Curso: Manifestações Ufológicas EM Código Secreto Na Bíblia

Curso: Manifestações Ufológicas EM Código Secreto Na Bíblia
O Velho Testamento bíblico e outras partes do livro sagrado estão repletos de alusões a avistamentos ufológicos e contatos com seres extraterrestres, como se verá neste curso, que dá continuidade ao ministrado pelo mesmo professor no ano de 2020. Há até mesmo ocorrências de abduções alienígenas nele descritas com clareza, como a do profeta Elias, que foi levado aos céus. Se lida com uma ótica moderna e interpretada com conhecimentos ufológicos, na Bíblia, principalmente em sua versão hebraica, há ainda inúmeras outras menções a situações inusitadas apresentadas em um código próprio, que hoje é estudado pela chamada Ufocriptologia, que o curso ministrado pelo rabino Misha’ Ël Há’ Levi, como também é conhecido Paulo Sergio Batalini, abordará. Clique na imagem para mais informações.

EU QUERO ACREDITAR

EU QUERO ACREDITAR
CRIPTO-EVIDÊNCIAS DA PRESENÇA ALIENÍGENA NO PASSADO DA HUMANIDADE

Os Verdadeiros Anunnki

Os Verdadeiros Anunnki
A verdade jamais revelada sobre os Anunnaki

Novo Livro

Novo Livro
Duna - Uma Experiência Verdadeira

Os Ecos De Enoch

Os Ecos De Enoch
Página dedicada à criação online da Obra "Os Ecos De Enoch"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"

PROGRAMA "OS ARQUIVOS X"
Apresentado entre agosto e novembro de 2015. Clique na imagem!

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

terça-feira, 10 de setembro de 2019

O Mistério Do Número 887


Sód Mispar 887

O termo hebraico "Sód (סוד)" significa "Segredo Divino" e alude à porção oculta da Toráh que somente pode ser revelada com a aplicação de todas as ferramentas sagradas que foram reveladas em Har Sinai (Monte Sinai) e que foram dadas aos cabalistas por nosso mestre Moisés.

A gematria 887 me foi revelada divinamente e é um segredo do Gilgul (Reencarnação). Este valor contém a numerologia cabalista de "Néfesh ha'Elohit (נפש האלוהית)" expressão que geralmente transcrevemos "Néfesh ha'Eloqit" e que significa "Alma Divina" que é a parte mais elevada da "néfesh".

Como já foi explicado aqui e acolá e em muitos artigos neste Blog, são cinco os níveis e os nomes da alma:


NÉFESH, RÚACH, NESHAMÁ, CHAYÁ E YECHIDÁ

Todos esses nomes são mencionados nas Escrituras Sagradas Hebraicas, como, por exemplo, no versículo "A lâmpada de Adonai é a alma do homem... (Provérbios 20:27". No hebraico lemos "Nër Adonai nishamat Adam... (נֵר יְהוָה, נִשְׁמַת אָדָם)". O termo usado para alma foi nishmá que é derivado de neshamá e significa fôlego/respiração. A melhor tradução seria "A lâmpada de Adonai é a neshamá de Adão...". De acordo com o Sha'ar ha'Gilgulim (Portal das Reencarnações), uma pessoa só é considerada Adão quando merece a alcança o terceiro nível de alma que é Neshamá.

O termo Rúach é mencionado, por exemplo, no versículo "E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu (Eclesiastes 12:7)". Em hebraico lemos "ve'ha'rúach tashuv el-ha'Elohim asher nitaná (וְהָרוּחַ תָּשׁוּב, אֶל-הָאֱלֹהִים אֲשֶׁר נְתָנָהּ.)" e neste caso, especificamente, o versículo está mencionando um rúach que é uma faísca de Elohim e não um rúach de Adão e é por isso que afirma "e o rúach volte a Elohim que o deu.

Quando uma pessoa recebe uma faísca de um rúach de Elohim acima, ela é chamada de Ish ha'Elohim (איש האלהים) - O homem de Elohim, como foi Moisés nosso mestre e os profetas Eliahu e Elisha.

O termo Néfesh é mencionado, por exemplo, em Ezequiel, onde lemos "... a alma que pecar, ela morrerá (Ezequiel 18:4)." No hebraico lemos "... ha'néfesh ha'chotét, hí tamút (הַנֶּפֶשׁ הַחֹטֵאת, הִיא תָמוּת.)".

Existem determinados pecados que afetam somente a néfesh de uma pessoa. Outros pecados podem manchar apenas o rúach e o Santo, bendito seja Ele, proveu meios para que, uma vez corrigidos esses níveis, eles sejam guardados e protegidos do pecado para que não sejam novamente manchados e toda correção alcançada seja perdida gerando mais carma.

Para ajudar com compreensão àqueles que desconhecem a língua sagrada e seus mistérios, cito aqui, o versículo do chamado "Novo Testamento" no qual se lê "... o que é nascido de Elohim não peca, pois o que é nascido de Elohim e é protegida a sua néfesh e o o mal não lhe toca (יָדַעְנוּ כִּי כָל־הַנּוֹלָד מֵאֵת הָאֱלֹהִים לֹא יֶחֱטָא כִּי אֲשֶׁר יֻלַּד מֵאֵת הָאֱלֹהִים יִשְׁמֹר אֶת־נַפְשׁוֹ וְהָרַע לֹא־יִגַּע בּוֹ׃) - Iª Carta de João 5:18

AS DUAS ALMAS

'E neshamot (almas) que eu fiz (וּנְשָׁמוֹת אֲנִי עָשִׂיתִי).' Eu (Rabi Shneur Zalman de Liadi) sabia que em todo judeu, homem ou mulher, residem duas almas, uma das quais é a alma Divina, e a outra a alma animalesca. Sempre me empenhei muito, fazendo grandes esforços, para entender a profundidade de cada conceito, e assim passei muito tempo ponderando a diferença entre estas duas almas. Afinal, ambas são formadas pelo Criador, e a respeito de ambas o versículo declara: 'Eu fiz.'"


Likutei Amarim Tanya - 7

O versículo citado acima pelo Rabbi Sheneur Zalman de Liadi se refere especificamente à neshamá que é o terceiro nível da alma.

Toda pessoa quando nasce recebe uma "Néfesh Bahamit (נפש נהמית) - alma animal" e precisa trabalhar espiritualmente cumprindo mitzvot (preceitos da Toráh) para merecer uma "Néfesh ha'Eloqit" a, não ser, que tenha nascido num lar judaico e, através da Brit Milá (Circuncisão) no oitavo dia a partir do nascimento e através das kavanót (meditações) adequadas, os pais adquiram para a criança, uma néfesh elevada.

A possessão da pessoa apenas de uma alma que é a néfesh bahamit (alma animal) explica as atitudes e ações animalescas dessa pessoa e sua falta de espiritualidade.

Na antiguidade, quando os israelitas estavam totalmente envolvidos com a Toráh ha'Sód (Toráh do Segredo), aos oito dias de nascimento recebia-se uma néfesh elevada de assiá (mundo da ação). Aos 13 anos, durante o Bar Mitzvá, um Rúach de Yetzirá (mundo da formação) e, aos vinte anos, uma neshamá de Briá (mundo da criação) e, a partir dai, se mérito adquirisse, almas mais elevadas de Atzilut (mundo da emanação) e de Yechidá (mundo da unificação). Hoje, o Bar Mitzvá, não passa de uma festa para um menino judeu que completou 13 anos...

Quando eu nasci, e, mesmo tendo nascido no exílio (fora de um lar onde Toráh e Qabaláh são praticadas) e por razões secretas e de reencarnação eu recebi uma néfesh judia. Isso me foi revelado quarenta e dois dias antes da minha Brit Milá (circuncisão) em Lag ba'Ômer de 5763 (2003) quando, durante meu sonho eu fui visitado pelo Tzadiq Nistar (Justo escondido que é a alma de um mestre da Toráh que habita no Jardim do Éden) que me disse:

"- Um rúach judeu não pode assentar sobre uma néfesh não judia..." 

Este tzadiq nistar era a alma do Maharal Sagrado que trazia, na sua mão esquerda, sua bengala milagrosa.

O meu nome civil é Paulo cuja gematria é 123. Ele foi escolhido por minha mãe e inspirado pelo anjo que me acompanhava no ventre dela durante sua gestação.

Um ano antes da minha Brit Milá, eu havia experimentado uma elevação (projeção astral) e durante esta uma voz me ordenou dizendo: "- Una ao seu nome Misha'Ël Ha'Levi o nome "Yehudá". Eu obedeci e passei a ser chamado e conhecido por "Misha'Ël Yehudá Ha'Levi".

Treze anos após a minha circuncisão, dois anos após o meu despertar, na tarde de 23 de outubro de 2016, eu fui inspirado pelo Divino a realizar um teste caseiro de glicemia. O Sagrado, bendito seja Ele, queria me revelar o segredo chamado "A néfesh está no sangue." Imediatamente após receber a inspiração, eu tomei o meu glicosímetro e aferi a glicose no sangue e o valor foi exatamente 123 mg/dl.

O horário registrado pelo glicosímetro foi 14h07m. Ora, quatorze horas e sete minutos contém 887 minutos. O Sagrado, bendito seja Ele, estava me revelando a identidade da alma que eu havia recebido, uma néfesh ha'eloqit cuja identidade secreta estava guardada na gematria 123. Ora, a gematria 123 além de ser a numerologia cabalística do meu nome civil é, também, a gematria do nome "Chaim Vital (חיים ויטל)". Sim, eu havia recebido uma centelha da alma do mestre Chaim Vital, de abençoada memória e por isso, todos os milagres que me aconteceram se realizaram nas datas de 23 de abril, 3 de maio, 11 e 23 de outubro que são datas relacionadas ao nascimento e morte do rabbi Chaim Vital, de abençoada memória.



O dia no qual aferi a glicose foi o dia de nascimento de Chaim Vital em 1542. Foi em razão deste segredo de reencarnação que, em 1996, eu acordei de um sonho, durante o qual eu fui levado à caverna do Arizal (K'nesset Eliahu Ha'Navi), falando e cantando em hebraico, idioma que, até então, eu jamais havia estudado nesta encarnação.

Em Ezra (Esdras) capítulo 2, versículo 21, está escrito: "B'ney Beit-Lechêm: 123 (בְּנֵי בֵית-לָחֶם, מֵאָה עֶשְׂרִים וּשְׁלֹשָׁה.)." A tradução é "Os filhos de Belém: 123."

Eu nasci em 1966, no dia 10 de junho na maternidade do Belênzinho. no distro de Belém em São Paulo, e como disse, minha mãe me chamou pelo nome Paulo (פאולו) cuja gematria é 123. "Os filhos de Belém, 123." O rabino Chaim Vital também está em simetria com Beit-Lechém mesmo tendo nascido em Tzfat (Safed), Israel, pois ele era da família do rei David.

DESCOBRINDO A MINHA NESHAMÁ

Em 2010, eu sonhei que estava na Morávia. Anotei o sonho no meu diário daquele ano e fiz uma menção a ele no dia 10 de novembro. O dia 10 de novembro é o 318º dia no calendário solar e, este valor é a gematria do nome Eliezer (אֱלִיעֶזֶר) cujo significado é "Aquele a quem D'us auxilia." Além disso é também a gematria de "NR'N - CH'Y" que são o segredo dos cinco níveis da alma (néfesh, rúach, neshamá, chayá e yechidá). Em fevereiro de 2014, um pouco antes do meu despertar no 270° dia no calendário solar (270 é a gematria de Ër que significa Desperto), o nome "Bën Mähren Qadësh (בן מהרן קדש)" me foi revelado através de um maravilhoso e enigmático Código na Torah e que seria um enigma para mim até a minha viagem a Israel, quando o segredo me foi revelado.


Na tabela acima, o código que me foi revelado pelo Sagrado em fevereiro de 2014. No centro encontra-se a key-word (palavra-chave) em vermelho que é "Shavit T'shri (Cometa de outubro)" e ao lado em rosa surge "Bën Mähren Qadësh (Filho da Mähren Sagrada)." Ambas ocorrências são cruzadas pelo meu nome civil "Paulo" e ao lado, no canto direito da tabela esta "Yibur Maharal". Há muito mais neste código e eu o venho decodificando ao logo dos cinco últimos anos. Para não haver dúvida de que o Paulo mencionado no código sou eu, o nome da pessoa com a qual eu me relacionava na época (פרננדה) e que estava ao meu lado quando o código foi aberto, está codificado também na matriz e compartilhando a mesma letra "Pei(פ)" do meu nome. Nós estávamos sentados no sofá do apartamento dela, o número 112.

Em Sha'ar ha'Guilgulim (Portão Das Reencarnações) Ha'Qadmáh (Introdução) 18, o Rabino Chaim Vital revela sobre os três Nomes Divinos que brilham e reinam sobre os três níveis de alma, nefesh, ruach e neshamá que são Adonai (אדנ"י), o Tetragrammaton (יהו"ה) e o Nome Eheyêh (אהי"ה) e quando estes três Nomes se conectam dentro da pessoa, isso é,  quando ela recebeu e unificou a estes três níveis de alma, o número 112 brilha sobre ela nítida e misticamente, porque a soma da gematria destes três Nomes Sagrados resulta em 112. Nada me aconteceu por acaso!

A expressão "Giluí ha'gilgul Bën Mähren Qadësh (גלוי הגילגול בן מהרן קדש)" que se traduz "A descoberta da reencarnação de Bën Mähren Qadësh" possui gematria igual a 887. Bën Mähren Qadësh significa "Filho do Mähren Sagrado" e pode ser lido também "Von Mähren Qadësh.

Então, em 2016, no dia 20 de março, Karla Roberta Carvalho, uma amiga e aluna, sonhou que eu a estava ensinando a criar um golém, na mesma madrugada na qual, 433 anos antes, o Maharal Sagrado havia criado Yosséle, o Golem, da argila do Rio Vlatava.

Algum tempo depois, eu estava tentando descobrir o significado de ter sonhado com a Morávia e, ao calcular a gematria de Morávia transliterada para o hebraico (מוראביה), quase perdi os sentidos, ao descobrir a gematria ne'elam (oculta) de Morávia, pois o valor é 887.

Então, certa tarde, eu estava estudando gematriot, quando fui inspirado a procurar pelo significado de "Mähren". Cliquei no app Google Translate e, sem notar, deixei em "detectar idioma" e escrevi Mähren com esta exata grafia. O Google tradutor identificou com sendo Alemão e o significado "MORÁVIA".



"Este é o sod (segredo) : Do mesmo nível de pureza e extensão do tikun (correção) alcançado pela Néfesh (נֶפֶשׁ) da pessoa, irá reencarnar no seu corpo, enquanto ele ainda está vivo, a Néfesh de um tzadik (justo) que já completou o seus gilgulim e retificações, e não precisa mais reencarnar aqui. Ao entrar aqui, a Néfesh deste tzadik toma o lugar do Ruach ou da Neshamá desta pessoa". - 


Sha'ar Ha'Guilgulim Ha'Qadmá 2 

Este tipo de reencarnação mencionada nesta Introdução do Portal das Reencarnações é chamado "Yibur (עיבור)" que significa "gestação" pois a pessoa fica grávida de uma outra alma que recebe ainda em vida.

Devo mencionar aqui que, antes de que o código mostrado acima me fosse revelado, eu jamais, nesta vida, tinha ouvido ou lido o nome Mähren e nunca alguém o havia mencionado para mim.

Em hebraico "O falecido Maharal, de boa lembrança, Mikulov, Morávia, República Tcheca (מהרל ז"ל מיקולוב במוראבה צכיה)" possui gematria igual a 887. O Maharal, abençoada sua lembrança, ficou conhecido como "Landesrabbiner Von Mähren (Rabino Chefe da Morávia)".

Placa em homenagem ao Maharal na qual se pode ler "LandesRabbiner Von Mähren"


Aqui, tudo fez sentido, e claridade foi trazida aos meus sentimentos com relação ao Maharal e o porque fui inspirado a escrever o Maharal & O Golem De Praga e, também,  a razão secreta do porque quando eu era criança adorava fazer pequenos homens de barro. Eu já estava destinado a receber estes níveis de alma mas, eu precisava trabalhar para os merecer e receber.

O Segredo Dos Segredos

Quando eu estava meditando e estudando sobre este mistério grandioso, resolvi aplicar sobre o título "Maharal (מהרל)" a cifra Atbash e esta me revelou o maior segredo.

Atbash é uma criptografia de simples substituição do alfabeto hebraico. Ela consiste na substituição do aleph (a primeira letra) pelo tav (a última), beth (a segunda) pelo shin (a penúltima), e assim por diante, invertendo o alfabeto usual. Quando aplicada sobre Maharal transforma o título do nosso mestre, de abençoada lembrança, nas letras "yud, tzad, gimel. chaf sofit (יצגך)" cuja gematria é igual a 123 que é a exata gematria do meu nome civil e também Chaim Vital. Esta foi a razão secreta do 887 estar escondido sobre o resultado 123 no teste de glicemia.

Em hebraico "Yibur Maharal mi-Prague (עיבור מהרל מפראג) - Yibur do Maharal de Praga" possui gematria igual a 887.


Autor
Bën Mähren Qadësh
Misha'Ël "Yehudá" Ha'Levi


O Artesão Da Luz