Projeto Jardim Do Éden

Projeto Jardim Do Éden
A Associação Qabalista Mundial – Gará Kulam Moshav, na voz do seu fundador e presidente Misha´El Yehuda ben Yisrael, lançou, em 2006, o “Projeto Jardim do Éden” cuja intenção era conseguir a doação, empréstimo ou mesmo arrecadar fundos para a compra de um Sitio ou Chácara onde será instalada a sede da sua Comunidade Mística, o Centro Brasileiro de Estudos da Qabalá. Clique na imagem, conheça o projeto e faça uma doação.

EU QUERO ACREDITAR

EU QUERO ACREDITAR
CRIPTO-EVIDÊNCIAS DA PRESENÇA ALIENÍGENA NO PASSADO DA HUMANIDADE

Os Verdadeiros Anunnki

Os Verdadeiros Anunnki
A verdade jamais revelada sobre os Anunnaki

Novo Livro

Novo Livro
Duna - Uma Experiência Verdadeira

Os Ecos De Enoch

Os Ecos De Enoch
Página dedicada à criação online da Obra "Os Ecos De Enoch"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"
Apresentado entre agosto e novembro de 2015. Clique na imagem!

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

413: Um Selo Sobre A Reencarnação



Recebendo O Meu Rúach

“A gematria expressa e manifesta o pensamento de D’us. Portanto, é correto dizer que D'us está na matemática e que ela é também o idioma divino."

Bën Mähren Qadësh

Gematria: é um código alfanumérico de atribuição de um valor numérico a um nome, palavra ou frase com base nas suas letras hebraicas. Uma única palavra pode gerar vários valores, dependendo da cifra usada. Por exemplo, a primeira palavra da Torá é “Bereshit (בראשית)” no versículo “Bereshit bará Elohim et há’shamayim ve’et há’aretz (No princípio criou Elohim os céus e a terra) e cuja gematria é igual a 613 e que, então, pode ser substituída por outra de igual numerologia e, com isso, fará abrir outros segredos escondidos na Torát Nistar (Torá Oculta). Uma expressão com gematria equivalente à da palavra Bereshit (No princípio) é “Hitbodedut Elohim (התבודדות אלהים)” revelando, desta forma, a maneira que Elohim usou para criar o universo. O termo “Hitbodedut” significa “Meditação” e ao aplicarmos a substituição pela gematria equivalente descobrimos “Hitbodedut Elohim bará Elohim et há’shamayim ve’et há’aretz (התבודדות אלהים ברא אלהים את השמים ואת הארץ) – Com meditação divina criou Elohim os céus e a terra.” Assim, todos os mistérios do universo, do mundo, da alma e da vida podem ser revelados e explicados com o uso da gematria.

Já foi explicado em diversos artigos aqui no blog, publicações no Facebook e nos meus livros que a alma tem cinco nomes. Esses são:

Néfesh, Rúach, Neshamá, Chayá e Yechidá

Cada um desses níveis está atado a cada um dos cinco mundos da Árvore das Vidas e do corpo divino de Adam há’Rishon (Homem Primordial). Néfesh ao mundo de Assyá (mundo da realização). Rúach, ao mundo de Yetzirá (Formação). Neshamá, ao mundo de Briá (Criação). Chayá, ao mundo da Emanação (Atzilut) e, finalmente Yechidá à coroa da Árvore das Vidas, o mais elevado de todos os mundos e ao Sagrado, Ele mesmo, bendito seja.

Quando uma pessoa vem ao mundo, ela recebe uma Néfesh. Em uma segunda reencarnação, ela recebe, se mérito tiver criando em sua primeira encarnação, o nível de Rúach e, em uma terceira reencarnação se mérito tiver adquirido, o terceiro nível de Neshamá e, se continuar trabalhando espiritualmente realizando as Mitzvot (Preceitos da Torá), Estudo e kavanot (meditações) da Torá Ne’elam (Torá Escondida) e Estudo e meditações com o Zôhar Sagrado, ela poderá adquirir os outros dois níveis restantes. Um exemplo de pessoas que alcançaram todos os níveis são Daniel e seus três amigos Chananiá, Misha’ël e Azariáh que, mesmo sendo lançados na fornalha ardente, não sofreram qualquer dano, pois haviam alcançado e adquirido todos os cinco níveis da alma.

As vezes, até que a pessoa possa merecer o seu rúach, terá que passar por muitas reencarnações até que todos as tiqunim (correções) do mundo de Assyáh, sejam realizadas. Talvez ela tenha que voltar ao mundo atravessando muitas épocas até que chegue o tempo que venha para receber o seu rúach (espírito).

A REVELAÇÃO

Manhã de 22 de setembro de 2019, acordei, recitei as kavanot da aurora e me levantei. Chamei um Uber para a minha mãe e voltei para completar o despertar. Enquanto tomava meu banho, meditava com mantras budistas entoados na voz de Lex Von Someren, dentre eles, o meu mais preferido que é Balinéia.

Higienizado o corpo, ungido com óleos essenciais, me sentei na cama e continuei a meditação para só então, dirigir-me à cozinha com intenção de preparar o meu café da manhã, claro, mantendo a mente meditativa.

Coei o café, preparei meu prato com banana, aveia e pasta de amendoim e vim para o quarto e, enquanto me alimentava tomando meu delicioso café me veio, à mente, a expressão “Qol Há’Tzerufim (קול הצרופים)” cujo significado é “A Voz Das Permutações.”

Enquanto eu considerava o emergir da voz interior me instruindo, uma matriz antiga do Código de Qohelet me voltou à memória e com ela a gematria 413 e junto veio a revelação, pois, 413 é a gematria Avgad Reversa de “Qol Há’Tzerufim.”

Este valor numerologico cabalista me é por demais apreciado e começou a ser manifestar na minha vida há dezessete anos, quando Elisheva surgiu na nossa K’nesset Eliahu no final de 2001 trazida por uma das primeiras famílias que vieram para frequentar a Qehilá, a família Schminsky, da qual, no futuro, também seria, desferido, contra minha vida, o punhal da traição, ao qual eu já estava destinado. Elisheva possui gematria igual a 413.

Novamente e, pela enésima vez, me pus a calcular a gematria do valor 413 e desta vez, a maior de todas as aberturas místicas se realizou e a revelação se manifestou:


A transliteração da frase acima é “Baú elav gal Velikovsky” que se traduz “Veio para revelar Velikovsky” e cuja gematria é exatamente 413, a mesma do nome Elisheva.

Como explicado acima neste mesmo capítulo, o Dr. Immanuel Velikovsky, nascido no mesmo dia e mês que eu nasci, era o esposo de Elisheva Kramer e eu, no futuro estava destinado também a uma Elisheva e, como explicado, o rúach de Immanuel Velikovsky, entrou, pelo portal do nascimento, na jovem, nascida no mesmo dia e mês que eu fui concebido no calendário hebraico, ou seja, em 13 de Elul, com destino a mim no futuro e, portanto, era inevitável que Elisheva fosse trazida a mim no final de 2001 para que eu recebesse o que a mim pertence, o meu segundo nível de alma, o meu rúach.

Já expliquei que, a gematria de “Rúach Immanuel (רוח עמנו-אל)” é exatamente 413, o que demonstra e evidencia a manifestação do divino na minha vida e o poder de realizar e estudar Torá neste mundo e na Academia Celestial.

No corpo de Elisheva descansava o rúach de Immanuel Velikovsky que estava destinado a mim para ser o meu segundo nível de alma. Era inevitável o nosso encontro e nossa relação amorosa e por isso uma aura poderosa se manifestava sempre que estávamos juntos. A medida que a relação se intensificava, as centelhas do espírito de Immanuel transmigravam para o meu corpo de acordo com o segredo do Yibur explicado pelo Arizal e compilado em Sha’ar Há’Gilgulim pelo Rabino Chaim Vital de quem eu também sou uma reencarnação. Lembrando que o Rabino Vital era uma reencarnação da alma de Chizkiyahu Mélech Yehudá que reencarnou depois em Immanuel Velikovsky e, finalmente, em mim.

 667
O Verdadeiro Gurú

Gurú: Professor espiritual, especialmente, aquele que inicia uma pessoa no caminho da Sabedoria espiritual. Na tradição cabalista, Rabbi (רבי).

Foi o Arizal (Rabbi Itzchaq Lúria) quem revelou ao rabino Chaim Vital, de abençoada lembrança, que ele havia recebido a alma do Rei Ezequias por Yibur durante uma shabat em 1572, quando ele viu, escrito na testa de Vital, as palavras de Rabban Yochanan Ben Zaccai que ele proferiu quando estava para morrer: “Preparem uma cadeira para o Rei Ezequias, ele está vindo (הכינו כסא לחזקיהו מלך יהודה שבא).” Em 2016, eu tive um sonho e nele, fui levado à Academia Celestial e lá, os mestres da Toráh me disseram em uníssono estas palavras de Rabban Yochanan me mostrando, ao mesmo tempo, as mesmas escritas em Sha’ar Há’Gilgulim (Portal das Reencarnações) me informando também, que havia nelas, um segredo de gematria. O valor numerologico destas palavras proferidas por nosso mestre Yochanan Ben Zaccai é igual a 761 que corresponde à gematria do ano 761 que correspondeu ao ano 2001 no calendário solar gregoriano. Foi naquele ano que ascendi novamente, nesta reencarnação, ao nível de rabino.

Quando fui ordenado Rabino novamente nesta vida e recebi minha semichá espiritual da alma do nosso mestre, o Arizal, passei a ser chamado, por inspiração divina, de Rav Misha’Ël (רב מישאל) cuja gematria é igual a 583 e esta, é a mesma da expressão “Paulo, hú le’gilgul rabbi Chaim Vital (פאולו הוא לגילגול רבי חיים ויטאל)” cuja tradução é “Paulo, ele é a reencarnação do Rabino Chaim Vital.” Meu nome civil, Paulo, possui a mesma gematria de Chaim Vital que é 123.

“Os filhos de Belém: 123”
Ezra 2:21

Em Shoferim (Juízes) capítulo 19, nos encontramos as palavras “el-Beith Lechem (אל-בית לחם)” que se traduzem como “para Beith Lechem (para Belém)” e cuja gematria é exatamente igual a 583. Eu nasci na maternidade do Belenzinho, no distrito do Belém, em São Paulo, em 10 de junho de 1966 e minha mãe me chamou Paulo (123). O Rabino Chaim Vital cuja gematria é igual a 123, nasceu na aldeia de Safed, norte de Israel, em 23 de outubro de 1542 e faleceu no dia 23 de abril de 1620. A expressão “Yavô Tz’fat (יבא צפת)” que se traduz “Virá de Safed” possui gematria igual a 583. Este valor era também o número da casa na qual nossa Sinagoga estava estabelecida pela qual o contrato de aluguel foi assinado no dia 23 de abril de 2001 com vencimento no dia 23 de outubro de 2003.

A mensagem do 583? "Virá de Safed para Belém (יבא צפת אל-בית לחם)" evidenciando que a centelha de alma que se tornaria a minha "néfesh ha'eloqit (נפש האלוהית)" viria de Safed, Israel, para Belém, São Paulo e se manifestaria quando eu completasse 35 anos e pisasse os pés na casa número 583, na Vila Amorim, em Suzano, no dia 23 de abril de 2001, dia do falecimento do rabino Chaim Vital, que nasceu em Saféd em 1542.

A gematria Avgad Reversa de Rúach Immanuel é 667 que é exatamente a mesma numerologia cabalística de Rabbi Itzchaq Lúria (רבי יצחק לוריא). O Arizal, como ele mesmo revelou, veio ao mundo apenas para guiar o Rabino Chaim Vital ao Despertar da sua própria alma e revelar a ele quem ele realmente era.  A expressão “Yada yavô Tz’fat (ידע יבא צפת)” que se traduz “O conhecimento virá de Safed” possui gematria igual a 667 que é a mesma de Rabbi Itzchaq Lúria.  A mesma numerologia cabalista é a gematria de “Gilgul yavô be’Tz’fat (גילגול יבא בצפת)” cuja tradução é “A reencarnação virá de Safed.”

Outra importante expressão reveladora que possui a mesma gematria de Rabbi Itzchaq Lúria que é 667 é a expressão “Gilgul be’yibur be’NaRaN (גלגול בעיבור בנרן)” cuja tradução é “Reencarnação por Yibur de NaRaN”. NaRaN é o segredo de Néfesh, Rúach e Neshamá recebidas por Yibur, conforme a expressão indica e evidencia por sua gematria que é 667, a numerologia cabalística do autor do Sha’ar Há’Gilgulim (Portal das Reencarnações), o Rabbi Itzchaq Lúria, no qual estes níveis são mencionados e explicados.

Continuará...


Autor
Bën Mähren Qadësh
Misha'Ël Ha'Levi


O Artesão Da Luz