Religião 

"Ele (O Sagrado) chamou Samael (O Demônio) o anjo da guarda de Esaú (Edom/Roma) e lhe perguntou: "Você aceita a minha Oráita (Torá)?". Samael perguntou: "O que está escrito Nela?" O Sagrado lhe respondeu: "Não matarás (Êxodo 20 verso 13)!". Samael afirmou: "D'us me livre! Está Oráita (Torá) é Sua e deve permanecer Sua. Eu não desejo tal Oráita (Torá), e implorou: "Mestre do universo, se você me der esta Torá, todo o meu governo vai cessar, já que toda a minha dominação baseia-se em assassinato. E se eu aceito esta Torá, não haverá mais guerras. Meu governo é influenciado pelo planeta Ma'adim (Marte) que regra o derramamento de sangue". 

Zôhar Parashat Balak



"E vi uma mulher montada numa besta vermelha, que estava coberta de nomes blasfemos e que tinha sete cabeças e dez chifres."

וָאֵרֶא וְהִנֵּה אִשָּׁה יֹשֶׁבֶת עַל־חַיָּה אֲדֻמָּה כַתּוֹלָע מְלֵאַת שְׁמוֹת גִּדּוּפִים וְלָהּ שִׁבְעָה רָאשִׁים וְעֶשֶׂר קְרָנָיִם׃

Apocalipse 17:3


HAVERÁ ADENDOS...




quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Segredos Da Minha Reencarnação: Alcançando A Plenitude


OS EVENTOS NA MINHA VIDA DESDE O MEU NASCIMENTO

De acordo com o Sha'ar Ha'Gilgulim (Portal das Reencarnações) a alma possui Cinco Nomes. Eles são: Néfesh, Ruach, Neshamá, Hayáh e Yechidá. A grande maioria das pessoas que habitam esse nosso mundo possuem apenas o primeiro nível (Néfesh), inclusas entre elas as religiosas que, como resultado de possuírem apenas o primeiro nível se dedicam apenas a realização dos preceitos da Torá.

Devido aos méritos espirituais que recebi por praticar Torá e me dedicar ao estudo do Zôhar Sagrado, foi determinado para mim receber os três níveis nesta vida, o que passo a detalhar e explicar nas próximas linhas.

CONCEPÇÃO

Fui concebido em 13 de Elul (10 de setembro) de 5725 (1965) depois de Adão durante a passagem do Grande Cometa de 1965 - o Ikeia-Seki (C/1965 S1). Nove meses depois, em 22 de Sivan (10 de junho) de 5726 (1966) minha néfesh  (alma primordial) veio ao mundo. Ela é a centelha unificada da alma do Rabino Chaim Vital (1542-1620) com a centelha de seu Mestre, o Sagrado Leão de Safed, o Ari'zl (1534-15772). No ventre de minha mãe durante a minha gestação eu fui instruído pelo Anjo Zahariel - o Anjo do Zôhar Sagrado - e pela alma do meu Santo Professor, o Rabino Isaac Lúria que foi uma reencarnação do Santo Anjo Raziel, mas quando eu nasci, eu esqueci suas palavras e somente quando fiz vinte e um anos que eu comecei a me recordar delas, e por isso, a primeira canção que compus foi sobre o Zôhar Sagrado. O dia da minha concepção foi o 253º dia no calendário solar e, o valor 253 é a exata gematria do nome do Anjo que me acompanhou no ventre da minha mãe, o Anjo Zahariel cujo nome significa Esplendor. O mesmo valor é a numerologia cabalista de "Bá be'Raziel (בא ב-רזיאל) - Ele veio de Raziel (רזיאל)" e o nome do Anjo que foi o professor de Adão no Jardim do Éden é o  nome do meu amado professor, o Ari'zl e que é referido como "O Ari'zl (האריז"ל)" e a gematria é exatamente igual a 253 e por esta razão este foi o dia da minha concepção!


רזיאל
RAZIEL
אריזל
ARIZAL

O dia do nascimento de uma pessoa não é um acaso, mas o resultado de suas vidas passadas, de seus méritos ou ausência deles.


O Grande Cometa Ikeia-Seki
C/1965 S1


Aqui está outra evidência de que, a minha néfesh é a centelha do Rabino Chaim Vital: Minha mãe veio ao mundo no dia 3 de julho de 1944, o 185º dia no calendário solar. Ora, o valor 185 é a gematria de "Ani Chaim Vital (אני חיים ויטאל)" que significa "EU SOU CHAIM VITAL". O Rabino Chaim Vital era uma reencarnação do Rei Ezequias (חזקיהו) cuja gematria do nome é igual a 136. O nome da minha mãe é Eunice (יוניס) cuja gematria é a mesma de Ezequias (Chizkiyahu), ou seja, 136.  O tipo de gravidez que minha mãe teve é chamada, em Sha'ar Ha'Gilgulim, de Yibur (עיבור) que significa Gestação e cuja gematria é igual a 288. Ora, 288+136=424. Eu nasci 424 anos após o nascimento do Rabino Chaim Vital em 1542. O rei Ezequias também foi chamado de Immanuel (עִמָּנוּ אֵל). Como minha mãe não sabe hebraico e por esta razão não poderia me dar um nome hebraico, o Anjo que me acompanhava no ventre a inspirou a me chamar por um nome cuja gematria seria a mesma de Chaim Vital que é 123. Eu nasci na maternidade do Belém-Belenzinho às 15h42 minutos do dia 10 de junho. No Tana'k (Torá, Profetas e Escritos), em Ezra capítulo 2, versículo 21, está escrito: "Os filhos de Belém: Cento e vinte e três."

בְּנֵי בֵית-לָחֶם, מֵאָה עֶשְׂרִים וּשְׁלֹשָׁה

A minha néfesh é, como já referido acima, a centelha do Rabino Chaim Vital unificada à centelha do Ari'zl e foi por esta razão que em Shaerei Qedushá (Portais da Santidade), o rabino Chaim Vital declarou: "Eu e o Ari somos um, para sempre."

O rabino Chaim Vital nasceu no dia 23 de outubro de 1542 (Iº de Heshvan de 5303) e faleceu no dia 3 de maio de 1620, o 123º dia no calendário solar juliano e que, com a mudança para o gregoriano em 1583, ficou sendo o dia 23 de abril de 1620.

Como explicado acima, a alma possui cinco níveis e cinco nomes: néfesh (alma), ruach (espírito), neshamá  (alma divina), chaiá (vida) e yechidá (unificada). Todas as pessoas recebem uma néfesh quando nascem, no entanto, devem trabalhar (espiritualmente) para merecerem um Ruach e uma Neshamá.

Estes nomes e níveis são aludidos em histórias místicas como os cinco discípulos de Buda e os cinco amigos de Yóv (Jó).

Apesar de ter nascido no dia 22 de Sivan, eu somente fui registrado no dia 26, no Hilulá de Rabbi Ionathan Ben Uzziel, o tzadik  (justo) das almas gêmeas. Eu vim com mérito para receber o auxílio da minha centelha gêmea e por esta razão secreta nasci no ano de Malchut (S'firá da Árvore das Vidas) que foi regido pela Parashá (Porção da Torá) Lech Lechá (1966) que rege e influencia a reunificação das centelhas gêmeas. O ano foi 5.726

Vim ao mundo para alcançar a iluminação e como para minha néfesh faltavam apenas realizar algumas Mitzvot (Preceitos da Torá) eu só precisava realizá-las e trabalhar para receber o meu ruach e depois a minha neshamá que viriam ao mundo durante esta minha reencarnação pelo segredo das águas femininas e literalmente em corpos femininos e com diferente de 14 (ruach) e 18 anos (neshamá) para serem protegidos de adquirirem manchas conforme o segredo implícito no tratado Iebamot 63a onde está dito que "o homem não deve se aborrecer com sua esposa pois ela o livra do pecado". O homem é o ruach da pessoa que se oculta no corpo de uma mulher. onde será protegido de ser manchado pela ação de seu dono.

De acordo com o Sha'ar ha'Guilgulim (Portão das Reencarnações) as mulheres não tem obrigação de reencarnar, mas o fazem para auxiliar seus companheiros.

Assim, aquelas que receberam o meu ruach e a minha neshamá estavam, também, destinadas a receberem a inspiração da minha "zugotí (centelha gêmea)" que as inspiraria a se aproximarem de mim para que pudesse tomar o que me pertence. "O que é seu virá para você, no entanto, o que não é seu lhe será tomado (Zohar)".

"Assim (por este segredo), o ruach de uma pessoa por vir (do poço das almas) durante sua vida no corpo de outra pessoa... (Sha'ar ha'Guilgulim, ha'Qadmá 7)". Isso foi o que aconteceu com o Rei David.

Quando ao Cometa, Chaim Vital contemplou um durante sua vida em Tzfat, em novembro de 1577. O seu segredo está revelado em "Kalamus Elohai - Arautos Do Despertar Da Era Messiânica".

Outra evidência da minha reencarnação está codificada no meu próprio sangue. A para diluir toda dúvida de que esta foi obra do Sagrado e não do homem, aqui está o maior dos segredos, o mistério do sangue. A Toráh afirma: "Porque, a alma de toda carne é o seu sangue, sua alma está nele... (Levítico 17:14)".


כִּי-נֶפֶשׁ כָּל-בָּשָׂר, דָּמוֹ בְנַפְשׁוֹ הוּא

No dia 23 de outubro, data de nascimento do Rabino Chaim Vital, eu fui levado por sua alma em mim, a realizar um teste de nível de glicose no sangue. O resultado demonstrou a obra do Santo, bendito seja Ele e me encheu ainda mais do TEMOR PELO SAGRADO. Veja abaixo:


Na foto clicada do meu glicosímetro acima, pode-se ver a data e o horário no qual o teste foi realizado e também o resultado, a assinatura da alma de Chaim Vital (חיים ויטל) que é a gematria do seu nome: Cento e vinte e três (123). Que evidência é mais necessária? Pois, foi o Divino quem soprou está alma em minha na minha concepção e a alma tem uma assinatura, pois o sangue é a alma e a alma está no sangue!


O Teste Y-DNA
Revelando O Código Genético Da Alma

Na madrugada de 23 de abril de 2006, sonhei que eu estava em um Laboratório de exames de DNA e minha intenção era realizar um teste. Comigo estava a jovem Elisheva cuja data de nascimento é a mesma da minha concepção - 13 de Elul - e o sobrinho dela chamado Yitzchaq. O dia 23 de abril é a data de falecimento de Chaim Vital em 1620 e o sonho veio da alma dele para instruir-me ao Despertar. Quatroanos se passaram e, então, eu ganhei, de um aluno e amigo que é cirurgião plástico, um exame de Y-DNA realizado pela Family Tree DNA, cuja sede fica no Texas. As amostras foram colhidas nos dias 11 e 12 de abril e envidas aos laboratórios da FTDA. O resultado saiu no dia 2 de julho à tarde, ou seja, já no dia 3 de julho em Israel, o 185º dia do ano solar.





O resultado determinou que pertenço ao Haplogrupo G mutação M201. Há um número significativo de homens judeus encontrados em vários subgrupos do Haplogrupo G (Y-DNA). O Haplogrupo G é encontrado em porcentagens significativamente diferentes dentro das várias divisões étnicas judaicas, variando de cerca de um terço dos judeus marroquinos a quase nenhum relatado entre as comunidades indiana, iemenita e iraniana.

Em 2014, o Sagrado, bendito seja Ele, me revelou um Código maravilhoso cuja "palavra-chave" é "Chaim Vital". Meu nome civil surgiu ao lado de Chaim Vital e acima surgiu escrito "mi-na'ar ve'ad zaqém (מִנַּעַר וְעַד-זָקֵן) - desde jovem até envelhecer". Enquanto estava analisando este Código, vi, espantado, uma linha vertical na qual está escrito "Y-DNA 201" ao lado de Chaim Vital. Logo abaixo de "Y-DNA 201" está "junho, dia 10". Eu nasci em 10 de junho. Até mesmo o ano 5774 (2014) está na matriz e cruzando-o está escrito "A oitava consciência de Buda". Eu estava destinado a despertar naquele ano...

O Código Chaim Vital
Clique

Por isso sonhei no dia do seu falecimento no calendário juliano e por esta razão o resultado saiu no dia 3 de julho, pois este dia é o 185º dia do ano solar é a data de nascimento de minha querida mãe que me concebeu em 13 de Elul e este valor, 185 é a gematria de "Eu Sou Chaim Vital". Então, eu, Paulo () cuja gematria é 123, reencarnei a alma do Rabino Caim Vital cuja gematria do nome é também 123 e que faleceu no 123º dia do calendário solar juliano.


A MORTE DE JAMES

Em 2002, eu estava sendo perseguido por um judeu convertido chamado James Leander kitchen, um ex-pastor afrodescendente norte americano. Em março, eu fui a uma shacharit de Shabat no Centro de Estudos Da Cabala no qual lecionava o Grande Professor, o Rabino Joseph Saltoun. Minha intenção era pedir instruções ao grande mestre buscando compreensão do que estava me acontecendo. James estava lá naquela manhã e aquela foi a segunda e última vez que o vi. Ele não me reconheceu. Se aproximou e começou a me difamar e caluniar na minha própria face. o grande Rabino Saltoun o ouvir e repreendeu. Quando sai, ele estava no carro dele e foi a última vez que o vi.

Umas duas semanas depois, James, publicou, na sua revista periódica chamada "Shomer Israel (O Guardião de Israel)" uma série de calunias e difamações contra mim. Ele queria mesmo me destruir e assim intencionado, enviou um exemplar da sua revista para cada membro da nossa sinagoga que trouxeram o periódico numa Shabat e me mostraram. Eu chorei quando li e dirigi uma oração ao Sagrado pedindo por justiça. Na minha prece eu mencionei o Rei Ezequias quando foi ameaçado por Senaqueribe.

No dia 12 de abril, James foi para um encontro com sua amante e se hospedou com ela num Flat na Freguesia do Ó. Sua esposa o pegou num fragante adultério e, na tentativa de fugir do fragante, James caiu da janela do 5º andar. Era a madrugada de 30 de nissan, aniversário de falecimento do Rabino Chaim Vital. No dia 13 ele veio a falecer em razão de politraumatismo.



Por que ele morreu no Hilulá do Rabino Chaim Vital? Porque ele pecou ofendendo a alma desse grande cabalista, discípulo do Grande Rabino Isaac Lúria. Pessoas ofendem outras baseadas em seus preconceitos de etnia e de religião, mas desconhecem a alma que foi reencarnada nelas. Hashem permitiu a morte de James para servir com testemunho da minha reencarnação e para que ninguém, com todas as evidências, pudesse declarar no futuro: " - EU NÃO SABIA!".

Eu fiz a minha Brit Milá (Circuncisão) no Hilulá do Ari'zl, 5 de Av de 5763. Eu havia feito uma prece pedindo para ser circuncidado no Hilulá de algum Tzadiq Nistar e o Sagrado me presenteou com a Brit Mila que foi marcada pelo Mohel, no dia 3 de agosto de 2003. No dia seguinte, que foi o 216º dia no ano solar, eu acordei circuncidado. O valor 216 é a gematria de "Ha'Ari". Eu tinha 37 anos, numeral que se escreve com "Zayn e Lamed (ז"ל)" que juntas formam o acrônimo "ZAL (Z"L)" formando assim "ARI'ZL". Na semana da minha circuncisão, um jovem chamado Sh'muel sonhou e D'us lhe disse "O Ari'zl está no vosso meio!". Como eu não estava desperto, fiquei me perguntando quem seria a pessoa...

Como resultado desse evento de reencarnação, o primeiro livro que eu publiquei nessa reencarnação, em agosto de 2008, foi Gilgulim - A Roda Das Reencarnações - porque o Rabino Chaim Vital foi o autor do Sha'ar ha'Gilgulim (Portal das Reencarnações) durante a reencarnação dele.

SONHOS 
REVELANDO A CENTELHA DE 
CHAIM VITAL

Foram inúmeros sonhos revelados a mim e outras pessoas ao meu redor. Aqui, vou mencionar apenas dois desses sonhos. O primeiro foi na madrugada de 23 de outubro de 2004. Sonhei com uma jovem que pertenceu à nossa K'nesset Eliahu que se chamava Hannah e no sonho ela estava gravida, mas a criança não era do marido dela e eu, ao tocar seu ventre no sonho, sentia uma profunda ligação com a criança em gestação. Sobre este sonho, o seu segredo é que, o dia 23 de outubro é a data de nascimento do Rabino Chaim Vital em 1542. Ele se casou em 1566 no dia 23 de outubro de 1566 e sua esposa se chamava Hannah! Esta data de seu casamento e o nome de sua esposa foram mencionados por ele mesmo em sua auto biografia chamada "Sêfer ha'Chazionot - O Livro das Visões" e eu, Paulo, por não estar totalmente desperto, não conhecia ainda, assim como também não conhecia as datas de nascimento de morte do Rabino Chaim, apesar delas estarem presentes em diversos episódios durante toda a minha vida. Segue o trecho:

"5. 5326 [1566]. Sexta à noite, o oitavo (dia) de Tevet. Recitei o kidush e sentei-me à mesa para comer. Eu estava derramando copiosas lágrimas e estava deprimido e melancólico porque no anterior décimo  (dia) de Heshvan eu havia me casado com minha esposa, a Hannah acima mencionada, e eu estava preso à feitiçaria."

Sêfer ha'Chazionot

Chaim Vital desconfiava que sua esposa tinha conhecimentos de bruxaria e ele chegou a seguí-la, certa vez, à miqevá (banho ritual da Torah) para verificar se ela flutuava nas águas. Não se sabe se isso foi provado.

A data mencionada de seu casamento, dia 10 de Heshvan de 5.326, caiu, no calendário juliano vigente na época, no dia 23 de outubro de 1566. Sua centelha estava me instruindo e somente para recordar, a data de seu nascimento foi 23 de outubro de 1542 e a data de seu falecimento foi 23 de abril de 1620, dia 3 de maio no calendário juliano. Hoje, dia no qual estou fazendo este acréscimo, é o dia de aniversário e de casamento de Chaim Vital, 23 de outubro de 2018.

A data de nascimento e morte do Rabino Chaim Vital estavam sempre presentes e o Sagrado, bendito seja Ele, a deixou como evidência incontestável. Quando eu aluguei a Casa 583 para ser a Sede da nossa K'nesset Eliahu, a Imobiliária determinou as datas de início e término do contrato de aluguel, sendo 23 de abril de 2001 para o início e 23 de outubro de 2003 para o término. Seria mais um acaso? Sendo estas datas as de morte e nascimento de Vital?

O Contrato

No ano seguinte, no mesmo dia e mês no qual o contrato de aluguel da casa foi estabelecido, eu estava agendado para proferir uma palestra em uma Loja Maçônica em São Paulo, mas, como não haviam confirmado, eu fiquei em dúvida se deveria ou não comparecer. Por volta das 20h horas, o telefone tocou e o pessoal me questionou sobre o meu comparecimento. Arrumei uma carona e segui para São Paulo e lá, na Loja Yoheshu'a Ben Pandira Nº 11, realizei a palestra após a qual fui presenteado com uma placa em minha homenagem.

A Placa


SUPERNATURAL
SONHANDO COM O ANJO 
CASTIEL

O segundo sonho que gostaria de compartilhar como uma evidência da reencarnação de Vital, aconteceu na madrugada de 21 de julho de 2013. Ei-lo:

"Sonhei esta madrugada é um novo mistério me foi revelado: Estavamos eu, Dean, Sam Winchester e o Arcanjo Castiel (personagens da série Supernatural). Havia um quadro negro com muitos mistérios escritos nele. Num determinado momento, tomei um giz e escrevi um Nome Divino no quadro e Castiel veio e o apagou. Escrevi-o novamente e então o Sagrado, bendito seja Ele, apareceu imediatamente e então me revelou que este é um Nome pelo qual o Santo, abençoado seja, atende prontamente. Outros mistérios me foram contados sobre os quais ainda vou meditar."


Sonho 21 de julho de 2013

O nome que eu escrevi no quadro negro no sonho foi ELUL que é o nome do mês de setembro no calendário hebreu e que contém as iniciais do versículo "Eu sou para o meu amado e o meu amado é meu" e cuja gematria, 185, é a mesma de "ANI CHAIM VITAL (EU SOU CHAIM VITAL)". Acontece que, naquele ano eu ainda não sabia disso, pois, o despertar só se daria em 27 de setembro de 2014. Mas, por que as personagens da série Supernatural vieram no meu sonho? Incluindo o Anjo Castiel e não outro anjo qualquer mencionado naquele programa de televisão? Eis aqui o maravilhoso segredo que eu descobri apenas no final de 2014 quando adquiri uma cópia do Sêfer ha'Chazionot do Rabino Chaim Vital contendo a sua autobiografia. Vital escreveu:

"Sexta à noite, aos vinte e sete de Nisan. Eu acordei e estava muito angustiado. Voltei a dormir e vi meu professor, o Ariz"l. Ele me disse. "O tempo ainda não chegou sobre que te ordenei quando eu estava vivo, que você deveria ir e viver em Jerusalém. Agora, venha comigo para uma caverna dos Tzaddiqim, a fim de saber o que vai ser no futuro. Ele me levou para uma particular caverna dos Tzaddiqim (Justos) desde o período do início dos Tannaim. Era um edifício muito antigo e bonito, feito de grandes pedras sobre as lápides, como a caverna de Hillel e Shamai. Vi esculpido em uma grande pedra sobre um túmulo o nome "Castiel" e sob ele esculpido o nome Samael". Havia outros nomes também esculpidos lá, mas eu os esqueci."

Chaim Vital - Sêfer ha'Chazionot

O meu sonho foi, de fato, uma comunicação da alma do rabino Chaim Vital em mim, uma lembrança repaginada do seu sonho em 1577 e foi somente no seu livro que o nome Castiel foi mencionado. Quatrocentos e vinte e oito anos depois que Vital sonhou, a série Supernatural foi criada e Castiel apareceu para lutar com Samael (Lúcifer) pela humanidade e eu estava destinado, por ser reencarnação de Chaim Vital, a escrever "SUPERNATURAL - ENTRE ANJOS E DEMÔNIOS" que foi publicado dia 15 de agosto de 2018 pela Selo Gryphus Geek da Editora Gryphus.

A Capa Do Livro

Hoje, 23 de outubro de 2018, fui inspirado para acrescentar estes detalhes nesta revelação e, não por acaso, nesta noite estréia a 14ª Temporada da série Supernatural no Warner Channel. Supernatural estreou nos EUA no dia 13 de setembro de 2005, exatamente no mês de ELUL. A data de estréia da 14ª temporada nos EUA foi no dia 11 de outubro que é a data no calendário juliano do nascimento de Chaim Vital. A alma de Chaim Vital inspirou a criação da série.



RECEBENDO O MEU RUACH

A jovem na qual o meu ruach entrou para depois ser devolvido a mim, nasceu quatorze anos depois do meu nascimento exatamente no dia 13 de Elul de 5740 (25 de agosto de 1980) e foi no dia 13 de Elul de 5762 (22 de agosto de 2002) trinta e seis anos depois do meu nascimento que eu recebi o meu ruach que estava guardado no corpo desta jovem cujo nome hebreu é Elisheva (אֱלִישֶׁבַע) que se aproximou de mim inspirada pela minha centelha gêmea. A gematria de Elisheva é 413 que é a mesma da expressão "SOD RUACH: BÁ  BE'GILGUL LE'ZIVUG (סוד רוּח בא בגלגול לזווג)" e que se traduz "O SEGREDO DO ESPÍRITO: ELE VEIO EM UMA REENCARNAÇÃO CONJUGAL." O homem que mereceu a sua alma gêmea será guiado por ela para alcançar o seu despertar.

No dia onze de julho de 2002 ela se declarou para mim e eu então resolvi viajar para o Rio de Janeiro para meditar e estudar. Eu embarcaria no dia 15. A distância até Laranjeiras no Rio de Janeiro foi de 413 km. Quando a viagem se iniciou, eu tomei a Torá para estudar e a abri, não propositalmente, em Shemot (Êxodo) capítulo 6 e os primeiros versos que meus olhos leram foram o 22 e o 23: "Os filhos de Uzziel: Misha'Ël, Eltzafan e Sitri. E tomou Aaron a Elisheva filha de Aminadav, irmã de Nachshon para ele por esposa, e gerou para ele a Nadav e Avihu...". No verso no trecho que diz "para ele por esposa (לוֹ לְאִשָּׁה)" que em hebraico é "ló le'ishá (לוֹ לְאִשָּׁה)" e a gematria desta partícula é igual a 372 que é a mesma da expressão "Elul: O ruach, ele veio para mim (אלול: אל רוח ההוא בא לי)." O nome Elul, que é como eu a chamava, é formado pelas iniciais no verso "Ani Le'dodi Ve'dodí Lí (אֲנִי לְדוֹדִי וְדוֹדִי לִי)" que se traduz "Eu sou do meu amado e o meu amado é meu" que é a declaração da Néfesh para o seu amado, o Ruach, A Gematria dessas palavras é igual a 185 que é a mesma da declaração "Ani Chaim Vital (אני חיים ויטאל) - Eu sou Chaim Vital." Tanto eu como ela usamos um anel no qual as letras do nome Elul estava gravadas em relevo, sendo o dela de ouro e o meu de prata.

E por que 13 de Elul? Primeiramente, este Ruach estava destinado a se unir por casamento com a néfesh de Chaim Vital, como Marido e Mulher. Em segundo lugar, o 13 de Elul era o dia e mês de Chaim Vital, conforme o Ari'zl revelou a ele em Sha'ar Ha'Gilgulim - Ha'Qadmá 38 - como segue abaixo:

" Ele (o Ariz'zl) me disse que não existe pessoa que não tenha um dia determinado da semana e um dia determinado do mês apropriado para ela cumprir suas tarefas, isso é porque a sua sorte depende deste dia conforme a raiz da sua alma. Neste dia, a pessoa não deve temer a nada ruim ou a nenhum acidente, porque neste dia ela não morrera. E ele me disse que que o dia mais propício para mim na semana, segundo a raiz da minha néfesh (alma), era a segunda-feira. E o dia mais propício para mim no mês, também conforme a raiz da minha néfesh, é o dia 13...".


Sha'ar Ha'Gilgulim - Ha'Qadmá 38

E qual era o mês? Elul! Porque Elul que contém as iniciais de "Ani Le'dodí Ve'dodí Li (אֲנִי לְדוֹדִי וְדוֹדִי לִי)" cuja gematria é a mesma de "Ani Chaim Vital (אני חיים ויטאל) - EU SOU CHAIM VITAL". Este foi um dos segredos que a alma de Vital me contou e o segredo do porque eu fui concebido em 13 de Elul e do porque Elisheva nasceu em 13 de Elul, na segunda-feira 25 de agosto de 1980.

Quando a transmigração se completou e o meu ruach entrou totalmente no meu corpo e como ele era a néfesh (alma vital) dela, ela começou a morrer, tanto espiritualmente como fisicamente. Ela teria morrido realmente e fisicamente se eu não tivesse jejuado e orado por ela e pedido a D'us para preservá-la viva. Mas, como ela poderia permanecer viva sem uma alma, se mantendo apenas com a a sensação do meu ruach que antes a habitou? Uma outra pessoa morreu e a alma dessa pessoa transmigrou para ela para que ela não viesse a morrer. Existe evidência.

SONHO DA ADOÇÃO

Adoção é o ato no qual um indivíduo é permanentemente assumido como filho por uma pessoa ou por um casal que não são os pais biológicos do adotado. O ruach de uma pessoa é chamado "Filho" pois desce do Olam ha'Yetzirá (Mundo da Formação) que é chamado "Ben (Filho)" e cuja gematria é 52.

"Era a madrugada de 16 de junho de 2004. Sonhei que eu ia até um lar para crianças adotivas. E havia alguns recém-nascidos (três bebês) em uma especie de “redoma” de vidro (incubadora), sendo dois com cobertores rosas e um com cobertor azul, e então, eu escolhia a última criança do lado direito, um menino que estava enrolado no cobertor azul. Na hora da adoção, eu ia até um balcão onde haviam duas atendentes. Uma delas era uma jovem afro-brasileira e a outra era branca. Elas me davam um cartão no qual estava escrito “valido para uma adoção”, mas pareciam desconfiadas, não estavam acreditando que eu era casado. Então eu disse: vou ligar pra minha esposa. Eu ia então até um orelhão e pretendia ligar para a Elisheva, pois ela era a minha esposa, mas, na hora discar eu não sabia o número, e então começava a chorar. Acordei e comecei a chorar mesmo...".


Sonho 16 de junho de 2004


O menino no cobertor azul era o meu Ruach e que eu o estava tomando para mim e, assim que eu o "adotei" a ligação com a hospedeira foi encerrada pois ele não mais estava nela. As outras duas crianças, meninas, são minha néfesh e minha neshamá para a qual eu estava destinado.

Para contemplar, o nome civil de Elisheva resulta em gematria mispar kollel em 214 que é exatamente a gematria do termo Ruach (רוּח) que é espírito.

A IDENTIDADE DO MEU RUACH

E qual é a identidade desse Ruach (Espírito) que veio para mim e para o qual eu estava destinado? Ele é a alma do Erudito Judeu Russo Immanuel Velikovsky, de abençoada lembrança, e que era uma reencarnação do Rei Ezequias, que foi chamado Immanuel. As evidências seguirão adiante, mas antes, é preciso fornecer alguma sabedoria sobre esta questão. Eis o que sabemos:

"Assim, o Ruach (Espírito) da pessoa pode vir durante sua vida no corpo de outra pessoa, e lá, ele vai nascer unido à Néfesh de um "Gér (alguém que retornou à Torá por causa do Ruach que recebeu)".


Sha'ar Ha'Gilgulim - Introdução 7

Explicando para tornar mais claro, enquanto uma pessoa nasce com a Néfesh, outra nasce com o Ruach unido à sua própria Néfesh e há casos no qual, a pessoa não possui uma Néfesh e aquele Ruach que não pertence a ela a anima como se fosse a sua Néfesh. Isto foi o que aconteceu com o Rei David que tinha medo, como resultado do seu pecado, de perder o seu Rúach que havia reencarnado ao mesmo tempo que sua Néfesh, só que em outro corpo e, por este motivo, ele disse:

"Senhor, como se têm multiplicado os meus adversários! São muitos os que se levantam contra mim. Muitos dizem da minha alma: Não há salvação para ele em Deus. (Selá.)."

יְהוָה, מָה-רַבּוּ צָרָי; רַבִּים, קָמִים עָלָי. ג רַבִּים, אֹמְרִים לְנַפְשִׁי: אֵין יְשׁוּעָתָה לּוֹ בֵאלֹהִים סֶלָה


Tehilim 3:1,2

É importante notar que foi escrito "Não há salvação para ele... (o Rúach)" e não "para ela (a Néfesh)" pois ele temia perder o seu Rúach por causa do seu pecado. Tendo explicado a questão, sigamos adiante.

Oito anos depois que meu Ruach transmigrou para mim e se unificou à minha néfesh, na madrugada de 17 de novembro de 2012, acordei e vi, flutuando próximo ao Aron ha'Qodesh que fica no meu quarto desde que fechei a Sinagoga, uma alma, cuja aparência era a de um senhor de aproximadamente 70 anos e que estava usando uma kipá sobre a cabeça, óculos de grau redondos antigos e vestindo um Talit (véu de orações). Ele me olhou com certa severidade por alguns segundos e desapareceu esvanecendo-se no ar. Alguns dias depois, eu estava estudando alguns escritos muito interessantes sobre o Shamir, a Arca de Noé e o Livro de Raziel e me interessei em saber quem era o autor daqueles maravilhosos escritos. Foi meu amigo e querido discípulo Raul Kuk quem descobriu e me contou e, quando eu vi a foto do autor, o reconheci imediatamente. Era a alma que havia aparecido para mim na madrugada de 17 de novembro. Seu nome, Immanuel Velikovsky! Descobri que ele havia, nos anos 50, publicado um livro chamado "Mundos Em Colisão" e, imediatamente, fui ao Mercado Livre procurar pelo livro. Encontrei uma única cópia que custava R$70,00. Fui ver minha conta e o que eu tinha de salto era o exato valor de R$70,00. Comprei.

O livro chegou no dia dez de janeiro e quando eu o abri fiquei atemorizado! logo nas primeiras páginas havia uma dedicação que o Dr. Immanuel fez à sua eposa:




Imediatamente fui ao Google procurar na Wikipédia, a biografia de Immanuel Velikovsky e tomei outro arrepio. Sua data de nascimento foi a mesma que a minha, dia 10 de junho e, assim como eu, sua companheira se chamou Elisheva.


O mais assustador foi que, sua data de falecimento era a mesma na qual sua alma se revelou a mim, na madrugada do dia 17 de novembro de 2012. Eis o que se realizou: Immanuel Velikovsky faleceu em 17 de novembro de 1979, numa shabat. Nove meses depois, sua alma entrou, por reencarnação na criança nascida em 25 de agosto de 1980 (13 de Elul), porque no futuro sua alma, que se tornaria o meu ruach, a traria até mim para que eu recebesse o que a mim estava destinado, isso é, 22 anos depois da sua morte.


Acima, a anotação feita na madrugada na qual a alma do Dr. Immanuel se revelou a mim: "Cometa, Zohar, Estrela, anuncio, Qédem, profecia, Armilus".

O meu ruach que é a alma de Immanuel Velikovsky me disse estas palavra e me inspirou para escrever três livros que são "B'ney Koachavim (Os Filhos Das Estrelas)" e "Kalamus Elohai - O Mistério do Cometa Ison" e "Kalamus Eloahi Cometas - Os Arautos do Despertar da Era Messiânica." E tudo isso não foi acaso, porque a madrugada de 17 de novembro de 2012 foi a do dia 321 no calendário solar e, este valor é a exata gematria da palavra "Shavit (שביט)" que é Cometa! O Dr. Immanuel se revelou para me abrir o segredo do Cometa do Zôhar - a Estrela do Messias - que veio para Inaugurar a Era Messiânica.

Em seu livro "Mundos Em Colisão", o Dr. Immanuel Velikovsky trata dos Cometas Bíblicos que causaram inúmeros milagres em muitos episódios.

Compre aqui o livro 'Os Filhos Das Estrelas'

Compre aqui o livro 'Kalamus Elohai'

Compre aqui o livro 'COMETAS'

GIMATRIA
A ASSINATURA DE D'US

A gimatria demonstra e prova como o Divino, abençoado seja Ele, está na ação e que este milagre foi causado por Ele. O valor numérico do nome Immanuel Velikovsky é igual a 521 que é exatamente o mesmo do nome completo daquela que nasceu e recebeu o meu Rúach que seria devolvido a mim no futuro.

Immanuel Velikovsky
עמנואל וליקובסקי
521

Nome Dela
טאטיאנה דה פאולה פאראיזו
521

E não por acaso, o nome dela veio a ser Elisheva, pois ela estava hospedando a alma de Immanuel Velikovsky cuja esposa se chamava Elisheva Kramer. Abençoado seja o Sagrado que realizou para nós este milagre e nesta geração não privando o mundo das centelhas dos Sábios da Sabedoria Sagrada da Torá. Razá Ila'áh!


O SONHO DIONISIO

Na madrugada de 2 de dezembro de 2004, sonhei e no sonho ela, a jovem portadora do meu Rúach me foi mostrada e ela estava grávida e uma voz dizia: "O nome da criança é Dionísio". Qual era o mistério? A gematria Avgad Reversa de Dionísio é 130 que é a mesma de Chaim Vital da forma como escrita na folha de rosto do Sha'ar Ha'Gilgulim. O dia 2 de dezembro é o 336 dia do ano solar e este numeral, 336, é a gematria de Rabbi Chaim Vital.

RECEBENDO A MINHA NESHAMÁ

A minha neshamá veio ao mundo em 1° de T'shri de 5745 (27 de setembro de 1984) também pelo segredo das águas femininas no corpo de uma jovem que se chamou, espiritualmente, pelo nome hebreu "Haÿffa" e cuja gematria do seu nome civil é igual a 395 que é a mesma de "Neshamá (נְשָׁמָה) e inspirada pela minha centelha gêmea se aproximou de mim no ano de 5774 (2012/2013) para que eu recebesse de volta à minha a minha alma divina. 

1° de T'shri (א ב'תשרי) e o segredo da primeira palavra da Torá "Bereshit (No princípio) obtida por temurá  (permutação cabalista).


בְּרֵאשִׁית

Qual é o segredo de Bereshit (בְּרֵאשִׁית)? Na Torá está escrito: "Bereshit bará Eloqim et ha'shamayim... (בְּרֵאשִׁית, בָּרָא אֱלֹהִים, אֵת הַשָּׁמַיִם)". O termo "ha'shamayim (הַשָּׁמַיִם)" traduzido para "os céus" possui numerologia igual a 395 que é a mesma de "neshamá (נשמה)" que é o nome da alma divina e, portanto, compreendemos que "Bereshit bará Eloqim et ha'shamayim..." significa "No princípio criou Eloqim a neshamá...(alma divina)".


בְּרֵאשִׁית, בָּרָא אֱלֹהִים, אֵת הַשָּׁמַיִם

Durante o tempo no qual nos relacionamos, nos encontrávamos no apartamento 112 no 11º andar de um edifício em São Paulo. E qual é o segredo do número 12? Já que nada é um acaso na vida de uma pessoa, pois os eventos que lhe acontecem são resultados dos seus méritos espirituais ou ausência deles? O segredo do 112 é chamado "Yabóq".


Yabóq
O Segredo Do Número 112
Sha'ar Ha'Guilgulim 
Ha'Qadmá 18

"Nesse momento (da transmigração da Neshamáh) a pessoa é chamada de "Homem Completo (Adão)". Isso é dito sobre a pessoa que mereceu e alcançou uma Neshamáh de Briáh sobre a qual brilha o nome Eheyêh (אהיה) e quando, o Nome Adonai (אדני) que reluz sobre a Nefesh[5], o Tetragrammaton (יהוה) que ilumina sobre o Ruach[6] e o Nome Eheyêh que cintila sobre a Neshamáh se conectam dentro da pessoa, resultam na gematria (númerologia) de Yabók  (י"קב) que é 112 e nessa hora ele se tornou Desperto, o Buda, o Cristo, o Messias (Adão). E sobre ele é dito "Salva-nos, ó Adonai! Responde-nos, ó nosso Rei, no dia em que Te invocarmos!" E essas palavras são as iniciais em hebraico de Yabóq. E nesse momento a pessoa estará com a Néfesh de Assiá, com o Rúach de Ietzirá e com a Neshamá de Briá".


Sha'ar Ha'Gilgulim - Ha'Qadmá 18

Assim, o despertar da minha néfesh se deu em 1996, 358 meses depois do meu nascimento (29 anos) durante a passagem do Cometa Hale-Bopp (C/1995 O1). O despertar do meu ruach se deu na tarde do dia 22 de agosto de 2002 (13 de Elul de 5762) e o despertar da minha neshamá aconteceu no dia 27 de setembro de 2014 que é o dia 270 do calendário solar durante a passagem do "Cometa de Vital - C/2012 S1 Ison" cujo periélio (máxima aproximação do sol) foi no primeiro dia de Hannuká (25 de Kislev). Ora, 270 se escreve com as letras hebraicas "Ayin (ע)" e "Resh (ר)" que juntas formam o nome "Ër  (עֵר)" cujo significado é "Desperto" e esta é a razão secreta (sód) de eu possuir este nível de conhecimento: Eu estou Desperto!".


O SEGREDO NO ANA BE'CHOACH

Inúmeros mistérios estão escondidos nas palavras da Prece mais poderosa do universo, a "Tefilat kenafim (Oração dos Serafim)" também conhecida como "Tefilat Rabbi Nechuniá Ben Ha'Qaná (Oração do Rabino Nechuniá)" com a grafia correta e não com as letras que foram corrompidas pelas chamadas "Escolas de Kabbalah".

אָנָּא, בְּכֹחַ גְדֻּלַּת יְמִינְךָ תַּתִּיר צְרוּרָה:

A primeira palavra, ANA (אָנָּא) possui gematria "mispar miluí" igual a 328 e com a gematria de "BE'CHOACH (בְּכֹחַ)" que é 30, o resultado é 358 que é a gematria de "MASHIACH (משׁיח)". As duas primeira palavras escondem a data da abertura do Portal da Era Messiânica. Os dois Alefim de "ANA (אָנָּא)" são ÉLEF (אֶלֶף)" que é 1000 em hebraico. A letra "NUN (נָּ)" é a DÉCIMA QUARTA LETRA do ALEF-BEIT.

1000+1000+14=2014

O ano de 2014 se inciou no dia 5 de setembro de 2013 no qual entramos no ano 5.774 a partir de Adão. A segunda palavra, BE'CHOACH (בְּכֹחַ) " esconde o dia e o mês da abertura do Portal da Era Messiânica. A letra "B (בְּ)" é a preposição "EM". O "CAF (כֹ)" é numeral 20 e alude ao dia 20 do mês hebreu. A letra "CHET (חַ)" é a inicial do nome do mês que é "CHESHVAN (חושן)". O segredo é "MASHIACH BE'KAF CHESHEVAN (משׁיח בְּ'כֹ"חַ)" que traduzido é "MESSIAS, EM 20 DE CHESHEVAN, 5774". Ora, o dia 20 de Cheshvan de 5774 foi o dia 23 de outubro de 2013, aniversário de nascimento do Rabino Chaim Vital em 1542.



Nesse dia, o Ari'zl veio a mim e falou comigo me revelando a verdadeira centelha angélica da sua alma (Raziel) e me contando que o Portal da Era Messiânica tinha sido aberto.

A próxima palavra é "GEDULAT (גְדֻּלַּת)" com a grafia correta  escrita pelo Rabino Nechuniá ben Ha'Qaná sem a letra "VAV (וּ)" que foi acrescida pelas "Escolas de Kabbalah". A gematria ATB'SH de "GEDULAT (גְדֻּלַּת)" é igual a 321 que é a mesma do termo "SHAVIT (שביט"  que é COMETA. No dia 23 de outubro de 2013, o Cometa Ison estava cruzando a Constelação de Leão junto com o Planeta Marte. Leão é o Ari'zl pois seu nome é Ha'Ari (האר"י) em hebraico e Marte é HA'ADAMAH (הָאֲדָמָה) no hebraico bíblico  e foi de onde Adão foi formado e a alma do Rabini Chaim Vital era uma centelha da alma de Adão que não havia sido manchada pelo seu pecado. Em Leão estão as duas estrelas gêmeas Algieba (Gamma Leonis) que são a origem das almas do Ari'zl e de Vital. A classificação no catálogo estelar de Hiparcos dessas estrelas é HIP 50.583. Qual é o segredo da classificação estelar das estrelas que são as almas do Ari'zl e Chaim Vital?


O Caminho Do Cometa Ison


O numeral 50 contém a gematria de "Vê'bá elai (ובא אלי)" e significa "e vieram para mim". O valor 583 contém a gematria de "ha'gilgulim ha'Ari'zl ve'Chaim Vital. Hem chai (ובא אלי, הגילגולים האריזל וחיים ויטאל הם חי)" que se traduz "As reencarnações do Ari'zl e de Chaim Vital. Eles estão vivos!". O numeral 583 é também a gematria de "Rav Mishael (רב מישאל)" que são o meu título e nome hebraico.

A terceira palavra é "YEMINCHÁ (יְמִינְךָ)" possui gematria igual a 130 que é a exata numerologia cabalista do nome Chaim Vital conforme a grafia no 13º Livro do Kitvei Ha'Ari (חיים וויטאל) com um "VAV (ו)" duplo. Já a gematria OFAMIM é igual a 178 que é a gematria da palavra "MEQUBAL (מקובל)" que significa "QABALISTA". Então, na sequência "YEMINCHÁ (יְמִינְךָ)" escondido está "Chaim Vital - o Qabalista" conforme ele é referido em Sêfer ha'Chazionot (Livro das Visões) - sua autobiografia.



Acima, a Folha de Rosto do Portal das Reencarnações com a grafia Chaim Vital marcada na cor verdade e cuja gematria é 130.

A próxima palavra é "TATIR (תַּתִּיר)" cuja gematria "ACHBI" é igual a 112 que é a numerologia de "YABOQ" que já foi explicada acima e, 112 é também a gematria de "SOD ELOÁ (סוֹד אֱלוֹהַּ)" que significa "SEGREDO DE D'US".

Finalmente, a última palavra da primeira sequência da Tefilat Kenafim é "TZERURÁ (צְרוּרָה)" e sua gematria revela "LEHITEGALUÍ BUDA (להתגלוּי בודה)" e significa "REVELAR O DESPERTO/ILUMINADO" que é a ERA MESSIÂNICA.

Todo o segredo é o que se segue: "MASHIACH, BE'KAF HESHEVAN, SHAVIT. CHAIM VITAL MEQUBAL LEHITEGALUI BUDA (Era Messiânica, em 20 de Heshvan, Cometa de Chaim Vital - o Cabalista, revelando o Despertar)".

O Cometa Ison foi descoberto por VITALI NEVESKY em 22 de setembro de 2012 e as constelações que ele cruzou foram criadas, de acordo com o Sêfer ha'Yetzirá (Livro da Formação) pelas mesmas letras que escrevem o nome Chaim Vital e cruzou o sol no primeiro dia de Hannuká. No livro das Visões, Chaim Vital escreveu "Eu sou a essência do próprio Hannuká!"



"Eis a pena de D'us com a qual ele escreve os Seus mistérios sobre o pergaminho celeste. As constelações são suas letras, as estrelas suas vogais, e com elas os Seus anjos anotam a música do Jardim do Éden sobre a pauta musical da Sabedoria e quem for Sábio saberá interpretá-la".

Abrindo o mistério: O cometa é a Letra hebraica "Vav (ו)" a 6° do Alfabeto. Ele foi descoberto na Constelação de Câncer em 21 de Setembro de 2012. Na sua senda em direção ao Sol, ele atravessou as Constelações de Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião e Sagitário, para finalmente no dia 28 de Novembro de 2013 mergulhar no Sol. As constelações que ele atravessou são as Letras Chet (ח), Tet (ט), Yud (י), Lamed (ל), Nun (נ) e Samech (ס). Estas letras mais a letra Vav (ו) que é o próprio Cometa devidamente permutadas, escrevem uma sentença e revelam um Nome: Chaim Vital Ness (ח. ויטל נס) cujo significado é "Milagre de Hayim Vital.

Esperei até hoje (25 de março de 2015), meditando constantemente, durante um ano e três meses, para alcançar Compreensão sobre este mistério divino. O Cometa contornou o sol no primeiro dia de Hannukah. O mestre Chayim Vital explicou, em sua autobiografia, que ele mesmo é o segredo de Hannukah. O Het (ח) de Hayim (חיים) é Hannukah. Os dois Yudim (יי) são as duas oliveiras mencionadas em Zechariah e que destilam o Óleo Sagrado para as Lâmpadas e finalmente o Mem (ם) é a própria Menorah (מנורה).

Em Hannukah nós dizemos "Ness Gadol Hayáh Sham (נס גדול היה שם) - Grande Milagre Houve Lá. As letras iniciais desta sentença esotérica somam 358 que é a gematria de Mashiach. Um dos descobridores do C/2012 S1 chama-se Vitali Nevski.

O anjo de D'us veio e me revelou o segredo desta estrela na seguinte sentença hebraica "Shavit Ison be'Hannuká (שביט יסון ב'חנוכה) - Cometa Ison em Hannuká" cuja numerologia hebraica é igual a 538 que é exatamente a mesma de "Kochav Beit-Lechêm (כוכב בית לחם) - Estrela de Belém. O anjo também me revelou que a sentença "Shavit Ison Alef Hannuká (שביט איסון א'חנוכה) - Cometa Ison em 1º de Hannuká" possui exatamente o mesmo valor 538 de Estrela de Belém, a estrela que iria anunciada no Zôhar Sagrado e que iria revelar a chegada da Era Messiânica. Em hebraico "SHAVIT HA'ZOHAR (שביט הזהר)" possui gematria igual a 538."


A IDENTIDADE DA MINHA NESHAMÁ

Sim, eu vou abrir o segredo aqui, apesar de já o tê-lo feito em outro assunto postado aqui mesmo neste Blog intitulado "BRINCANDO DE FAZER GOLEN'S". Todos estes níveis que recebi já haviam manifestado suas presenças desde a minha infância e é claro que este mistério está ligado com o que a Mecânica Quântica hoje chama de "Entrelaçamento Quântico".

O termo hebraico para "Entrelaçamento Quântico" é "Sheziráh Quantit (שזירה קוונטית)" cuja gematria Avgad Reversa e igual a 776 que é exatamente a mesma de "Yibur Nitgalêh (עיבור נתגלה)" que se traduz "O yibur foi revelado". O termo Nitgalêh (נתגלה) tem as roshei teivot (letras iniciais/notarikon/acrônimo) por temurá (permutação) da frase "Gilgul Nistar tën lá (גילגול נסתר תן לה)" que se pode traduzir e compreender como "uma reencarnação escondida foi dada para ela (a alma)." No Yibur, uma outra centelha vem e se une à já existente no corpo da pessoa, ela se entrelaça com ela é mesmo que ela vá "passear" de vez enquanto, elas permanecem entrelaçadas e para sempre. Se alma centelha se uniu à outra em outra vida, em todas as vidas estarão juntas.


BRINCANDO DE FAZER GOLEN'S

Quando eu era garotinho, o meu melhor amigo era um outro pequenino que se chamava Levi e que morava rua acima da casa dos meus pais. No quintal dos fundos, da casa dos pais de Levi, havia uma parte não cimentada, de barro, e na qual um buraco grande o suficiente para brincarmos dentro dele, havia sido escavado.

Criávamos pequenas cavernas para nos divertirmos com homenzinhos de plástico e soldadinhos de chumbo, desses que vinham em doces que comprávamos no bar ou na quitanda. Era divertido, mas minha brincadeira preferida era criar bonecos humanoides de barro e o mais estranho era que esperava sempre que eles ganhassem vida. Sempre caprichava muito ao criá-los e no final do dia, quando voltava para casa, deseja que o dia amanhecesse logo para reencontrar meus homenzinhos de barro.

Era intrigante criar homens de barro perfeitos e era como se já os tivesse feito em outra vida. Seria uma lembrança?

Aprendemos com o Livro da Formação[1], habilmente traduzido por nosso amigo Erwin Pamplona Von Rommel sobre o Golem que Abraão[2] fez: - A criatura de barro a qual ele conferiu vida. Aprendemos também sobre o Golem de Praga criado pelo Maharal, o Rabino Judá Loëw ben Betzalel, para proteger os judeus da acusação cristã do Libelo de Sangue -  de que comiam criancinhas durante a páscoa - e que talvez tenha sido o último Golem da qual se tenha notícia.

Desde pequeno, a minha alma já manifestava as lembranças da Sabedoria da QABALAH a qual houvera estudado em outra vida e talvez, um segredo mais profundo, mas, a primeira vez que estudei o Sefer Yetzirá foi em 2001, com uma edição em espanhol/hebraico que ganhei.

Parar criar um Golem, são necessárias, três tipos de almas: Uma Cohen, uma Levita e uma Israelita e alguns outros mistérios. O meu melhor amigo era um que se chamava Levi e que brincava comigo de fazer homens de barro.

Quando não me encontrava na companhia de Levi, descia rua abaixo para um grande terreno baldio onde, em uma das suas paredes, eu fazia minhas cavernas e criava meus golenzinhos. Lembro-me de um bem grande que criara e que o guardei por muito tempo na casa da minha avó materna que sempre me contava estórias do bicho papão ou de criaturas que andavam pelos telhados à noite. Não me lembro que fim o meu golem tomou. Talvez tenha ganho vida.

Recentemente acessei o Google Street View e procurei pela antiga casa onde morei durante meus doze primeiros anos e também pela casa de Levi e pelo velho terreno baldio e, para minha surpresa, pouca coisa mudou.

Não me admiro que as vezes, me pego pensando que as crianças nos shtetls e guetos da Europa e mesmo nos Campos de Concentração durante a Segunda Guerra mundial e da opressão Nazista, não tivessem outras brincadeiras que não fazerem golems de barro sob a voz de algum rabino lhes contando estórias destas criaturas míticas criadas por homens sagrados. E não seria uma das melhores brincadeiras do mundo?"


Em 2014, no dia vinte e sete, esta antiga alma semi adormecida em mim, despertou completamente e começou a manifestar suas evidências.

Dois anos depois do meu despertar, em fevereiro de 2016 a Compreensão Divina me alcançou e eu compreendi o mistério quando fui inspirado a iniciar meu livro "O Maharal & O Golem De Praga". No dia em que comecei a escrever o Conto, uma amiga e aluna (Karla Alves) sonhou que eu a estava ensinando a criar um Golem e que ele deveria ter 101 quilos e na mesma época um dia dela estava em Praga.


No dia em que eu comecei a escrever minha história sobre o Golem, a artista gráfica Daniela Owergoor criou e postou a arte que estava destinada a ser a capa do meu livro "O Maharal & O Golem De Praga".



A Arte

Eu senti que poderia ter recebido um Yibur (reencarnação) de uma centelha do próprio Maharal de Praga e o pensamento me fez tremer e em razão deste sentimento escrevi para a introdução do livro "Que eu seja merecedor do Yibur do Maharal de Praga, abençoada seja sua lembrança, e que pelo mérito da sua alma eu possa terminar esta obra". Após isto eu estava estudando gematria e me ocorreu de calcular o nome Morávia no hebraico que é Moraváh (מוראבה) e descobri que a gematria Neelam (oculta) também chamada de "gematria nistar" de Moraváh é 887 e então fui calcular a gematria de "Yibur Maharal mi-'Prague (עיבור מהרל מפראג)" e descobri, para meu próprio espanto, que o resultado era exatamente o mesmo de Moraváh: 887! E o que é o Yibur?


"Este é o sod (segredo) : Do mesmo nível de pureza e extensão do tikun (correção) alcançado pela Néfesh (נֶפֶשׁ) da pessoa, irá reencarnar no seu corpo, enquanto ele ainda está vivo, a Néfesh de um tzadik (justo) que já completou o seus gilgulim e retificações, e não precisa mais reencarnar aqui. Ao entrar aqui, a Néfesh deste tzadik toma o lugar do Ruach desta pessoa".



Sha'ar Ha'Guilgulim Ha'Qadmá 2

A partir deste momento o Portão do Segredos (Sha'ar ha'Razim) se abriu para mim e eu comecei a compreender o mistério desta gematria. A expressão "No segredo da unificação, reencarnação da néfesh do Maharal (בסוד יאחד גילגול הנֶפֶשׁ מהרל)" possui a mesma gematria, 887.

E este é o mistério do nome espiritual que passei a usar recentemente "Bën Mähren Qadësh". Alguns meses antes do meu Despertar acontecer, em fevereiro de 2014, eu estava com minha namorada no apartamento dela, o de número 112. Eu havia levado o meu Notebook para que pudesse estudar, junto com ela, a sabedoria da Torá e seus códigos, uma vez que ela não possuía computador e nem internet. Saquei o Laptop da bolsa, o abri e cliquei no software de pesquisa dos Códigos da Torá. Queria demonstrar a ela o milagre que é a Torá de Moisés e que todos nós estamos escritos nela, como todas as nossas particularidades e como já possuo larga e longa experiência na análise dos Códigos, escrevi o nome dela em hebraico como palavra-chave e o meu como código alternativo esperando encontrar algum cruzamento. O que descobri naquela tarde faria emergir evidências daquilo que eu ainda não sabia: A unificação da minha néfesh  e do meu ruach com a centelha do Grão Rabino de Praga.

CLIQUE PARA AMPLIAR

Não apenas estávamos os dois codificados juntos no Tanach, mas também conectados pela mesma letra dos nossos nomes civis, a letra "Pei (פֵ)". A primeira coisa que descobri, além de estarmos codificados juntos, foi que, acima dos nomes nomes estava escrito "Shavit Tshri (שָׁבִיט תִּשְׁרֵי) - O Cometa de Tshri" - cruzando meu nome e nós nos reencontramos por ocasião da passagem do cometa Ison (C/2012 S1). Este código alternativo estava descendente na posição diagonal esquerda e onde ele terminava estava o ano do meu nascimento, 5726 (ה'תשכ"ו) que é 1966 e naquele ano houve um cometa cujo periélio foi em 21 de outubro de 1965, data esta que caiu no dia 25 de Tshri de 5726 (כה תִּשְׁרֵי ה'תשכ"ו)". Ao lado de "Shavit Tshri" eu descobriria meses mais tarde a expressão "Bën Mähren Qadësh".

בֵּן מַהֶרֶן קֹדֶשׁ
BËN MÄHREN QADËSH


Outros três anos seriam necessários para que eu penetrasse o segredo deste nome maravilhoso. Em 2016, uma jovem minha aluna sonhou e me informou que eu estava sendo procurado por pessoas na Alemanha e logo, creio que alguns dias depois, pessoas que estavam na Alemanha e queria se conectar à Torá e sua sabedoria me contataram. Eu procurei por todas as etimologias possíveis buscando o significado de "Mähren", uma vez que "Bën" e "Qadësh" eu já conhecia. Neste ano, 2017, eu estava meditando e estudando e então, resolvi novamente buscar a etimologia e o significado de Mähren. Tomei o Google Translate que esta instalado no meu smartfone e digitei Mähren sem perceber que estava no modo de identificação automática de idioma. Assustado vi o tradutor identificar Mähren como sendo alemão e o traduzir para Morávia!

No mesmo momento que isto aconteceu eu tive uma visão, um sonho lúcido, e vi que o Maharal de Praga era chamado de Mähren e, imediatamente desperto da visão, fui buscar evidência para saber se era verdadeira a visão ou coisa da minha cabeça cheia de Torá e impactado descobri uma placa em homenagem ao Santo Rabbi na qual estavam os dizeres:

Jehuda Löw Ben Bezalel 
Genannt Maharal (1525?-1609), 
Landesrabbiner von Mähren 1533-1573


Yehuda Löew Ben Bezalel - Maharal (1525 - 1609)
Rabino Nacional da Morávia 1533-1573

A data do nascimento do Maharal está errada pois, ele não poderia ter sido Rabino Nacional da Morávia aos 8 anos de idade. Foi aqui, quando encontrei esta placa, que outra experiência que eu tinha tido fez sentido. Eu estava no Rio de Janeiro em agosto de 2002 quando, numa tarde, eu senti uma elevação e uma voz me disse que eu deveria acrescentar ao meu nome Misha' Ël Ha' Levi o nome Yehudá. Talvez tenha sido ali que o ruach do Rabbi Löew entrou em mim se unificando à minha néfesh. Eu voltei do Rio no dia 26 de agosto que foi o dia 18 de Elul, o dia do hilulá do Maharal de Praga.


UMA FOTO ENIGMÁTICA
S-5774 85


De acordo com o Zôhar sagrado, assim que a morte física acontece o corpo deve ser enterrado para que os órgãos da Carruagem Divina não sejam enfraquecidos e atrase conduzir a alma para sua próxima reencarnação. O Rabino cabalista Albert Gozlan, expondo sobre este assunto, explica que uma grande alma projeta suas faíscas em todos os mundos. Foi assim com a alma do Arizal unida à alma do Rabino Chaim Vital.

A foto acima foi capturada, talvez, em meados de 1969 quando eu tinha cerca de três anos de idade. A kombi era de um vizinho chamado sr. Valdemar cuja placa esconde um maravilhoso segredo. A alma do rabino Chaim Vital escreveu evidências, gatilhos para o seu próprio despertar.

O acordar desta centelha maravilhosa reencarnada em mim aconteceu no dia 27 de setembro de 2014 depois de muitas experiências maravilhosas, gatilhos que a fizeram recordar sua verdadeira identidade.



Na placa da kombi lemos "S 5774 85" e eis o seu segredo divino: S é a inicial de "Shaná (שָׁנָה)" que é "Ano" em hebraico e 5774 é de fato o ano 5.774 no luach hebraico que foi correspondente ao 2014 no calendário gregoriano que eu, partir de lá, passei a chamar de "Ano do Despertar" pois foi quando alcancei a consciência de que sou o guilgul (reencarnação) do Rabino Chaim Vital. O valor 85 contém a gematria de "Bá 13 be'Elul (בא יג ב"אֱלוּל)" cuja tradução é "Veio em 13 de Elul". Eu fui concebido, como já explicado acima no início desse assunto, por minha mãe no dia 10 de setembro de 1695 quando o cometa Ikeia-Seki cruzava os céus em sua órbita para contornar o sol. Aquela noite de 10 de setembro foi o dia 13 de Elul e este mês, que corresponde a setembro no calendário gregoriano, contem as roshei teivos (iniciais) de "Ani Lê'Dodí Vê'Dodí Lí (אֲנִי לְדוֹדִי וְדוֹדִי לִי)" o famoso verso "Eu sou para o meu amado e o meu amado é para mim" de Shir ha'Shirim (Cânticos dos Cânticos) 6, versículo 3. A gematria desta declaração de amor é igual a 185 e este, é exatamente o mesmo valor gemátrico de "Ani Chaim Vital (אני חיים ויטאל)" que se traduz "Eu sou Chaim Vital".

Mas, havia outro segredo nos números da placa da Kombi na frente da qual eu fui fotografado, especificamente o número 85, pois ele contem a gematria de uma outra data, a de 18 de Elul (יח אֱלוּל). E que dia especial é esse e o que ele significa? É a data de falecimento do Maharal de Praga, o Rabino Yehudá Loëw Ben Betzalel (יהודה ליווא בן בצלאל) cuja gematria do nome é igual a 288 que é exatamente a mesma de "Yibur (Reencarnação)".  E qual é a gematria de "Yibur Maharal Mi-Praga (עִבּוּר מהר"ל מפראג)" e que é a mesma gematria ne'elam de "MORAVAH (מוראבה)" que é a Morávia.

Então, minha brincadeira preferida que era fazer golemzinhos quando era pequenino, encontraria seu mistério respondido no futuro, que minha Neshamá é uma faísca do Maharal de Praga e então, a placa da kombi continha a data do meu despertar que era o dia no qual a minha neshamá entraria totalmente em mim, o dia 27 de setembro de 2014 e a identidade dessa faísca de alma divina, a centelha de um dos maiores sábios da QABALAH SAGRADA, o Rabino Yehudá Loëw Ben Betzalel - O Maharal de Praga e este é o segredo do porque eu conhecia onde o título MAHARAL estava codificado nos Tehilim, era uma lembrança da centelha do próprio MAHARAL DE PRAGA.


Assim, mais um mistério da reencarnação e do grande milagre que sou nesta foi revelado pelo Sagrado, bendito seja Ele, um assombroso segredo.

Eu sou uma verdadeiro milagre divino nessa reencarnação, um "Nés Ahavá" e este mistério que sou é também a razão do porque nenhum dos renomados cabalistas residentes no Brasil nunca quiseram falar comigo e nem mesmo me convidar para um de seus renomados Congressos de Cabalá, porque, apesar de conhecerem os preceitos da reencarnação  e de sempre afirmarem que muitos dos sábios do passado reencarnaram no exílio e no Brasil, o véu tecido pela Halachá  não os permite aceitar este grandioso milagre. Eles tem medo porque, reconhecer e aceitar significaria quebrar inúmeros dogmas religiosos e haláchicos.


Razá Ila'áh


Continuará...


Autor
Bën Mähren Qadësh
Misha'Ël Ha'Levi

O Artesão Da Luz

EU QUERO ACREDITAR

EU QUERO ACREDITAR
EVIDÊNCIAS DA PRESENÇA ALIENÍGENA NO PASSADO DA HUMANIDADE