Projeto Jardim Do Éden

Projeto Jardim Do Éden
A Associação Qabalista Mundial – Gará Kulam Moshav, na voz do seu fundador e presidente Misha´El Yehuda ben Yisrael, lançou, em 2006, o “Projeto Jardim do Éden” cuja intenção era conseguir a doação, empréstimo ou mesmo arrecadar fundos para a compra de um Sitio ou Chácara onde será instalada a sede da sua Comunidade Mística, o Centro Brasileiro de Estudos da Qabalá. Clique na imagem, conheça o projeto e faça uma doação.

EU QUERO ACREDITAR

EU QUERO ACREDITAR
CRIPTO-EVIDÊNCIAS DA PRESENÇA ALIENÍGENA NO PASSADO DA HUMANIDADE

Os Verdadeiros Anunnki

Os Verdadeiros Anunnki
A verdade jamais revelada sobre os Anunnaki

Novo Livro

Novo Livro
Duna - Uma Experiência Verdadeira

Os Ecos De Enoch

Os Ecos De Enoch
Página dedicada à criação online da Obra "Os Ecos De Enoch"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"
Apresentado entre agosto e novembro de 2015. Clique na imagem!

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

domingo, 5 de novembro de 2017

A Constância Do Tempo


A fragmentação de Adam ha'Rishon (O Homem Primordial) é uma consequência da fragmentação de Adam Qadmon (O Homem Celestial), conforme afirma o Zôhar: "assim como é acima, é abaixo".

Antes da fragmentação, Adam ha'Rishon possuía 300 cúbitos de altura, o que são 137 metros. A idade do universo criado após a fragmentação de Adam Qadmon é de 13,7x1.000.000 e que é igual a 13,7 bilhões de anos. 

Para os que desconhecem a Chochmat Nistar ha'Torá (Sabedoria Escondida da Torá) que o Zôhar chama "QABALÁH" foi a fragmentação de Adam Qadmon (O Homem Celestial) que deu origem ao nosso universo. O ego científico convenceu a si mesmo de que a ciência foi quem postulou a teoria do Big Bang - a Grande Explosão - que deu origem ao universo conhecido. A verdade é que, foi o Rabino Nehuniá Ben Ha'Kanná (o revelador da prece Ana Be'koach) quem postulou primeiro esta verdade e, isto, há mais de 2000 anos. O Rabino Nehuniá explicou que, no princípio não havia nada e a Luz (Ein Sof Ór) preenchia absolutamente tudo e, não havia nem começo e nem fim, nem cabeça e nem cauda. Então, a Luz resolveu criar e deu nascimento ao Cli (Vasilha) para o qual a Luz passou a emanar tudo. Com o tempo, o Cli percebeu que ele não era merecedor de tudo o que gratuitamente recebia e passou a rejeitar a Luz se contraindo e expandindo, efeito este chamado "Tzim-Tzum (Contração e Expansão)". Este movimento afastou a Luz criando um espaço vazio entre a Luz e o Receptáculo (Cli). Em relação a nós, este ponto vazio era do tamanho de um grão de mostarda e o Talmude diz sobre esta semente "Ein bô mamash (nela, nada havia)". Quando o espaço vazio apareceu no nada absoluto, o Criador (Ein Sof Ór) traçou um filete de luz até a cabeça (keter) de Adam Qadmon que começou a preenchê-lo enchendo todas as suas sefirot (vasilhas divinas) com a luz primordial. Ao chegar nas pernas do Cli, a Luz não pôde ser contida e elas se estilhaçaram sendo arremessadas em todas as direções contendo centelhas da Luz Divina aprisionadas nos seus cacos e este efeito é o início de toda a criação. 

No século dezesseis, o Rabino Isaac Lúria chamou esta fragmentação de "Shevirat ha'Kelim (A quebra das vazilhas)". Portanto, o Big Bang não foi postulado pela ciência, e sim pelos Sábios da Torá. O número 137 é o valor numerológico da palavra QABALÁH que significa "Recepção do Divino (Qabel-Hê)". 

Adam ha'Rishon foi criado à semelhança do Criador que é uma alusão a Adam Qadmon e como Adão era muito alto e abrangia toda a criação o tempo também era maior e diferente do tempo atual. Quando o Adão Primordial foi fragmentado em centelhas de almas menores (613.000) o tempo também foi afetado e diminuído, mas, mesmo assim, como no princípio as almas viviam muito, como o próprio Adão (930 anos) o tempo também era maior do que o atual. 


"A galáxia não possui 200 bilhões de sóis como pensado pela ciência astronômica, mas, 613 bilhões de massas solares, pois, como foi dito: "Assim como é acima, é abaixo".

Porque se vivia muito a oportunidade de cometer outros erros aos invés de corrigir o que causou a fragmentação era maior e, então, o Sagrado dividiu novamente as centelhas e centelhas de almas menores diminuindo o tempo de vida e facilitando a correção e, então, o tempo também diminuído e é por esta razão que a ciência não consegue conciliar a criação de Adão há 5778 anos atrás com a idade dos fosseis ou da primeira mutação genética a partir de Adão e que ele afirmam ter ocorrido há 130.000 anos. Adão pecou ao meio dia da sexta-feira cósmica, isto é, quando ele tinha doze horas divinas de vida. Qual a base de cálculo para descobrirmos a idade que Adão possuía em relação ao tempo atual quando ele foi fragmentado? 

"Porque mil anos são aos teus olhos são como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite (כִּי אֶלֶף שָׁנִים, בְּעֵינֶיךָ--כְּיוֹם אֶתְמוֹל, כִּי יַעֲבֹר; וְאַשְׁמוּרָה בַלָּיְלָה.)" - Tehilim (Salmos) 90 versículo 6. 

O passuq (versículo) contém o segredo que é a nossa base de cálculo. Um dia divino são mil dos nossos anos. Logo, um ano divino são 365.250 dos nossos anos. Como Adão ainda não havia cometido seu erro e está sob a influência do Divino, ele tinha 500 anos divinos quando pecou, isto é, Adão tinha cerca de 182.625.000 anos (cento e oitenta e dois milhões seiscentos e vinte e cinco mil anos). O tempo foi drasticamente diminuído com a fragmentação e continua sendo diminuído a cada dia que passa. Este mistério contêm o segredo da duração de uma vida: Quanto mais centelhas de almas uma pessoa possuí, mas longa é a sua vida, pois soma as o tempo de vida que estas centelhas viveram em outras encarnações de acordo com as raízes de suas almas.

Autor
BËN MÄHREN QADËSH
"Dipankara Vedas"

O Artesão Da Luz