O Buscador

O Buscador
"Quando olho para os Céus, não estou procurando por um Deus que vive no espaço exterior, estou lendo as estrelas e ouvindo os seus mistérios (Tehilim 19)". Deepak Sankara Veda

Faça Uma Tzedaká (Doação)

Faça Uma Tzedaká (Doação)
O Segredo Da Doação

Boas Vindas

"ברוכים הבאים ממסורת עתיקה העברים במדבר". Bem vindo á Antiga Tradição dos Hebreus do Deserto ao "Zen Hebreu". Este site não representa o judaísmo, nada tem haver com judaísmo e com nenhuma de suas vertentes. Este "sítio" é um lugar onde Sabedoria é compartilhada

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Chanuká: Criando Milagres



O sinal de Kislev é a arco (Keshet, no hebraico). No começo de Kislev o primeiro arco-íris foi visto após a inundação. O arco-íris simboliza o pacto que D´us fez com Noah de nunca outra vez destruir o mundo com água. O simbolismo do arco ecoa também a vitória militar de Chanuká - a arco da pureza de Israel que vence o arco da impureza da Grécia. Misticamente, o arco simboliza o poder da oração: Quanto mais a corda do arco é puxada para mais perto, mais longe a flecha alcançará; assim, mais profunda a intenção de uma oração, mais alto a flecha alcançará nos céus. 
O fogo nas velas de chanuká consiste em dois poderes: o poder queimar, e no poder iluminar. Nos dias de Chanuká, os Chashmonaim (makabiim) usaram ambos estes poderes. Fogo para queimar e erradicar a impureza dos gregos, e o fogo da Torah para iluminar acima o Beit Hamikdash (o templo santo) uma vez que restaurado. Um fogo a queimar o mal, e um fogo para iluminar o bom.
Aprendemos com Hillel (um dos Sábios antigos) a respeito de como iluminar as velas de Chanuká: Hillel diz que você começa com uma vela na primeira noite e trabalha todos os dias até alcançar oito.
O poder da luz, entretanto, é sempre algo que cresce mais forte e mais forte: Hillel considerou que as Luzes da chanukia devem forçar o triunfo da luz - porque onde há uma luz, a escuridão deve fugir.
Assim Hillel nos ensinou que devemos iluminar uma vela na primeira noite, e então essa luz cresce e cresce até que encha o mundo e não haja nenhum lugar à esquerda para a escuridão.
Os dois filhos de Yosef, Ephraim e Menashe, são estes dois poderes do fogo e da luz enraizados em toda a Israel. Menashe é o poder "negativo", o poder queimar e destruir o mal, com o resultado que a luz brilhará. E Ephraim é o poder "positivo"; o poder iluminar, de modo que a escuridão não possa ter nenhum lugar para governar.
Porque os Judeus serão chamados finalmente pelo nome de Ephraim, o poder da iluminação, similarmente, a halacha segue Hillel, para começar com uma vela e para adicionar mais luz cada noite até que a escuridão desapareça.
Quando você fecha seus olhos e pensa em Chanuká, o que vem em sua mente? As luzes da chanukia. Girar do dreidel (sevivon). O aroma dos doces e sonhos. E naturalmente - o som de "Maoz Tzur".Nessa canção bonita de Chanuká, nós cantamos os "filhos da compreensão".Quem eram estes "filhos da compreensão" e qual é sua conexão a Chanuká?
O sinal de Kislev é o arco ou o arco-íris - keshet. Há uma conexão entre "Lag B´Omer e o arco de Kislev, o mês de Chanuká? O Lag B´Omer é o dia da passagem de Rabbi Shimon bar Yochai.
O dia em que deixou este mundo, Rabbi Shimon revelou muito dos segredos escondidos da Torah, a luz escondida".
A revelação da luz escondida é como a revelação das cores no arco-íris. Um arco-íris revela a anatomia da luz branca. A luz branca parece indivisível. Nenhum detalhe pode ser discernido em seu brilho puro. O arco-íris revela o segredo da luz branca.
Mostra-nos como a luz branca é composta realmente de todas as cores. Rabbi Shimon disse a seu filho Rabbi Elazar "meu filho, não espera a vinda de Mashiach até que você veja o arco-íris iluminado".Apenas porque a vinda de Mashiach é comparada ao revelação da luz escondida, assim Chanuká, o festival das luzes, é um símbolo do revelação da luz escondida, a Torah escondida.
 Esta é a conexão entre o arco, o sinal do mês de Kislev - em qual a luz escondida é revelada em Chanuká, e o arco-íris que revela as cores escondidas dentro dele. De todos os filhos de Yaakov Avinu, associado mais próximo com o estudo de Torah é Yissaschar. Yissaschar foi carregado (gerado) em Shavuot, o festival de recebimento da Torah. Sua concepção, entretanto, estava em Chanuká. Assim, Yissaschar ele mesmo, sua entrada neste mundo, nos conecta Chanuká e a Shavuot. Assim o significado de Chanuká simboliza a luz escondida da Torah. O nascimento representa o revelação final daquilo que é escondido. Shavuot significa a revelação final - a Torah revelado na luz e no som do shofar em Sinai. Shavuot é o "aniversário" da Torah e o nascimento da nação judaica. Os "filhos da compreensão" que nós cantamos em Maoz Tzur são aqueles que herdaram esta conexão - a conexão de Chanuká e a Shavuot.
São os filhos de Yissaschar que simbolizam a conexão entre o escondido e a Torah revelada. Porque o livro de Crônicas diz, os filhos de Yissaschar são "os possuidores da compreensão dos tempos".
Os "Makabiim" foram os grandes heróis de Chanuká. A palavra "makabi" é um "notarikon" de "Mi Kamocha Baelim Adonai" (Quem é como Tú entre os poderosos óh D´us).
Cantamos este cântico em todos os Shabbatot, mas talvez poucos de nós tenhamos notado que ele possui exatamente 42 palavras, nos dando uma poderosa conexão com o "nome de 42 letras" "Ana Bekoach". A palavra "makabi" soma exatamente 72. Este é o segredo na vitória dos "makabiim" contra os reis selêucidas. A conexão com a Torah escondida, A Qabaláh. A utilização da força interna de Sagitário. O poder dos 72 Nomes de D´us.

Acendemos 2 velas na primeira noite, sendo uma a vela shamash que sempre será acesa primeiro e então a primeira vela. Na segunda noite acedemos 3 velas,  a shamash, a segunda e a primeira. Na terceira noite acendemos 4 velas, shamash, terceira, segunda e primeira. Na quarta noite acendemos 5 velas, shaamash, quarta, terceira, segunda e primeira.  Na quinta noite acendemos 6 velas, shamash, quinta, quarta, terceira, segunda e primeira. Na sexta noite 7 velas, shamash, sexta, quinta, quarta, terceira, segunda e primeira. Na sétima noite 8 luzes, shamash, sétima, sexta, quinta, quarta, terceira, segunda e primeira. Na oitava e ultima noite acendemos 9 velas, shamash, oitava, sétima, sexta, quinta, quarta, terceira, segunda e primeira. Na ultima noite o total de velas acesas terá somando 44.

Imagem compartilhada de
Para mais informações e as bençãos da conexão, 
clique no link acima


O número 44 é muito importante na QABALAH e vou dar-lhe dois bons motivos: O primeiro é que 44 é a gematria de Talê (טלה) e corresponde ao mês de Nissan e ao mês de Áries. Nissan é o Mês da quebra da consciência da escravidão, a saída de Mitzraim (Egito), a libertação da consciência escravizada pelos dogmas religiosos. O segundo motivo é que 44 é também a gematria de D´li (דלי) que é Aquário, o  Cântaro cheio com as Maiym ha'Chochmá (מים החכמה) - As Águas da Sabedoria. O Portador do Cântaro é o Messias. Chanuká é uma oportunidade que D´us nos preparou para nos conectarmos com a consciência de mashiach (messias).
É muito simples verificarmos a evidência disto: Durante a conexão nós giramos o Sevivon (Dreidel), um pequeno pião de 4 lados onde estão gravadas as 4 letras hebraicas que são as iniciais da frase mistica "Ness gadol hayá sham (נס  גדול היה שם )" cuja gematria é 358, a mesma de Mashiach (Messias).

Moed Tóv  Chanuká Sameach le´kulam (um bom tempo fixado de Chanuká para todos). Shalom

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Reencarnação Através Do Beijo

Recebendo A Neshamá De Briá Experiência Pessoal (Artigo Em Construção) "Dá-me os teus lábios e eu te darei a minha alma (n...

Leia também...

O Artesão Da Luz

O Artesão Da Luz
Deepak Veda - Instrutor e compartilhador sobre a Sabedoria Espiritual. Sênior criptólogo especialista em Criptologia Divina. É escritor e autor de 14 obras, incluindo "Shem ha'Meforash - Os 72 Nomes De D'us" e "Guilgulim - O Portal Das Reencarnações".

Advertência

"Todas as palavras postadas aqui tem por finalidade a revelação dos mistérios das escrituras. Por mais duras que algumas vezes possam parecer, elas não tem finalidade de agredir, difamar, caluniar quaisquer pessoas, instituições, religiões ou quaisquer práticas religiosas e seus líderes. É certo que determinadas práticas e seus respectivos lideres precisam sim serem trazidos à luz, mas através da revelação da verdade"

Tradição

"Então, aqueles que são sábios brilharão como o esplendor (Zohar) do firmamento, e aqueles que retornaram à justiça para muitos, serão como as estrelas para sempre (Dani´El Péreq 12, 3º Passuq)".

Aviso

"A Hayk´la Arazuta não possui vínculos ou ligações com quaisquer endidades "judaicas" e nem mesmo com qualquer federação. A Hayk´la Arazuta não é siosnista e não crê no sionismo. Os rabinos da Hayk´la Arazuta não possuem ligação e nem seguem ou servem ao "judaísmo rabínico". A Hayk´la Arazuta avisa que qualquer um que proferir calúnias, difamações, ataques contra a honra da Comunidade, seus lideres e membros, ameaças de quaisquer tipo, os autores serão levados ao Judiciário através de processos cíveis e criminais. Copiar, distorcer e usar pejorativamente assuntos e experiências aqui publicadas, os autores serão processados. A Hayk´la Arazuta d´Madvra é um Orgão da Associação Cabalista Mundial - Gará Kulam Moshav, organização esta devidamente registrada junto ao Governo Federal Brazileiro de acordo com a Lei e possui CNPJ.".