O Buscador

O Buscador
"Quando olho para os Céus, não estou procurando por um Deus que vive no espaço exterior, estou lendo as estrelas e ouvindo os seus mistérios (Tehilim 19)". Deepak Sankara Veda

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

Boas Vindas

"ברוכים הבאים ממסורת עתיקה העברים במדבר". Bem vindo á Antiga Tradição dos Hebreus do Deserto ao "Zen Hebreu". Este site não representa o judaísmo, nada tem haver com judaísmo e com nenhuma de suas vertentes. Este "sítio" é um lugar onde Sabedoria é compartilhada

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Sírius: O Local do Jardim do Éden




Talmud Bavli 58b:

Rav Ashi disse: "Uma estrela foi removida de um lado da Constelação de Órion e uma estrela companheira apareceu do outro lado , e as pessoas ficaram perplexas e eu pensei que a estrela tinha atravessado para o outro lado".

O Local do Jardim do Éden

Onde fica o "Gan Éden (Jardim do Éden)" de onde a "Humanidade (Adão) foi deportada? Esta é a pergunta que se faz desde a antiguidade e a mim, me foi permitido penetrar a resposta.

A Estrela Sírius 

Os SISTEMAS SOLARES, também possuem um SOL CENTRAL e um ESPAÇO UTERINO receptor, onde estão os PLANETAS. O SOL do nosso sistema solar é a Estrela Divina Sirius, SIRIUS é o SOL do nosso SOL. O SOL do SOL da Terra. O Sol do nosso Sistema Solar, o Sol da nossa Galáxia. Sirius é o foco do Grande Sol Central em nosso setor da nossa galáxia.

O sistema Solar Sírius é chamado desde a antiguidade de "A Estrela do Messias (Kochav ha'Mashiach) e é o locar no universo onde os pensamentos são elevados, onde antes possuíamos o estado de "Messias" e é para lá que devemos retornar, para eles estado.

O MACROCOSMO gravita em torno do SOL CENTRAL da nossa Galáxia, SÍRIUS OU SÍRIO. Por SÍRIUS penetram as diretrizes da GRANDE LEI, do GRANDE SOL CENTRAL e passam pelo SOL DO NOSSO SISTEMA governados por HÉLIOS E VESTA até chegar a nosso planeta Terra e aos nossos corações.

Sírius é uma estrela tão grande e tão quente, que, desde os tempos antigos, quando os dias estão muito quentes aqui, nos expressamos isto com o dito popular "Está um calor do cão" ou "Esta quente para cachorro" que é aparentemente uma expressão sem fundamento, sem pé ou cabeça, se não fosse o seguinte:

Sírius é a principal estrela da Constelação de "Canis Majoris (Cão Maior)". Aqui a expressão "Está quente para cachorro" começa a fazer sentido e então, uma pergunta intrigante se apresenta: Se nunca estivemos ou residimos em Sírius, como poderíamos saber o calor que faz e expressar isto com este dito? A resposta é mais intrigante e surpreendente ainda: Sim, estivemos em Sírius, mas nossa memória foi apagada e o que expressão faz parte da nossa "memória genética".

A evidência está no Zohar que afirma que, assim que a Humanidade (Adão e Chavah) foram deportados do Jardim do Éden sua memória foi apagada e nem mais a Vós dos Céus (A Sabedoria) ela não pode mais reconhecer.

O "Sistema Regional de Sírius" evoluciona em torno de um sol central chamado Alcyone, estrela situada na constelação das Plêiades ou "Quadrante das Plêiades". O conjunto Sol-Sírius-Alcyone descreve uma órbita ao redor do centro da galáxia (Via Lactea) em direção da estrela de Sagitário. 

O Livro da Formação...

O Sefer Yetzirá de autoria do Patriarca Abraão nos informa codificadamente que, o nosso sistema solar migrou de um ponto muito mais alto no universo chamado "Etz ha'Chaiim (Árvore das Vidas). Assim, sabemos que o nosso Sol, mesmo que a astronomia e astrofísica neguem isto, migrou de um sistema Solar maior e mais alto. Para evidenciar que estrelas migram, eu citei o Talmud acima.

O Cinturão de Órion

Desde a antiguidade três belas estrelas nos chamam a atenção. Elas são conhecidas como as "Três Marias" e também pelo título código de "Os Três Reis Magos". Elas aponta diretamente para Sírius, e Sírius aponta diretamente para o nosso sol em Dezembro e Janeiro.

As Almas dos Messias...

As almas de todos os messias são centelhas da Gigante Azul Sírius. Uma grande evidencias disto, mesmo que a maioria dos religiosos dogmáticos a neguem, é Yeshu'a - Um dos Messias que era seguido e auxiliado pelas três Marias: Maria irmã de Lazarus, Maria de Magdala e Maria sua mãe e que foi visitado pelos "Três Reis Magos". Evidentemente trata-se de um código celeste e não de uma história física.

A Evidência Codificada na Torah...

Durante uma conversa mística com meu amado discípulo Avraham ben A'aron Kuk, todo este mistério me foi revelado. Para que não houvesse nenhuma duvida, resolvi procurar a evidência dentro das letras Sagradas da Torah, e lá estava este surpreendente código, onde o termo central é "Sirius (סיריוס)" e logo abaixo deste termo central está "Kelev Gadol (כלב גדול,) - Alfa Canis Majoris", mas o que me surpreendeu foi o que li acima de Sírius:

"E tomou o Eterno Deus, a Adão (Humanidade) e o colocou no Jardim do Éden, para o cultivar e guardar ( וַיִּקַּח יְהוָה אֱלֹהִים, אֶת-הָאָדָם; וַיַּנִּחֵהוּ בְגַן-עֵדֶן, לְעָבְדָהּ וּלְשָׁמְרָהּ)" - Gênesis 2:15.



Ao lado deste verso o termo hebraico para "Gravidade" desce na vertical ligando-se a Sírius e aludindo que o Éden orbita a estrela Sirius... Veja o código abaixo.

Ursa, Órion e as Plêiades

Duas estrelas migraram das Plêiades para a Ursa Maior, e Talmud explica que isto foi feito para que o dilúvio tivesse inicio, mas que no tempo da correção, as "Filhas das Plêiades" lhe serão devolvidas. Agora sabemos porque D'us perguntou a Yov (Jó): Quem fez a Ursa, Órion e as Plêiades? (Jó 9:9).

SIRIUS E OS DOGONS

Dogon é um povo que habita o Mali e o Burkina Faso. Os dogons do Mali são um povo que vive em uma remota região no interior da África Ocidental - são cerca de 200 mil e a sua maioria vive em aldeias penduradas nas escarpas de Bandiagara, ao leste do Rio Níger. Ainda não podem ser qualificados como "primitivos", pois possuem um estilo de vida muito complexo, e não são excelentes candidatos a possuir conhecimentos científicos. Contudo, possuem um conhecimento muito preciso do sistema estelar de Sirius[1] (incluindo pelo menos uma estrela que ainda não foi identificada pelos astrônomos) e dos seus períodos orbitais. Os sacerdotes dogons dizem que sabem desses detalhes, que aparentemente são transmitidos oralmente e de forma secreta, séculos antes dos astrônomos.

Esses conhecimentos foram publicados pela primeira vez em 1950, no "A Sudanese Sirius System", escrito pelos antropólogos franceses Germaine Dieterlen e Marcel Griaule, que viveram muito tempo com os dogons no final dos anos 1940. Os dois cientistas ganharam a confiança dos sacerdotes até o ponto deles lhe confiarem esses notáveis conhecimentos, muito ligados às suas crenças religiosas.

A origem da vida

Para os dogons, toda a criação está vinculada à estrelas que eles chamam de Po Tolo, que significa "estrela semente". Esse nome vem da minúscula semente chamada de "fonio", que em botânica é conhecida como Digitaria exilis. Com a diminuta semente, os dogons referem-se ao inicio de todas as coisas. Segundo os dogons, a criação começou nessa estrela, qualificada pela astronomia como anã branca, e que os astrônomos modernos chamam de Sirius B, a companheira muito menor da brilhante Sirius A, da constelação Cão Maior.

Os dogons sabem que a Po Tolo tem uma enorme densidade, totalmente desproporcional ao seu reduzido tamanho e acreditam que isso deve-se à presença do sagala, um metal extremamente duro e desconhecido na Terra. Continuam descrevendo que as órbitas compartilhadas da Sirius A e da Sirius B formam uma elipse, com a Sirius A localizada em um dos seus focos.

Os dogons também dizem que a Sirius B demora 50 anos para completar uma órbita em volta da Sirius A, a astronomia moderna estabeleceu que o seu período orbital é de 50,4 anos. Igualmente intrigante é a sua afirmação de que a Sirius B gira em torno do seu próprio eixo e demora um ano terrestre para terminar este movimento. Alguns astrônomos afirmam que isso é possível, enquanto outros discordam dizendo que esse período de rotação é muito longo para uma estrela tão pequena e densa.

Mas, o que é realmente assustador é o conhecimento que dizem ter sobre o terceiro astro do sistema Sirius, descoberto apenas recentemente pelos astrônomos, já que possui um tamanho irrelevante perto dos dois outros astros do sistema, e por isso levou quase meio século para ser descoberto. Os Dogons chamam este terceiro corpo de Emme Ya, ou "Mulher Sorgo" (um cereal) e dizem que é uma estrela pequena com apenas um planeta em sua órbita, ou um grande planeta com um grande satélite. Os modernos intérpretes dessa tradição chamam esta estrela de Sirius C.

A conclusão de que a informação recebida por Dieterlen e Griaule era conhecida pelos dogons há milhares de anos, e é aceita pelo membro da Royal Astronomical Society, Robert Temple, uma vez que há provas a favor de tal afirmação. Contudo, há um grupo de críticos que não concordam com essa informação. Entre este grupo de cético, estão Carl Sagan, Ian Ridpath, James Oberg e Ronald Story. Segundo eles, os exploradores da Europa e dos Estados Unidos encontraram os dogons há 150 anos e forneceram-lhes informações sobre Sirius, que logo foi incorporada à sua cosmologia.

Contudo, em uma entrevista ao programa Horizon da BBC, Germaine Dieterlen não concordou com esse ponto de vista e, para prová-lo, mostrou um esquema feito pelos dogons do sistema Sirius de 500 anos de idade. Além disso, outros pesquisadores argumentam que muitos dos astrônomos dos dogons não eram conhecidos no Ocidente até o século XX.

As migrações gregas

Os pesquisadores afirmam que os conhecimentos sobre o sistema Sirius dos dogons possuem milhares de anos, e tem a seu favor as provas históricas. Supõe-se que os dogons são remotos descendentes dos gregos que colonizaram a parte da África que atualmente constitui a Líbia. Heródoto os chama de Garamantianos, de Garamas, o folho de Gaia, a deusa grega da terra. Os elementos da tradição grega são muito parecidos à preocupação dos dogons com os números. Além disso, durante a sua permanência na Líbia, aqueles gregos expatriados poderiam ter adquirido alguns conhecimentos dos seus vizinhos, os antigos egípcios.

Séculos de lenta emigração para o sul levaram os dogons ao Rio Níger, onde se estabeleceram e se misturaram com os habitantes negros locais. Segundo Robert Graves, os últimos restos dessa errante tribo estão agora em uma aldeia chamada Koromantse, também chamada Korienze, a 75 km de Bandiagara.

Visitantes Anfíbios

Para alguns[quem?], isso constitui uma prova irrefutável da antiguidade dos conhecimentos astronômicos dos dogons. Mas a forma como os adquiriram continuam sem respostas. Como um povo que não dispunha de instrumentos óticos poderia conhecer os movimentos e as características da estrela mais brilhante, da sua companheira pouco visível e de um terceiro astro do qual ainda não existem provas cientificas de sua existência?

Os dogons explicam os seus conhecimentos astronômicos do sistema Sirius de uma forma muito simples: seus antepassados os adquiriram de visitantes anfíbios extraterrestres, chamados por eles de "nommos", provenientes da estrela Po Tolo (Sirius B). As descrições feitas pelos dogons são muito precisas.

Contam que os nommos chegaram pela primeira vez do sistema Sirius em uma nave espacial que girava em grande velocidade quando descia e que fazia um barulho tão forte quanto o rugido do vento. Também dizem que esta máquina voadora rebateu ao aterrissar como se fosse uma pedra pela superfície da água, semeando a terra com "jorros de sangue". Alguns estudiosos[quem?] dizem que "jorros de sangue" na língua dogon é semelhante a "escape de foguete", o empuxo invertido usado nos veículos espaciais. Os dogons também falam que pode ser interpretada como "nave mãe" colocada em órbita. Isso não é tão estranho quanto parece: A Apollo 11 ficou em órbita lunar enquanto o módulo descia para fazer a primeira alunissagem em julho de 1969.

Tudo isso parece ridículo se não fosse pelo paralelismo com as civilizações que apareceram na época das migrações dos antepassados dos dogons. As representações artísticas dos nommos na forma de réptil assemelham-se ao semideus babilônico Oannes, com rabo de peixe, aos anfíbios dos acadianos conhecidos como Ea, e à representação na arte primitiva egípcia de Ísis em forma de sereia. Todos esses personagens foram, para seus respectivos adoradores, os pais das suas civilizações.

Os seus vínculos com as antigas civilizações do Oriente Médio dependem da aceitação da teoria que diz que seus antepassados teriam viajado até o sul, enquanto a afirmação de que os extraterrestres descreveram-lhes o sistema estelar.

Correspondentes egípcios

A Sirius A era conhecida pelos antigos egípcios como Sothis. Seu ano começava como os "dias do Cão", quando a Sirius, a estrela da constelação Cão Maior, surgia atrás do Sol, por volta do dia 23 de julho. Aparentemente também conheciam a Sirius B porque, nas suas tradições religiosas, a deusa Ísis era símbolo da Sirius A e Osíris, seu consorte, era associado à sua escura companheira.

Os antigos rituais vinculam Ísis a Sirius. A câmara do ano novo do templo de Dendera foi construída de forma que a luz da Sirius seja canalizada por um corredor até o interior da câmara.

Isso é um antecedente da cerimônia Sigui que os dogons celebram quando a Sirius pode ser vista pela fresta de uma rocha da aldeia de Yougo Dogorou. Devido ao fato de Osíris ser adorado como o senhor da vida após a morte e as lendas dos antigos egípcios falarem de almas, que voavam a uma mansão imortal junto aos deuses, é possível que considerassem que essa mansão estivesse localizada na Sirius B.

Répteis humanos

Os dogons acreditam que deuses (nommos) vieram de um planeta do sistema Sirius, há 5 ou 6 mil anos. Na linguagem dogons, Nommos significa "associado à água" ; "bebendo o essencial". Segundo as lendas, os anfíbios Nommos viviam na água e os Dogons referem-se a eles como "senhores da água". A arte dogon, sempre mostra os Nommos parte humanos, parte répteis. Lembram o semideus anfíbio Oannes dos relatos babilônicos e o seu equivalente sumério Enki. Os textos religiosos de muitos povos antigos referem-se aos pais de suas civilizações com seres procedentes de algum lugar diferente da Terra. Coletivamente, isso é interpretado por algumas pessoas como a prova da existência de vida extraterrestre que estabeleceu contato com o nosso planeta em um passado distante.

FONTE: WIKIPÉDIA

A GEMATRIA DE SÍRIUS

A gematria hebraica de Sírius, devidamente transliterado para o hebreu (סיריוס) é 346 e possui alguns segredos que evidenciam nossa teoria: 346 é o mesmo valor do termo "Be'Pardes (בפרדס)" cujo significado é "No Paraíso". É também a gematria de "Karma (קארמה)" e também de "B'ney Pered (בני פרד)" que pode ser entendido como "Filhos da Incompreensão (o termo Pered é mula no hebraico)". A alusão aqui é que, caímos de um padrão de consciência elevado, messiânico, e como consequência, derrubamos todo o sistema para um lugar mais baixo no universo a fim de sofrermos a correção, o karma.

Todo este mistério está publicado no meu livro "B'ney Kochavim - Os Filhos das Estrelas" o qual estou canalizando. Aguardem...

Artesão da Luz

2 comentários:

FRED disse...

ANJOS CAÍDOS, WATCHERS, REBELADOS, QUE TRANSGREDIRAM A ORDEM DO DEUS VERDADEIRO. ESTES QUE NÃO ESTAVAM DISPOSTOS A SERVIR, MAS EM VEZ DISSO, SEREM SERVIDOS E CULTUADOS. TOMARAM ( CONTRA AS ORDENS DE DEUS)ESPOSAS PARA SI ENTRE AS FILHAS DOS HOMENS, GERANDO UMA RAÇA HÍBRIDA ENTRE OUTROS ATOS QUE TANTO DESPERTARAM A IRA DO DEUS VERDADEIRO...EU NÃO SEI A QUE DEUS VOCES SERVEM, MAS ESTÁ CLARO QUE NÃO É A JEOVAH.
...Porque, quanto a mim, eu e minha casa serviremos o Senhor.” (Josué 24,14-15).

Evraya d´Madvra (Artesão da Luz) disse...

Ah! Certamente Fred não sirvo a "JEOVÁH" pois não existe este nas Kituvei Ha'Qodesh e muito menos "Deus" que também não existe na Torah e sim Yehoshua disse "ve'anochi u'beiti na'avod et Adonai (וְאָנֹכִי וּבֵיתִי, נַעֲבֹד אֶת-יְהוָה) ele servia ao Santo, bendito seja Ele, pois aceitou Torah e cumpria suas mitzvot, diferente dos edomitas que servem ao Anjo da Guarda de Essáv (Esaú). Sh'lomá Ila'áh

Postagem em destaque

Reencarnação Através Do Beijo

Recebendo A Neshamá De Briá Experiência Pessoal (Artigo Em Construção) "Dá-me os teus lábios e eu te darei a minha alma (n...

Leia também...

O Artesão Da Luz

O Artesão Da Luz
Deepak Veda - Instrutor e compartilhador sobre a Sabedoria Espiritual. Sênior criptólogo especialista em Criptologia Divina. É escritor e autor de 14 obras, incluindo "Shem ha'Meforash - Os 72 Nomes De D'us" e "Guilgulim - O Portal Das Reencarnações".

Advertência

"Todas as palavras postadas aqui tem por finalidade a revelação dos mistérios das escrituras. Por mais duras que algumas vezes possam parecer, elas não tem finalidade de agredir, difamar, caluniar quaisquer pessoas, instituições, religiões ou quaisquer práticas religiosas e seus líderes. É certo que determinadas práticas e seus respectivos lideres precisam sim serem trazidos à luz, mas através da revelação da verdade"

Tradição

"Então, aqueles que são sábios brilharão como o esplendor (Zohar) do firmamento, e aqueles que retornaram à justiça para muitos, serão como as estrelas para sempre (Dani´El Péreq 12, 3º Passuq)".

Aviso

"A Hayk´la Arazuta não possui vínculos ou ligações com quaisquer endidades "judaicas" e nem mesmo com qualquer federação. A Hayk´la Arazuta não é siosnista e não crê no sionismo. Os rabinos da Hayk´la Arazuta não possuem ligação e nem seguem ou servem ao "judaísmo rabínico". A Hayk´la Arazuta avisa que qualquer um que proferir calúnias, difamações, ataques contra a honra da Comunidade, seus lideres e membros, ameaças de quaisquer tipo, os autores serão levados ao Judiciário através de processos cíveis e criminais. Copiar, distorcer e usar pejorativamente assuntos e experiências aqui publicadas, os autores serão processados. A Hayk´la Arazuta d´Madvra é um Orgão da Associação Cabalista Mundial - Gará Kulam Moshav, organização esta devidamente registrada junto ao Governo Federal Brazileiro de acordo com a Lei e possui CNPJ.".